quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

O malhadinhas do largo do rato

Da TSF:

«Eu cá gosto é de malhar na direita e gosto de malhar com especial prazer nesses sujeitos e sujeitas que se situam de facto à direita do PS são das forças mais conservadoras e reaccionárias que eu conheço e que gostam de se dizer de esquerda plebeia ou chic».
Primeiro, a linguagem. Subida, de púlpito ou de microfone em frente. Depois, o estilo, escatológico e de malhão, contra a mitologia da "direita", em nome da mitologia da "esquerda".
Uma comunicação perfeita: simples, clara e directa ao coração das trevas que é a tal "direita, reaccionária e conservadora".
A mesma que o PCP costuma elencar no seu léxico aparentado. E que inclui este governo e também este jogral que agora se exprime em palavras gastas e conceitos delapidados: Santos Silva, outro cómico, ali em ascensão.

4 comentários:

Anónimo disse...

De tanto dar aos músculos o neurónio criativo atrofiou e a sinapse, na falta de um par de parceiros neuronais, faz-se sujeita e directamente para a língua, como se de sinestesia se tratasse, mas não é.

Anónimo disse...

José,

Acho que a minha teoria da cabala precisa de uma boa actualização.
hi, hi, hi,...

João Melo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tino disse...

Vá lá que hoje o Augusto SS disse uma verdade: ao pé de Manuel Alegre é um pigmeu...

Mata-Bicho 31: o vírus da China