quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Sombras no direito penal

Pede-se encarecidamente à professora universitária de Direito Penal, Fernanda Palma, também cronista de Domingo no Correio da Manhã, que comente esta notícia ( precisamente do Correio da Manhã) numa próxima crónica:
Paulo Albino, mais conhecido por ‘Sombras’, é um dos jovens envolvidos no homicídio de Gisberta – transexual atirada ainda com vida a um poço, em 2006, no centro da cidade do Porto. Foi condenado a 11 meses de internamento por ter só 15 anos, mas, anteontem, acabou interceptado pela GNR de Penafiel, depois de, com um irmão mais velho, ter assaltado uma clínica de medicina dentária e ainda uma casa no concelho de Paredes. ‘Sombras’ é suspeito num total de 52 roubos.
O jovem foi condenado pelo Tribunal de Família e Menores do Porto a 11 meses de internamento num centro educativo, na sequência da morte de Gisberta, tendo depois regressado a casa da família em Valongo. Há alguns meses, e depois de emitido um mandado de captura e detenção – num processo em que está indiciado por 52 roubos em veículos e em residências nas zonas de Gaia, Gondomar, Porto, Matosinhos e Valongo –, ‘Sombras’ refugiou--se na casa do irmão.
O mandado foi devolvido ao tribunal no passado mês de Dezembro, porque a polícia não o conseguia encontrar. Ontem, libertado pela GNR de Penafiel, voltou a ser conduzido às instalações policiais, mas de Vila Nova de Gaia. Já tinha regressado à residência de Rebordosa e os militares foram buscá-lo, para que pudesse ser interrogado pelos muitos outros assaltos.

5 comentários:

JC disse...

É um gajo porreiro, pá!
Merece ser tratado com todas as mordomias pelo nosso sistema penal, cheio de obstáculos até que se consiga chegar a uma condenação.
E, quando o consegue, a maioria das vezes em penas ridículas, ainda lhes pede desculpa!

Anónimo disse...

Não acredito que Portugal vá passar por outra revolução, mas nunca estivemos tão perto. É que o perdão destes é sempre a condenação dos outros. Imagino a percentagem de processos judiciais e milhões de euros que isto custa ao Estado só em processos causados por estas atitudes laxistas. Já dou comigo a pensar se isto tudo não será de propósito para alimentar parte de umas classes quaisquer.

lusitânea disse...

Parece que o objectivo é mesmo ter o máximo de criminosos possível...de cá e de lá de fora...ora vejam quantas oficiosas isso não dá...

carlos disse...

É uma porra a realidade, só estraga as nossas belas construções intelectuais.

diconvergenciablog disse...

O que esperavam de doutrinas feitas por quem nunca saiu de casa?