Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2009

A falar é que a gente se entende.

Numa entrevista ao Expresso, em Outubro de 1984, o antigo PGR, Cunha Rodrigues, pronunciou-se abertamente sobre estas questões da autonomia do MP, relacionados com os poder político versus judicial e disse assim:

Cunha Rodrigues- " O nosso país, em termos de independência de magistrados, está muito bem. Mas, nos últimos anos (nessa altura, antes dos casos de investigações a desvios de verbas do Fundo Social Europeu, do Ministério da Saúde, Melancia, etc), a opinião pública teve a percepção de que havia iniciativas políticas que apareciam como resposta a actos ou decisões dos magistrados. E isso é uma claríssima limitação à independência dos tribunais.

Expresso- Não quer indicar um exemplo?
Cunha Rodrigues- Não, porque penso que não é especialmente grave. Mas, em termos de aparência, isso já aconteceu.

Expresso- E esses actos criam um ambiente de crispação entre o poder político e a magistratura?
Cunha Rodrigues- Mais que isso: legitimam-nos a nós, magistrados, para nos colocarmos numa…

O calado é o melhor...

Do comunicado da PGR, via TVNET:

"A existência de qualquer conduta ou intervenção de magistrado do Ministério Público, junto dos titulares da investigação, com violação da deontologia profissional, está já a ser averiguada com vista à sua avaliação em sede disciplinar e idêntico procedimento será adoptado relativamente a comportamentos de magistrados do Ministério Público que intencionalmente e sem fundamento, visem criar suspeições sobre a isenção da investigação; "

O recado é claro: caladinhos, senhores magistrados, se fazem obséquio. Nada de emitir opiniões, exprimir livremente o que pensam, especular ou dizer algo que "vise criar suspeições sobre a isenção da investigação."

O direito à livre expressão, neste caso, é reservado, limitado a quem pode falar. Os magistrados do MP não podem falar, portanto. A não ser para dizer bem da confraria, subentende-se.

Banco de pernas para o ar

Do SOl, uma citação de Paulo P. em reacção à ilibação ( plena) dos seus acusadores no processo Casa Pia:

«Os processos que coloquei contra os difamadores foram conduzidos exclusivamente pela vontade de contribuir por todos os meios ao meu alcance para que a verdade fosse descoberta». Ai foi? E a desistência do processo contra António Caldeira, Do Portugal Profundo, também foi nesse estado de espírito? Além disso, os tais "difamadores" não foram considerados como tal...pelo que o epíteto não deixa de ser, logicamente, injurioso. «Fico com a consciência de que lutei até ao último limite para que a verdade fosse totalmente reposta e que, se não o for, não será por eu ter desistido, mas porque outros se desinteressaram de a buscar». Ai sim? E a decisão de não pronúncia para responder no processo Casa Pia, também se insere nesse "desinteresse" alheio? Finalmente: porque não se afasta Paulo P. completa e definitivamente da actividade política, contribuindo, desse modo, para…

A panela da pressão

Guimarães, 31 Mar (Lusa) : O dirigente socialista Augusto Santos Silva considerou hoje "gravíssimas" as declarações do presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público sobre alegadas pressões aos procuradores do caso Freeport e desafiou-o a esclarecer publicamente a natureza dessas pressões Público em 30.01.2009 :
Enquanto cidadão, o ministro dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva, mostrou-se hoje indignado com a "continuação de uma campanha política que visa o primeiro-ministro de Portugal e o secretário-geral do PS", José Sócrates, a propósito do caso Freeport. (...) Questionado sobre os autores da campanha, Santos Silva disse não saber responder. "Não sou investigador, não sei responder", justificou". Santos Silva não é investigador; é político, mestre da culinária política e do género pigmeu, como se auto-intitulou. Cada vez faz mais jus ao auto-retrato.

Alta parada

O caso Freeport constitui o maior desafio ao MP de que há memória. Não pela substância do caso, em si, já bastante delapidada pelos anos de inércia relativa; mas antes pelo significado e importância dos princípios em acção. Veremos como isto acaba.
Para já, o avanço das peças do xadrês afigura-se muito arriscado. Mas eles lá sabem...até parece que nem conhecem este P.R. A última coisa que fará, é desestabilizar seja o que for e assim se perderá uma jogada.

Última hora, do Público:

O novo presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, João Palma, vai pedir uma audiência de urgência ao presidente da República Cavaco Silva. Nos últimos dias João Palma tem vindo a denunciar pressões sobre os magistrados, alegadamente relacionadas com o caso Freeport e que visam, segundo revelou o "Correio da Manhã" levar ao arquivamento do processo.

A vergonha perdida

Sol:

O deputado Paulo Pedroso voltou a perder, em segunda instância, a acção que tinha interposto por difamação e denúncia caluniosa, contra os ex-alunos da Casa Pia que o tinham identificado como autor de abusos sexuais. Além de seis ex-alunos da instituição, Carlos Silvino era também arguido neste processo.
O Tribunal da Relação de Lisboa considera porém que os autores de denúncias por abusos sexual não tiveram intenção caluniosa.
Paulo P., à semelhança de Ferro R. e Jaime G. ainda não ganharam uma, contra os jovens que os acusaram de abusos sexuais. Nem uma. Os tribunais, incluindo os de recurso, continuam a proferir sentenças em que os depoimentos desses jovens merecem suficiente credibilidade para os isentar de responsabilidade criminal por qualquer difamação. Ainda assim, aqueles, continuam na política activa, como se nada fosse e como se nada disto importasse. Com o apoio de uns tantos, por vezes insuspeitos que também não se dão por achados. Tamanha pouca-vergonha não vislumbro.

O poder e a influência

"A corrupção vai absolutamente contra os nossos princípios. Os maçons são homens honestos. (...) O crime de enriquecimento ilícito deve existir na lei" (...) "O que prova que a Maçonaria não controla o grupo parlamentar do PS" ( que não aceitou o pacote Cravinho que previa esse crime específico).

Estas declarações são de António Reis, grão-mestre do Oriente Lusitano, a Maçonaria, ao Correio da Manhã.

Poderia ter-lhe sido perguntado também se acha que é sinal de corrupção, moralmente activa, a tendência da Maçonaria ocupar lugares de poder disseminado no Estado e na sociedade.
O jornalista não lhe perguntou, mas a resposta adivinha-se qual seria: não. Isso é apenas o jogo de influência que todos os grupos querem exercer na sociedade...
A maçonaria não brinca nesse serviço e nada quer em troca, diria o grão-mestre.
Ou quer? E se quer, o que quer afinal? A mera filantropia, pura e simples? O Bem de todos ou só de alguns?
E com a corrupção o que é que se quer também?

O pod…

O MP na encruzilhada da autonomia real

"Há pressões, umas conhecidas e outras não, e se for necessário, se não acabarem, direi quais são e quem as faz", afirmou ao Correio da Manhã, João Palma, logo a seguir a ser eleito presidente do sindicato dos magistrados do MP.

O Correio da Manhã ( Eduardo Dâmaso e Sónia Trigueirão), escreve que os magistrados que lideram a investigação ( Vítor Magalhães e Paes Faria, procuradores no DCIAP), têm sido pressionados para arquivar ( "fechar o caso"). Escreve ainda o CM que a palavra final "vai pertencer a Cândida de Almeida e a Pinto Monteiro".
O jornal aponta expressamente o facto de aqueles dois investigadores terem sido ameaçados "há dias" com prejuízos para as suas carreiras e com a tese peregrina ( veio de outro lado) no sentido de os factos que envolvem o primeiro-ministro estarem prescritos, tese já apresentada "por um magistrado com responsabilidades no MP".

O que significam estes factos e declarações?

Nada mais nada menos do que o …

Tachos em risco

Novas da cabala e da campanha negra, anunciadas pela TVI6, de Manuela Moura Guedes.

Percebe-se o afã da ERC e ainda mais dos apaniguados do PS que quer ganhar eleições ( e se possível com a absoluta garantia que nada lhes acontecerá): podem perder o tacho...

Quanto aos restantes partidos do sistema, é simples de entender o silêncio: andam ocupados a fazer listas e isto perturba-lhes a concentração.

Ao PSD, estraga mais do que isso: a própria estabilidade periclitante da liderança que já assumiu a inevitabilidade de um mau resultado...para todos, menos para alguns. Os do costume.

Ao PCP, porque sim, não se mete em politiquices. O PCP é um partido sério. O BE idem, como Francisco Louçã.
Quanto ao CDS, as barbas estão de molho. Por isso, deixa arder as dos outros...

O melro

Marinho e Pinto, no seu melhor:

"Aconselhar o recurso a cartas anónimas, reunir com jornalistas (e com opositores do principal visado com as denúncias) são métodos que não são próprios de uma investigação criminal", escreve Marinho Pinto, acrescentando: "em processo penal não há conversas informais, mas sim diligências rigorosamente formais, ou seja, reduzidas a auto".
Pois não. Não há mesmo. Basta rever as imagens sobre o andamento do processo Casa Pia, quando Paulo P. foi preso e Ferro R. estava na berlinda, para o entender. Ler novamente a transcrição das escutas e relembrar que não houve ninguém que contasse no partido dos visados que não se mexesse para assegurar que o partido não iria pelo cano. Esteve quase, como reconhecem e apontam como objectivo cabalístico. Os ofendidos e denunciantes, esses, "podem estar a mentir", como adiantou logo e muito a propósito, o decano destas andanças. Para o resto, temos os marinhos do costume, a afiançar cabalas e c…

A função Judicial

Público de hoje:

Avelino Ferreira Torres acaba de ouvir o acórdão que o absolveu de seis crimes (corrupção, peculato de uso, abuso de poder e extorsão) que lhe eram imputados. “Esta decisão fundamenta-se na prova produzida nesta sala e não no que se diz lá fora e no inquérito”, afirmou a juíza presidente Teresa Silva.

No acórdão dos três juízes ressalta a pouca ou nula credibilidade dada ao depoimento da principal testemunha de acusação José Faria. Esta testemunha que chegou a atentar contra a própria vida e correu riscos de morte no Brasil não levou ao tribunal factos susceptíveis de sustentar a acusação do Ministério Público. Segundo a juíza presidente, Faria exprimiu várias versões e a perícia psiquiátrica a que foi sujeito conclui que ele estava em condições de depor mas não validava o que ele dissesse.

Este caso singular, mais a proclamação da juíza presidente do colectivo, merece reflexão, mesmo a quente e apenas com aquilo que se conhece dos jornais e do que se "…

O Ministério Público e as chefias

Este artigo publicado hoje no Público ( basta clicar para ler), da autoria de Alberto Pinto Nogueira, magistrado do MP em funções de topo ( na PGD do Porto) , resume alguns dos actuais problemas internos dessa magistratura: a dificuldade notória de comunicação com o povo; a organização hierárquica e modo de entendimento que se prepara para sofrer alterações, com o Estatuto, cujas modificações se avançam e são contestadas pelo sindicato.
O modo de designação dos responsáveis pelas procuradorias-gerais distritais; o reforço dos poderes do PGR em detrimento do CSMP; a ultrapassagem directa dos escalões intermédios da hierarquia, com uma progressiva descaracterização que inquina a autonomia desejável da magistratura e o reforço da chefia de topo.
O texto é de leitura obrigatória para todos os magistrados.

O engenhoso inteligente

TSF:

O Presidente da República considerou que os portugueses têm de estar à altura dos que estiveram envolvidos na reconquista de Chaves há 200 anos. Cavaco Silva lembrou que o «engenho e inteligência» então demonstrados permitiu o triunfo sobre os franceses.

Não haja dúvidas. Os portugueses actuais merecem melhor do que isto que temos:

Na liderança dos principais partidos, temos Paulo Portas, Manuela Ferreira Leite, José Sócrates, Francisco Louça e Jerónimo de Sousa. É o melhor que se pôde arranjar. As alternativas são piores ou inexistem.

Na liderança das instituições, incluindo as de facto e informais, estamos também muitíssimo bem servidos: A começar no próprio presidente da República, uma inteligência rara e de engenho fora de dúvidas que ainda há bem pouco tempo nunca se enganava, encarreirando por Jaime Gama, Noronha do Nascimento, Pinto Monteiro, Nascimento Rodrigues, Vítor Constâncio, Van Zeller, Pinto Balsemão, Jacques Rodrigues, Oliveiras, Fernando Seabra, Saramago, Lobo Antune…

O funcionamento da Justiça

Em 16.9.2008,escrevi isto que segue, neste sítio ( recomendo a leitura dos comentários):

As notícias sobre a indemnização atribuída pelo Tribunal da Relação do Porto, numa acção cível por causa da detenção de Pinto da Costa, em 3. 12.2004, merecem algumas considerações, para avivar a memória de esquecidos e ponderar a justiça do caso concreto, neste caso, de natureza cível.
A sentença de primeira instância, proferida no tribunal de Gondomar, tinha negado o direito a qualquer indemnização por detenção ilegal, por motivos esclarecidos: um juiz do processo depôs no sentido de levantar fundadas dúvidas sobre a predisposição do então detido, em "ajudar a esclarecer os factos de que estava indiciado" e ainda de subsistirem grandes suspeitas de o mesmo ter sido avisado previamente, na altura em que se preparava a operação Apito Dourado, dando-lhe tempo para se prevenir.
A apresentação do então suspeito, ocorreu cinco horas depois, com o aparato que as televisões mostraram e algumas im…

Mais porrada

No Sol de hoje

SOL- O sistema é muito garantístico?

MARIA JOSÉ MORGADO- "É hipergarantístico. Até a última reforma penal privilegia as garantias de defesa em detrimento do direito de punir. Aumentaram as dificuldades na descoberta da verdade material e na celeridade das investigações do crime económico. Estamos muito pior. O novo Código de Processo Penal é mau, muito confuso e não nos resolve os problemas."

Uma palmada bem dada

Hoje no Expresso:

Expresso- É o excesso de garantias que está na origem do aumento da criminalidade?

João Palma, (procurador do MP, único candidato a presidente do Sindicato do MP)- O Código não é um instrumento para a defesa da comunidade, mas um manual de defesa dos interesses dos delinquentes.

Está dito.

A receita requentada

A Maçonaria, o jacobinismo, o politicamente correcto, mesmo no humor, associados ao sectarismo de visão laica e incompreensão manifesta do fenómeno religioso católico, dão nisto:


Imagem: Expresso de hoje.

Felizmente, a irrelevância da ignomínia repetida, permite um juízo de desprezo: um desenhador de jornal que se plagia a si mesmo. A imaginação seca, já não dá para mais.


Original, poderia ser assim:





Processo Penal austríaco

Sobre o caso Josef Fritzl, o austríaco ontem sentenciado por um tribunal de júri, na Áustria, vale a pena reproduzir um comentário deixado na caixa de InVerbis, assinado por um Hegel lusitano:

Este caso passou-se na Áustria, um país do "1.º mundo". Gostava de assinalar duas notas sobre o mesmo. 1.º - A tramitação processual O tempo que o inquérito durou foi praticamente o mesmo que em Portugal. O tempo que demorou a chegar a julgamento foi de 11 meses. O tempo do julgamento foi menos de uma semana. Tal como lá, cá também há tribunal de juri. Um caso como este o seu julgamento nunca, nunca mesmo, demoraria menos de vários meses. Quer pela forma de produção de prova, quer da (não) admissibilidade do depoimento da vítima poder ser reproduzido em vídeo previamente gravado (não presencial), quer pelo número de testemunhas que seria necessário arrolar, das perícias psiquiátricas que seria possível requerer e o tempo que estas demorariam, quer porque o tribunal de júri teria que elab…

Detalhes do exame prévio

Lisboa, 20 Mar (Lusa) -- O PSD pediu hoje a demissão da direcção da Antena 1, devido ao "spot" publicitário de promoção à informação da rádio, que considera "atentar contra a liberdade de expressão e de manifestação".
Em causa está um anúncio da Antena 1, que está a ser emitido na RTP, em que a jornalista da rádio Eduarda Maio informa um condutor que está a decorrer uma manifestação e que esta decorre contra ele e "contra quem quer chegar a horas", o que vai motivar uma queixa da CGTP ao Conselho de Opinião da RTP, noticia hoje o jornal Público.
Eduarda Maio? A autora da elegia escrita ao líder de governo? Na altura, ainda há escassos meses atrás, já muito depois da história da licenciatura e das casas da Covilhã, o livrito de encómios, merecia um prefácio de um indivíduo que pouco tempo depois se tornou notado, por outras coisas ainda não esclarecidas, mas que o serão a breve trecho: Entre elogios de «enorme generosidade», «sensatez», «prudência», «coragem…

O exame prévio

A ERC vai apreciar queixas apresentadas contra o jornal da TVI, das sextas-feiras, apresentado por Manuela Moura Guedes e por causa de duas sextas-feiras recentes. Como pretendia que todos soubessem do facto, a ERC, garbosa da diligência, divulgou ontem um comunicado, segundo o Correio da Manhã. Sobre a ERC, a sua credibilidade, isenção e papel institucional, há muito que estamos entendidos. Portanto, este comunicado é apenas mais uma acha para essa fogueira de descrédito em que se consome. O problema com a TVI e o jornal das sextas-feiras, parece ser apenas este: O ‘Jornal Nacional de 6ª Feira’, TVI, de dia 13 de Fevereiro foi o noticiário mais visto na semana de 9 a 15 de Março. Nesse dia, o jornal apresentado por Manuela Moura Guedes registou uma audiência de 13,8% (correspondente a 1 304 700 telespectadores) e um share de 33,1%. Na mesma semana, o melhor ‘Jornal Nacional’ (TVI) teve 13,1% de audiência e 31,8% de share. O ‘Telejornal’, RTP 1, mais visto nessa semana registou 13% de au…

Um salário honoris causa

Correio da Manhã de hoje:
Armando Vara duplicou o rendimento ao passar de vogal do conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) para vice-presidente do Millennium/BCP.
Ganhava 50 mil contos por ano e passou a ganhar 100 mil. O génio paga-se.

Todos são iguais perante a lei

SOL.ACTUALIZAÇÃO: O advogado de Mário Machado, José Manuel e Castro, afirmou ao SOL que lhe foi negado o contacto com o líder do grupo de extrema-direita Hammerskins, detido ao princípio da tarde e conduzido ao DGCB. Machado é presente amanhã a um juiz de instrução." Sobre isto, o artº 61º nº1, al. f) do CPP, diz assim: "O arguido goza, em especial, em qualquer fase do processo e salvas as excepções da lei, dos direitos de: (...) f) Ser assistido por defensor em todos os actos processuais em que participar e, quando detido, comunicar, mesmo em privado, com ele;" E...alínea h): "ser informado(...) dos direitos que lhe assistem. " A violação destas regras pode configurar abuso de poder. E porque é que pode configurar? Porque o detido é uma figura pública, cujo processo em que se encontra envolvido, diz respeito precisamente a afirmações pelo mesmo proferidas, sobre eventuais abusos de poder, tomados como difamações a magistrados. Segundo se lê, afirmações porventura…

O funcionamento da Justiça

Lisboa, 16 Mar (Lusa) - A instrução do "caso Portucale" vai ficar suspensa, pelo menos até dia 31, após o assistente Luís Sequeira ter pedido o afastamento do juiz titular do processo, disse hoje à Lusa fonte do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC).
A fonte indicou que chegou hoje a informação ao TCIC do requerimento enviado por Luís Alberto Valente Sequeira, professor de Coimbra, para o Tribunal da Relação de Lisboa com vista a afastar do caso o juiz Carlos Alexandre.
A lei processual penal portuguesa-artº 43º CPP- permite isto e muito mais. Basta que alguém se lembre de achar que o juiz, por motivo entendido como "sério e grave", possa gerar desconfiança sobre a sua imparcialidade. Normalmente, estes incidentes que suspendem os processos, acontecem e processos mediáticos. Implicam uma paragem por um mínimo de mês e meio, sem contar com o prazo de vai e vem (artº 45º CPP). Portanto, dois meses, no mínimo. Se passar esse prazo, nada acontece, porém. As garan…

Toma lá Dylan

Pedro Mexia, da geração de setenta, escreveu uma crónica no Público, citada no InVerbis. O escrito, sobre os advogados, em dose genérica, termina assim: "Alguém dizia que um advogado é um tipo que se senta e compõe a gravata à espera que todos exclamem: eis finalmente um tipo que se sabe sentar e compor a gravata. O advogado de sucesso não é o herói romântico dos romances policiais, mas a mordaz personagem de James Spader em “Boston Legal”: fatinho impecável, pose erecta, modos afectados, arrogância social, indomitável cinismo, lascívia em cascata, aquele esgar irónico entre o desprezo e a obstipação. O dicionário Houaiss tem uma palavra para eles: são uns cagões. Tocqueville ficaria triste». Um advogado, Menezes Leitão, também citado pelo InVerbis, respondeu-lhe de um modo que termina assim: "Pedro Mexia agradece o facto de não ter passado no exame de agregação à Ordem, uma vez que acha que, se tal tivesse acontecido, provavelmente seria hoje "um advogado de sucesso, atr…

Os reizinhos do Direito

O editorial de José Manuel Fernandes, no Público de hoje, refere-se à Justiça. Tema sempre actual, glosado ad nauseam por todo e qualquer comentador, assentou ultimamente num consenso: a Justiça funciona mal ou nem funciona de todo. Como excepções a este entendimento comum, há as declarações de fé, de envolvidos, antes dos processos acabarem. Esses, confiam sempre na Justiça. Até à decisão, se esta lhes agradar…

JMF estabelece um paralelo entre o sistema judicial português e o italiano, para vincar as suas semelhanças e atavismos. Dois graus de recurso; facilidade e laxismo no cumprimento de regras; violações de segredo de justiça a esmo e eventual abuso de escutas telefónicas nos processos, como meio de investigação.
Há ainda outra comparação, mais perigosa: tal como em Itália o grau de exigência ética para os políticos tem baixado drasticamente, assim em Portugal, de há uns tempos para cá, tem baixado esse grau de exigência para com os titulares de cargos políticos e “uma maior recept…

São fotocópias, senhor!

Do Público de hoje, uma reportagem de José António Cerejo, sobre a contratação milionária de João P. pelo Ministério da Educação de Lurdes Rodrigues. O assunto está entregue ao MP. Veremos no que dá. Para já, parece que ninguém se interessou pelos caixotes de papelão com as fotocópias, encostados à parede e sem préstimo algum. Portanto, não farão parte do "corpo de delito":

Meia centena de pastas cheias de fotocópias do Diário da República e de índices dos diplomas fotocopiados é praticamente tudo a que se resume o trabalho pelo qual o Ministério da Educação (ME) pagou cerca de 290 mil euros ao advogado João Pedroso (mais cerca de 20 mil a dois colegas).

Os caixotes de papelão que guardam as pastas encontram-se no chão de uma sala poeirenta, vazia e fechada à chave, do 5.º andar do ministério, encostados a uma parede, sem qualquer uso ou préstimo.

O objectivo dos dois contratos feitos com Pedroso — o ME considerou que o segundo foi cumprido em apenas 50 por cento, razão pela q…

A direita pacóvia e a esquerda inteligente

No Público de hoje, Domingos Lopes do BE, candidato à Câmara do Porto, depois de se referir à sua candidatura como sendo contra a "direita pacóvia", diz assim:

"Se for eleito, como vou ser, lutarei pelo Porto. Se não for, lutarei pelo Porto." Inteligente e esperto, este Lopes.

O Primeiro-Ministro, nos rádios e em reacção à manifestação de ontem, reunindo perto de 200 mil pessoas:

" Os números não são argumentos. Há quatro anos que me chamam mentiroso".

Esta frase impecável, acompanhada de outras ainda mais, tem passado durante a manhã, nos rádios. O número de 200 mil pessoas a manifestarem-se contra o Governo, não são argumento. Não interessam ao PM. O que lhe interessam, putativamente, são argumentos. Os factos que se lixem.
E quanto ao facto de lhe chamarem mentiroso, o argumento é o de que pouco ou nada lhe interessa.

E tem razão: a falta de vergonha é um facto, não um argumento. E como diz o povo, contra factos...não há argumentos.

Os desorientados

O animador da causa vai para o PE. Mas antes disso, escreve furiosamente em nome das causas políticas e arranja sempre as ideias mais adequadas. Como esta:

O principal problema do PSD é a total desorientação política e ideológica.

Como quem diz: o PS é um partido totalmente orientado politica e ideologicamente. Pacificado e de uma profunda coerência política e ideológica.

A prova começa logo nas medidas de esquerda deste governo do PS, tipicamente: a ajuda indesmentível aos banqueiros; a política económica amplamente aplaudida pelos partidos da Esquerda, como o PCP. Acaba depois em figuras tão notórias como Manuel Alegre , Ana Gomes e o próprio animador da causa.

No PS, a Esquerda é de rigor! Pela mão do líder que escolhe os nomes para os lugares certos. Por exemplo, o Parlamento Europeu.

A informação documentada

A informação circulava por alguns blogs, colocada no site Forum Nacional. , da extrema-direita portuguesa e alguns comentários assinados aqui e ali, até por um outro "josé". Josés há muitos, de facto.
Um jornalista do Diário de Notícias, pegou nela e publicou a seguinte notícia:

"Divulgação. Documentos foram colocados no 'site' Fórum Nacional São 67 páginas de documentos bancários de Celestino Monteiro, irmão de Júlio Monteiro, ambos tios de José Sócrates, que Mário Machado, líder dos Hammerskins portugueses, colocou na Internet. Os papéis publicados vão desde os certificados de constituição de uma offshore até aos movimentos bancários efectuados durante alguns meses do ano de 2001. Entre compra e venda de acções, o valor global das transacções do tio materno do primeiro-ministro ultrapassou os cem milhões de euros.

Os documentos mostram a constituição de uma empresa offshore, a Medes, no estado do Wyoming, nos EUA, e de algumas subsidiárias, como uma em Gibralt…

os caranguejos da política

O PSD, em iniciativa do grupo parlamentar, no CCB, através de Ferreira Leite, disse hoje cobras e lagartos do Governo. Tudo mal, nada se aproveita. O Executivo, "põe o país a andar para trás".
O Governo, pela boca de um pigmeu político, respondeu que o PSD só sabe dizer mal e que "só diz mal porque se sente mal consigo próprio".

É assim a política portuguesa e é deste modo que os portugueses se vão preparando para os actos eleitorais que vêm aí.

Sporting sem violinos

O Sporting, clube grande entre os portugueses, foi ao sul da Alemanha, ontem, perder por 7-1. Cá tinha perdido por 5 secos. Antes tinha trazido de Barcelona outros cinco, nada compensados por 2 que lá deixaram.
Este Sporting consegue envergonhar um adepto que nem liga muito ao futebol, não vai aos jogos, não é fanático nem fica deprimido quando o clube perde.
Já de madrugada, junto ao estádio de Alvalade, vários adeptos, apuparam e insultaram a equipa, no regresso da Alemanha.
Segundo um comentador desportivo ( Ribeiro Cristóvão, ontem nas tv), este resultado implica mudanças no clube. Alterações drásticas e que não devem deixar tudo como está.
O alvo mais fácil e directo, é sempre o treinador, bode expiatório dos males das equipas.

Neste caso, porém, o problema é um pouco mais complicado: o Sporting, com este treinador, às vezes joga bem; outras, demasiadas, joga mal. Logo, o problema não é só do treinador.
O FCPorto, por exemplo, não tem destes estados de alma colectivos, com tanta freq…

O saber clássico

Clicar na imagem para ampliar e ler.

No Sábado passado, o suplemento Actual, do Expresso, poublicou uma entrevista com Maria
Helena da Rocha Pereira, a Professora de estudos clássicos na Universidade de Coimbra.

No fim da entrevista, diz assim, a Professora:

"A cultura grega nunca foi para mim algo enterrado historicamente. Por isso trabalhei bastante sobre a sua presença na literatura portuguesa contemporânea, verificando que os melhores poetas contemporâneos têm um sentido profundo do helenismo: Sophia de Mello Breyner, Eugénio de Andrade, Miguel Torga, etc. (...) Vejo sempre tudo através dessa mediação ( a cultura grega e latina como mediação para observar o mundo contemporâneo) e verifico que há características positivas e negativas dos tempos actuais que também existiram na Antiguidade. Ao contrário da ideia dos historiadores de que a História não se repete, há algo que se está a repetir: a perda dos padrões éticos, como no final do Império Romano."

O que Maria Helena da Roc…

Lello e os irmãos

Esta semana o Sol, escrevia isto:

O dirigente socialista José Lello acusou hoje a TVI de «perseguição pura e dura» ao PS e ao primeiro-ministro José Sócrates, considerando que esta é a estação televisiva que «mais abusa da liberdade de informação». Fazendo uso de palavras muito duras, Lello afirmou ainda que o noticiário apresentado por Manuela Moura Guedes «faria sucesso numa República das Bananas».

«A TVI é a estação que mais abusa da liberdade de informação, isso não me surpreende porque o seu director já era useiro e vezeiro a manipular a informação quando tinha um cargo idêntico na RTP», criticou José Lello, em declarações à Lusa.

«Há total liberdade de informação. Os demais órgãos de comunicação social, as demais televisões limitam-se à objectividade enquanto a TVI insiste na perseguição pura e dura ao PS e ao primeiro-ministro», criticou o deputado socialista.

Lello sabe que o noticiário da TVI, à Sexta-Feira, pode ser causa de eventual derrota eleitoral. Por causa dos factos e…

As inspecções dos magistrados

Sobre as inspecções a magistrados, no caso a juízes, o Diário de Notícias publicou já uma reportagem em que se dá conta de alguns casos avulsos que contrariam a ideia transmitida no editorial de ontem, no sentido de não existir uma avaliações de magistrados.
O texto do jornal é publicado na revista digital In Verbis, e cita alguns exemplos, publicados no boletim informativo do CSM, de Fevereiro deste ano.

O turno do juiz terminava ao meio-dia e meia de sábado. Mas, já às 09.30, um funcionário judicial tinha--o avisado de que iriam chegar a tribunal dois detidos para primeiro interrogatório judicial. O juiz contactou a secretaria, procurando saber se o "expediente" (processo) tinha entrado na secretária. Às 12.28, a funcionária comunicou ao magistrados que os presos entraram no Ministério Público. Às 13.03, o expediente chegou à secretaria judicial, mas o juiz não fez o interrogatório porque o turno terminava às 12.30.

O relatório do inspector que analisou o caso referido é pere…