quinta-feira, 4 de junho de 2009

A popularidade de Vital entre os seus

SOL:

Segundo a acta da Comissão Eleitoral para as Eleições do Conselho Científico da FDUC, Vital Martins Moreira não colheu qualquer voto e ficou em último lugar nas preferências dos docentes da faculdade.

A votação realizou-se terça-feira, 2 de Junho. Entre os candidatos contavam-se todos os docentes doutorados que não tivessem declarado indisponibilidade para concorrer a um lugar no conselho científico.

Vital Moreira não manifestou indisponibilidade para continuar naquele órgão para o qual foi eleito em 2006, apesar não ter comparecido a qualquer reunião do conselho durante dois anos.

Nesse período, o constitucionalista também acumulou faltas injustificadas às aulas e não apresentou sumários da lições, como a lei exige. No entanto, Vital não foi alvo de qualquer processo disciplinar.

O jornal O Diabo já tinha, há duas semanas, abordado o assunto das faltas do professor Vital, aos seus deveres docentes. Foi alvo de um comentário ácido do mesmo, a desmentir sem esclarecer, como é costume. Agora, é o Sol.

Vital irá ter de esclarecer esta roubalheira de crédito pessoal ou fará de conta que nada se passa?

É que entre as dezenas de professores da FDUC, Vital Moreira foi o único que não recolheu um só voto.

Nem um!

9 comentários:

sempratento disse...

Será que existe alguém que, não sendo ovelha partidária, gosta desta "Vitalidade"?!

Mani Pulite disse...

Os Lentes de Coimbra,que conhecem o Vital por dentro e por fora, anteciparam o que os Portugueses devem fazer no dia 7 de Junho.Nem um voto no Vital.Votar no PS e no Vital é votar contra Portugal!

joserui disse...

Vital Moreira foi o único que não recolheu um só voto.
Nem um!

Hehe. Que circo. Começo a achar este Vital Moreira ligeiramente repugnante...
Mas se o figurão não cumpre os seus deveres, porque não existe qualquer processo disciplinar? Ainda lhe pagam por cima? Isto é endémico. -- JRF

hajapachorra disse...

Só na fac de direito! Ou na de medicina. Em todas as outras por muito menos, mas mesmo muito menos, já foi muito boa gente corrida. Um cromo esse Vital. Há 30 anos que sei bemque o é. Nem o Canotilho vota no homenzinho?!

JC disse...

Fui aluno de Vital na FDUC na década de 80.
Por ter chegado uma vez 5 minutos atrasado à sua aula de Ciência Politica, por grande confusão que se havia instalado na cantina e que me fez atrasar no almoço - o que expliquei - levei publica reprimenda do senhor professor.
Para a próxima, ou almoçava ou vinha à aula.
"Atrasos nas minhas aulas é que não!" - disse.
É agora com um sorriso nos lábios que constato que este digno professor viola, afinal, de forma tão flagrante, os seus mais elementares deveres de docente!
Como as coisas mudam!

Rebel disse...

Ultimamente até o telemóvel atendia em pleno anfiteatro

Anónimo disse...

Convém não esquecer que depois do caso Independente qualquer medida correctiva que seja aplicada em qualquer universidade portuguesa peca por excesso. É no que dá os países corruptos vergarem-se ao seu Senhor. Depois, dificialmente as costas se lhes endireitam.

Jack disse...

O visado escreveu:

"Um pouco mais de jornalismo, sff
[Publicado por Vital Moreira] [Permanent Link]
Um semanário veio noticiar que eu não teria tido nenhum voto na eleição do novo conselho científico da minha Faculdade.
Mas o contrário é que seria de admirar. Primeiro, eu não fui candidato a tal órgão (nem a nehum outro), pois não me candidatei nem dei o meu assentimento a nenhuma candidatura, sendo evidente que ninguém pode ser candidato contra sua vontade. Segundo, eu era naturalmente inelegível, dada a óbvia incompatibilidade prática do cargo com a minha condição de candidato ao Parlamento Eurpeu e de próximo eurodeputado eleito. Por isso, se tivesse participado em tal eleição -- da qual nem sequer soube --, eu teria sido o primeiro a excluir-me, em favor de quem possa exercer efectivamente o cargo."

O pilantra esqueceu-se de dizer que os outros também não se candidaram e tiveram votos, ele é que foi o único a ter 0 (zero) votos!

100anos disse...

E dizer que este sujeito já foi um reputado e respeitado professor.
Sic transit gloria mundi.