Páginas

terça-feira, 21 de julho de 2009

O comunista Vital

Vital Moreira defende hoje no Público o seu comunismo de raiz. Acha que a "proposta de proscrição do PCP não é só descabida mas também uma demonstração de intolerável sectarismo político."

Para além de estar ligeiramente enganado no objecto da "proscrição" que não é apenas o PCP mas o comunismo em geral, através da " tentativa de alargar às organizações comunistas a proibição constitucional de organizações fascistas", Vital apresenta ainda o esclarecimento do seu pensamento actualizado sobre o assunto e que tem pelo menos trinta anos, porque foi constitucionalista em 1976:
" A proibição constitucional não decorre de uma interdição genérica de ´organizações antidemocráticas`,mas sim de uma intencionada condenação da ideologia específica que esteve na base do Estado Novo".
É caso então para perguntar a Vital Moreira que ideologia específica é essa; onde foi apresentada como nociva e merecedora de expulsão constitucional e principalmente qual a verdadeira natureza do regime do Estado Novo. Era fascista mesmo?

No jornal i, Jaime Nogueira Pinto, ( um perigoso direitista, porventura fascista, na óptica lisa de Vital Moreira), responde indirectamente:

"Os constituintes de 1975- ainda sob o peso do PREC e dos capitães de Abril pouco dados à lógica aristotélica- entenderam consagrar constitucionalmente essa proibição das organizações fascistas sem se darem ao trabalho de as definir em substância e em conteúdo. Pensaram com certeza que sendo o "fascismo" o mal absoluto, os fascistas seriam facilmente reconhecíveis- pelas garras afiadas, dentes carnívoros, olhos tresloucados- e facilmente afastados pelos bons democratas. Como o demónio pela água benta." Salvo seja, acrescento...

Vital Moreira espraia mais uma vez a sua nunca abandonada pertença ideológica , através da habitual idiossincrasia: o uso do anátema ,"fascismo", para excluir, certamente por espírito democrático e nada sectário, todos os que se afastam da sua visão dessas "décadas negras da nossa história política, em que os comunistas estiveram na primeira linha da luta da oposição democrática contra o regime, sendo as principais vítimas da repressão fascista".
Portanto, o fascismo, para Vital Moreira está devidamente identificado: é o Estado Novo.
Logo, a proibição constitucional tem um alvo, mais uma vez confessado: o regime do Estado Novo que é assimiliado ao fascismo, sem margem para dúvidas metafísicas. O Estado Novo e quem o apoiar, claro está que para Vital não há meias medidas. Fascismo é fascismo.

O comunismo, esse, como dizia ontem o editorialista do Público, é outra coisa. Uma ideologia democrática, de utopia em marcha para a criação do Homem Novo. Uma promessa de bem estar permanente e convívio democrático assegurado pelo comité centralizado.
Logo, tem nada a ver com fascismo, seja ele de Estado Novo, nazi ou franquista.
A proscrição do comunismo ( e não so do PCP) , essa sim, é medida antidemocrática. A democracia do PCP nem se pode comparar a qualquer tentativa burguesa de imitação e querer expulsá-la da Constituição em nome da liberdade " é não só descabida mas demonstração de intolerável sectarismo político".

Vital intitula o seu escrito " O silência cúmplice", referindo-se à indignidade da afirmação ( distorcida) de AAJardim e ao facto de o PSD nada dizer. Vital escreve hoje no Público, como escreveria em 1975 ou 1981. A prova, vem a seguir.

Como este escrito de Vital se repete ao longo de décadas, vale a pena recuperar em imagem ( que se pode ler clicando) de um artigo que o mesmo escreveu no Expresso de 4 de Abril de 1981.
No escrito, de uma ironia finíssima, vinda de quem meia dúzia de anos depois, denunciava o PCP como antidemocrático e alfobre de sectarismos da pior espécie, podem ler-se as mesmíssimas ideias que agora transcreve no Público. Escusado será dizer que o cartoon do jornal, ao lado do texto é uma pequena provocação. Vital Moreira, na altura, defendia o líder soviético, em votação de braço no ar...

Quem disse que um (ex)comunista também pode tornar-se um democrata?
A democracia, para estes indivíduos, vive da luta permanente contra o fascismo. O real, o imaginado e o do imaginário. Só assim se representam e só assim se conseguem remirar no espelho político.




43 comentários:

Fernando Simões disse...

Você, José, está a exagerar na expressão da sua óbvia paixão pelo "botas" e pelo país paroquial-fascista que ele criou.
Tem todo o direito a defender as suas ideias e a produzir os dislates ideológicos que entender.
Não o faça, porém, no mesmo sítio onde também, por vezes, se arma em paladino do MP.
É que, assim, deixa-nos envergonhados.

josé disse...

Qual paixão pelo botas qual carapuça!

O Botas teve o seu tempo, mas a minha paixão é mostrar o outro lado.

Esse lado escurecido que os inimigos figadais do Botas não querem deixar ver.

Os inimigos figadais do Botas não são apenas a outra face da moeda, a outra Bota, se quiser: são mais perversos e nocivos que o Botas original.

E é isso que a intelligentsia não quer que se diga.

Mas eu digo, porque sempre fui contra esses amigos das amplas liberdades, desde que fixadas por eles.

josé disse...

O nosso "fascismo", tirando a repressão aos comunistas e a censura prévia um pouco mais rígida, era idêntico a outros países europeus.

A França tinha censura e o PCF, depois da guerra nunca mais se recompôs.

A ITália teve um PCI que nunca foi mais que um PS português. A Inglaterra tinha e tem censura e tinha e tem costumes vitorianos, parecidos com a nossa repressão sexual no tempo do Botas.

Por isso, imaginar o paraíso lá fora e por aqui o inferno no tempo do Botas é faltar à objectividade histórica.

Os nossos emigrantes que sairam no início dos anos sessenta sabem muito bem que é assim.

Os outros esquecem depressa.

josé disse...

Mas é para mim claríssimo e indiscutível que vivia muito melhor num regime como o do BOtas do que num regime que o VItal comnunista nos queria preparar em 1975.

E não tenho a menor dúvida que a maioria do povo assim pensou em 1975.

E com toda a razão.

josé disse...

Portanto é da mais pura lógica que escreva o que tenho escrito: o regime do Estado Novo, apesar de mau, seria mil vezes preferível a um regime comunista que o Cunhal gostaria de aplicar por cá.

Sendo assim, parece-me que o comunismo deveria ter o mesmo tratamento que reservam ao fassismo do Botas: proibido.

Simples lógica e sem grandes problemas de consciência política.

No Leste europeu, aliás, já se proibiu o partido comunista em alguns lugares e pelas mesmas razões que aqui se proibe o "fassismo" do Estado Novo.

lusitânea disse...

Boa malha.Mas eu noto que isto cada vez se aproxima mais do PREC.Do antes do 25 Nov 75.Porque a "doutrina" é ensinada nas "academias das ciências" decalcadas das da ex-URSS.E que aqui permanecem numa espécie de "estufa" de reprodução rápida.Democratizar hoje em Portugal passa por descomunizar muitas instituições formadoras de "agentes" do internacionalsimo traidor.

zazie disse...

Excelente post e o José em grande forma.

Karocha disse...

Muito bom José,parabéns.

Mani Pulite disse...

Os comunistas de todas as seitas que foram derrotados em 25 de Novembro de 75 tomaram de assalto o PS,com o apoio activo do Soares,na segunda metade dos anos 80.Depois, tomaram de assalto a Maçonaria e o Estado onde permanecem até agora com poderes cada vez mais absolutos.Os resultados estão hoje à vista de todos.Uma Economia devastada,a miséria que alastra,as instituições e os corpos intermédios destruídos,a corrupção generalizada,a intimidação e repressão dos opositores numa ditadura que não mata mas mói.Faz lembrar a ditadura Salazarista?Pois faz.Mas em pior na medida em que o Salazarismo nunca foi cleptocrático e este nosso Regime Socialista é-o até dizer basta.Tudo isto é a OBRA dos milhares de Vitais comunistas "dans l'âme" que por aí pululam e que hoje são a verdadeira brigada do reumático do Socialismo Nacional e do Regime.

Mani Pulite disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ritinha disse...

Pensei que o José mantivesse o período de nojo devido ao defunto Vital.

Eu, pessoalmente, mantenho-lhe o mesmo nojo.

josé disse...

As notícias sobre a morte política do Vital parece que foram um pouco exageradas...embora ele tenha dado vários tiros nos pés e um ou outro no próprio couro.

Ritinha disse...

José,

Isto é malta "jovem" e sem referências... Gostaria de ler uma descrição sua da caricatura do António: quem são os dois bonecos?

josé disse...

Brejhnev e Walesa.

O russo morreu em 1982.

joserui disse...

Bom texto e resposta também. Dentro do complexo com o antigo regime, tudo que seja objectivo é uma "óbvia paixão". Por alguma razão os textos sobre o senhor Vital Moreira saem-lhe bem. E sobre retorcidos intelectuais em geral :) .
Eu acho legítimo que um regime, digamos, a democracia, se proteja contra potenciais derivações totalitárias. Uma proibição genérica parece-me lógica. O que por si só não será garantia de nada.
Independentemente disso, os partidos podem adequar (e fazem-no) os seus programas à lei. Se existe o comunismo democrático, suponho que o fascismo democrático também seja uma possibilidade.
Mas o PCP é um anacronismo original na Europa. É que nem cosmeticamente sentem necessidade de alterar a ortodoxia. No Avante dão-se à estampa elogios a Estaline, convidam as FARC para festas, Cuba é um símbolo de liberdade e outras poucas vergonhas. Como está, ilegalizado estava bem.
Pode-se achar piada a um certo pitoresco da coisa. Mas entre 5 a 10% dos votos. Como o BE. Esta gente com o poder na mão era outra conversa. -- JRF

joserui disse...

O Alberto João Jardim diz que o Vital Moreira está xoné. Hehe. -- JRF

Fernando Simões disse...

Parabéns.
Você definiu-se finalmente e com toda a clareza, honra lhe seja feita. Já não engana incautos.
Repito o que já lhe disse : não tenha o atrevimento de voltar a armar-se em defensor do Ministério Público que é,caso ainda não tenha reparado, uma instituição moldada pela Democracia de Abril (gostou da provocação?) e não pelo seu querido "Estado Novo".
Não conspurque a instituição nem nos envergonhe.
De mim já não leva mais troco por esta via. Não merece.
P.S.: o meu nome é mesmo o que consta lá em cima. Não me escondo atrás do anonimato e, passe a imodéstia, sou bem conhecido "em juízo". Percebeu?

Barbosa disse...

Boa, José!
Não tenhas dúvidas de que és a voz da maioria dos portugueses e não somos todos fascistas. O AJJ teve também a coragem de dizer o que deve ser dito, o que nem sempre acontece.
Quanto à linguagem arrogante do primeiro e anterior comentador, que raio de domocracia é a sua? Que arrogância ao dizer que o José não engana incautos; ele é que não engana ninguém; mas afinal quem tem medo da verdade e da transparência?... ´
Graças a Deus, já não precisamos de ser de esquerda para ser portugueses e gente séria; e quanto à seriedade desta "esquerda" de Vitais e outros que tais, estamos conversados... também já não enganam ninguém, cautos ou incautos...

joserui disse...

He lá. Se o José fosse um arrojado economista, diria que fica assim demonstrada a sua tese. Hehe.
Acho interessante o José conseguir ser potencialmente atacado de todos os lados. É bom. Continue. -- JRF

Wegie disse...

Põe-te a pau Zé que ele é do Conselho Superior do Ministério Público.

Já agora gostaria de saber se em 1974/5 sanearam o Ministério Público dos procuradores dos Tribunais Plenários?
Isto a propósito de ser uma instituição "moldada pelo 25 de Abril".

zazie disse...

ehehe

E acabam sempre com esta pergunta fatela dos tribunais plenários, à qual o José já se fartou de responder na GL.


Eu também acho muito giro os pruridos doentios que estas coisas ainda causam.

Há-de passar um século e ainda havemos de ter o mesmo tabu do "facismo" e dos dentes da reacção e tudo o resto- excepto eles- os que nunca se importaram de dar cobertura a ditaduras piores em nome de "anti-facismos" que nem viveram.

E a valentia com que eles dão o nome, à falta de outra coisa

ahahaha

Isto é o retrato da nossa doença. Mais nenhum povo europeu tem esta tara atravessada.

E enquanto esta tara não for digerida e não se conseguir olhar para o passado sem ter vergonha dele e com falta de vergonha pelas mentiras fantásticas em que o envolveram não teremos democracia.

É uma fezada que tenho há muito.

Não pode existir povo saudável com uma fantasmagoria que de passado que se torna mito fundador para toda a poltranice que com ele é aparada.

zazie disse...

retirar o "que" antes do "de", foi gralha.

zazie disse...

E os encapuçados- os famosos encapuçados "anti-facistas" sempre a fazerem de pides e a identificarem meio mundo, tornando qualquer debate teórico numa porteirice mais foleira que as tricas da Susaninha da Malfalda...

é esta a nossa doença.

zazie disse...

E o saloiice do tom de campinos com que dizem que dão o nome

ahahaha

Como se alguém se tivesse recusado a apresentar em privado.

Mas não, eles julgam que a net é como andar de transporte público a pedir identificação a toda a gente presente e a anunciar o nome e apelido e morada com megafone.

Como se alguém estivesse interessado em saber isso para alguma coisa.

Eu gostava mesmo de os ver fazer estas figuras tristes num café público.

Chegarem lá e insultarem meio mundo presente e outro tanto que vai a passar na rua, por não se terem apresentado.

Que eu saiba, as pessoas que não se conhecem e não foram apresentadas por nenhum conhecido comum, só se identificam colectivamente à bófia, quando há rusga.

Wegie disse...

Hum...desconfio que deves ter uma mão no teclado e a outra na crica, tal é a comichão nesse buraco negro.

Mani Pulite disse...

Este F.Simões lembra-me qualquer coisa.Será a Pide?Será o NKVD?Será a Gestapo?Diz que é muito conhecido em "juízo".Só se for pela falta dele.Finalmente, segue a cartilha da Rataria,dando a entender que quem não concorda com ele, leva.Um exemplar do "anti-fascismo" troglodítico no seu melhor, digno de figurar num Museu das figuras de cêra.Já agora OH! anti-fascista de serviço, diga-nos lá onde estava antes do 25A e qual a sua folha de serviços no combate à ditadura.Os verdadeiros opositores gostariam de saber mas se não conseguir responder cale-se então para todo o sempre.

Wegie disse...

Anuladas as medidas de aposentação compulsiva, reintegrados, recolocados, nomeados, promovidos, BRANQUEADOS.

zazie disse...

Na volta nem de gatas andava...

ehehe

Mas se tivesse vivido a ditadura devia dar um "anti-facista" muito original.

Em tendo a polícia de choque à frente, fincava as mãos na cinta e punha-se a fazer-lhes meneios:

oh..oh...oh... olhem que eu sou muito conhecido no juízo, e nem preciso de ir de cana- dou-lhes já aqui o meu nome!

":O)))))

zazie disse...

Estes anti-facistas são como estas wegies de aparições de Abril-

na véspera eram bufos, no dia seguinte já andavam a caçar anti-facistas para passarem por "democacas".

zazie disse...

O que eu gosto de "morder" estes idiotas todos.

É sempre a mesma k7. A famosa superioridade moral de esquerda por apadrinharem utopias estalinistas que eram anti-fascistas e a pancada da má-fé de se acharem gente para "desmascarar a reacção".

zazie disse...

Mas, a verdade, a triste e porca verdade, é que vivemos nesta choldra à conta de se alimentarem estes mitos.

zazie disse...

Eles sabem que têm as costas quentes.

Esta imbecilidade do nosso atraso é isto- uma mentira vendida pelos trafulhas que se penduraram no poder, à custa de se auto-nomearem defensores da "democracia".

E basta-lhes agitar o espantalho de um passado que desconhecem, para terem legitimadas as mais poltranices do presente.

zazie disse...

"as maiores poltranices"

MARIA disse...

Reportando-se à alteração da Constituição e ao desempenho do Tribunal Constitucional o presidente do Governo regional da Madeira disse hoje que não abdica da proibição de todas as ideologias autoritárias e totalitárias, como o comunismo no novo texto constitucional.
Veja-se o texto integral aqui :
http://tv1.rtp.pt/noticias/index.php?t=Alberto-Joao-suaviza-texto-mas-nao-poupa-criticas-ao-Tribunal-Constitucional.rtp&article=234027&visual=3&layout=10&tm=9
...
É uma posição extrema que nessa medida suscita sempre polémica e reacção.
Acredito que o que leva à discórdia neste tema entre as pessoas, prende-se mais com o quadro de ideais e valores sociais e humanos que alguns erradamente associam ao comunismo, levando assim a mal compreender quem a tal filosofia de regime político se oponha, na errónea convicção de que quem não apregoar tais ideias será menos solidario com os menos afortunados e terá pouco apego ao valor da liberdade.
Ora nós todos, a esta altura da história do mundo, depois de assistirmos às práticas políticas em causa e verificarmos os seus efeitos, sabemos bem que não será necessariamente ali que tais valores realmente se apresentam.
A ideia de que as pessoas de extrema esquerda são melhores pessoas, melhores cidadãs, cai por terra, se bem repararmos desde logo, na dificuldade que em regra apresentam para respeitar quem pense de maneira diferente da que eles pensam.

Mani Pulite disse...

Limpeza geral de todos os sicários de todas as ditaduras,Salazarista,Comunista ou Socialista.Especialmente desta última só por ser a mais recente.

Carlos Alberto disse...

Meus caros,
Qual é a ideia de andar adiscutir o que o taralhouco da ilha disse no intervalo de uma das idas ao WC?
falemos de coisas sérias!

Wegie disse...

Vamos a case studies: GIL MOREIRA DOS SANTOS

licenciado em Direito pela Faculdade de Direito de Lisboa em 19 de Julho de 1962,Ingressa na Magistratura em 30 de Agosto de 1962.

Exerce funções como Subdelegado e Delegado do Procurador da Republica nas comarcas de Vila da Feira, Amares, Melgaço, Beja. Santo Tirso e Porto.

Passa para a magistratura judicial e ocupa o cargo de Juiz de Direito da comarca de Cinfães de 19.05.1970 a a 14.02.1973.

É em seguida colocado em comissão de serviço como Adjunto do Procurador da Republica na Relação do Porto.

Tribunal Plenário do Porto

No exercício desse cargo intervém em diversos julgamentos.

O Conselho Superior Judiciário alegando a lei que prevê a suspensão de funções de Magistrado por fundadas dúvidas sobre a sua idoneidade moral e profissional suspende - o em Março de 1975.

O seu advogado, Bastonário Augusto Lopes Cardoso move diversos processos ao Estado Português e obtém a sua reintegraçãoe colocação na comarca de Vila Nova de Gaia em 14.04.1976.

É em seguida promovido e colocado na comarca de Guimarães.

Solicita licença sem vencimento e seguidamente ingressa na advocacia.

O Juiz Gil Moreira dos Santos dá formação na Universidade Portucalense em cursosde:
- Preparação para acesso ao CEJ( Juizes e magistrados;
- Preparação para promoção a Inspector da Policia Judiciária

E também depois é júri nos concursos.

A nomeação está publicada no Diário da República.

Gil Moreira dos Santos, o conhecido advogado do Porto que defende, entre outros, Pinto da Costa e Nuno Cardoso, respectivamente presidente do FC Porto e ex-presidente da autarquia portuense, foi acusado pelo Ministério Público da mesma cidade de ofensas corporais simples a um advogado.

Como vizinho vejo o conhecido ex Director da Policia Judiciária Matos Fernandes a entrar na sua casa ás sextas para jantar.


Mais curioso é como ele mistura as amizades com os negócios pois esse ex director da Policia Judiciária do Porto é testemunha do caso Pinto da Costa.

Coincidência maior quando o Gil Moreira dos Santos e esse ex director da PJ - Conselheiro (reformado)Matos Fernandes dão aulas de formação na Universidade Portucalense aos candidatos ao Centro de Estudos Judiciáruios e aos candidatos a Inspectores da Policia Judiciária

Afinal, "uma mão lava a outra"

Wegie disse...

Isto é um paradigma do sistema judicial. Depois ainda esperam que seja possível uma reforma...

zazie disse...

A esse propósito lembro-me do José ter escrito coisas muito mais pertinentes.

E aqui .

josé disse...

Só agora cheguei e só agora li os comentários, particularmente o do Simões.

Simões:

Não sei quem é. Sei agora que se chama Simões e é conhecido em juízo.

Então, tenha juizo!

Por outro lado e a propósito dos Plenários, nestes dias de férias dei em procurar uns jornais antigos, anteriores ao 25 de Abril de 74.
O DIário Popular, por exemplo, dos anos de 72 e 73 traziam resenhas diárias da actividade do Plenário.

Vou copiar algumas e colocar aqui, para todos poderem ler os corpos de delito, os nomes dos julgados e as sentenças.

Tenho para aí uma meia dúzia. Chegará?

josé disse...

Por outro lado lembro-me de um Simões que andou pelo círculo da Guarda nos anos noventa.

Como estive em Foz Coa, pode ser que nos conheçamos...

Se for esse o caso, então repito: Simões, tem juizo!

roldao disse...

O fim de festa

Desta vez, os autores da “campanha negra” estão devidamente identificados: são os juízes do Tribunal de Contas. Por motivo de “urgência”, embora o contrato só terminasse em 2015, o Governo assinou com a Liscont, empresa da famosa “holding” económico-partidária Mota-Engil/Jorge Coelho (e, já agora, Luís Parreirão, também ex-governante socialista da área das Obras Públicas) um “aditamento” à concessão do terminal de Alcântara. Sem concurso, que a coisa era “urgente” e sabe-se lá quem estará no Governo em 2015. É um contrato justo: a Liscont cobra os lucros e o Estado (a Grande Porca bordaliana, a de inesgotáveis tetas) suportará eventuais prejuízos, ou, nas palavras do TC, “o ónus do risco do negócio passa para o [Estado]“. O Estado pagará ainda 1,3 milhões em advogados, consultores & assessores para a montagem e gestão da ampliação do terminal; e até se, durante as obras, calhar serem descobertos vestígios arqueológicos, será (adivinhem quem) o Estado a pagar a paragem dos trabalhos. Só de má-fé é que alguém pode concluir que tudo isto não é de interesse público e do mais transparente que há.

http://jn.sapo.pt/Opiniao/default.aspx?opiniao=Manuel%20Ant%F3nio%20Pina

Wegie disse...

José: Acho uma óptima ideia. Se puder inclua actas de 1970, por exemplo, onde se poderá verificar que o figurão supra-referido condenou a 10 anos de prisão um desgraçado por distribuir panfletos na Lota de Matosinhos.