terça-feira, 17 de novembro de 2009

Uma ocasião única

As imagens que a Sic-Notícias passou agora mesmo, do caso das sucatas, no tribunal de Aveiro, é algo excpecional, embora poucos o percebam.

Ver ali José Penedos e filho, acompanhado de advogados da superestrutura e que estão sempre em todas estas coisas de relevo, é de facto extraordinário. Único, em Portugal, com este tipo de pessoas e sabendo o que se sabe por causa das escutas telefónicas divulgadas por força da reforma penal de Rui Pereira e Unidade de Missão.
José Penedos, segundo notícias de hoje, não apresenta declarações de rendimentos no Tribunal Constitucional há dez anos. É absolutamente impossível que não saiba dessa obrigação. E no entanto, omitiu este tempo todo, sem que alguém lhe fizesse o reparo.
José Penedos é um daqueles indivíduos que atravessa um regime e conhece todas as figuras de regime. Irá saber em breve, o que isso lhe vale, se valer.
E é neste contexto que a independência dos tribunais e a autonomia do MP adquire importância fulcral e todos os magistrados deverão estar atentos ao fenómeno porque irão surgir fenómenos como já estão a surgir. Um deles é a declaração de uma velha raposa da política, com telhados de vidro que já declarou tudo isto como uma coisa "comezinha". Pois, pois...

Veremos o que surge daqui para a frente. No entanto, isto é semelhante ao que aconteceu na Itália por ocasião do processo mãos limpas. Os tempos eram outros e por cá, os tempos ainda estão atrasados em relação a esse tempo.
Só retomarão o ritmo do nosso tempo quando certas forças políticas desaparecerem do mapa político, de vez e para sempre. Substituidas por outras, mais limpas e dignas do povo que pretendem representar.
Tal como aconteceu na Itália.

1 comentário:

Anónimo disse...

Vera Jardim acaba de explicar na TVI de modo claro a interpretação que diz fazer da afirmação de Sócrates no parlamento quando disse que nada sabia da TVI: é que quando se lhe faz assim a pergunta certamente ele responde referindo-se ao conhecimento formal e oficial, e não com aquilo que sabe porque ouviu dizer, etc. Negando-o, claro. Vera Jardim, por outras palavras, provavelmente acaba de dizer publicamente que Sócrates mentiu e mente e que se prepara para aderir à escapatória do conhecimento informal, mentindo novamente se tal for necessário. E Como isto deve opinião baseada nos telefonemas, provavelmente significa que é mesmo tudo verdade e que dão por certo que as gravações vão aparecer.