terça-feira, 1 de março de 2011

Os prestamistas portugueses

Os bancos portugueses estão à rasca. Ganham milhões e esmifrar o pobre do mutuário, hipotecado até às goelas dos juros e do spread, mas ainda assim estão a ganir.
Ontem, segundo relata o i, os cinco maiores banqueiros ( faltou o inefável Rendeiro e o castigado Oliveira e Costa) reuniram-se numa conferência de media ( Reuters e TSF) para dizerem coisas e loisas da sua profissão de prestamistas e onzeneiros.
Ricardo Salgado, presidente do BES disse coisas inacreditáveis, secundado por outro banqueiro de boas famílias, Fernando Ulrich, do BPI. Disseram ambos que os cds, os credit default swaps, "produtos" da finança para especialistas do negócio do investimento especulativo, deviam ser controlados e até proibidos ( Ulrich). Este até disse que os políticos europeus " não sabem do que se está a falar quando se discutem os cds."
E disse mais: " que os responsáveis europeus estão colonizados pelo pensamento das universidades americanas."
Fantástico! O capital português afinal é um tigre de papel e basta um gato assanhado para lhe meter medo.
Pobre país que já teve banca, reservas de ouro, finanças sólidas e regulação a valer. Já teve. Agora tem disto que se vê: uma vergonha nacional, uma humilhação do nosso brio de antanho. Um opróbrio: banqueiros de chapéu na mão e calças arreadas.
A estes onzeneiros da era moderna não adianta nada ensinar seja o que for, porque só pensam numa única coisa que nem vale a pena mencionar.
Mas há outros onzeneiros da nossa honra colectiva que a cederam por tuta e meia, a troco do poleiro do poder e que têm muitas contas a prestar se alguém lhas pedir.
O único problema é que já não temos quem lhas peça.
Portugal não tem gente suficiente para os meter na cadeia porque nem leis para isso tem e uma boa parte dos que as aplicam solidarizam-se plenamente com estes delinquentes por terem partilhado as suas ideias.
E no entanto, estes grandecíssimos e retoricamente fdp deram realmente cabo, nada retoricamente, de um país no tempo de uma geração. Nem o jacobino Afonso Costa, pai espiritual desta canalha, faria melhor.

6 comentários:

zazie disse...

Em grande, José.

E também não há ninguém a falar assim claro, nem na blogosfera.

Floribundus disse...

o rectângulo é um enorme 'pinhal da ASzambuja'.
há bandoleiros politicos e da bancarrota a assaltarem-se uns aos outros.
arrium porrium

Karocha disse...

Falaram sim zazie!

Kafka disse...

O José está mesmo zangado.

Kafka disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Karocha disse...

E é para estar Kafka!