segunda-feira, 11 de julho de 2011

Haja Deus!

No Público de hoje este pequeno artigo ( clicar para ler) de um professor de Português do ensino básico permite acalentar esperança de que nem tudo se perdeu no sistema de ensino nacional.
O professor, ainda novo, escreve bem, pensa melhor e apresenta o seu caso num certo modo tongue in cheek que mostra o absurdo do sistema de avaliação de professores com que a senhora dona Rodrigues mai-lo seu primeiro-ministro licenciado pela Independente ao Domingo, nos presenteou. Onde se terá formado este professor? Que escolas frequentou, o que leu e aprendeu e com quem? Aposto que um dos pais era professor...dos antigos e que frequentou o sistema de ensino do fassismo.

Está aí tudo, nesse pequeno artigo, sobre a perversão deste sistema avaliativo: a subjectividade como insustentável, mesmo num ambiente em que se torna inevitável. A impossibilidade de conferir rigor ao que nunca poderá ser rigoroso e o pendor tecnicista e pseudo-científico desse logro.

3 comentários:

Floribundus disse...

as 'meias-senhoras' da minha região compravam uma mala de mão semelhante à da d. lourdes. eram conhecidas por 'mala do ranho'.

o pior são os profs mais velhos e desactualizados que nas escolas de Lisboa ocupam:
os lugares cimeiros
fins de semana alargados
melhores horários
melhor avaliação

lusitânea disse...

Este sistema de avaliação é uma merda.Juízo por via indirecta de quem anda aflita com este doutoramento tardio de "avaliadora".Com base em "declarações" dos avaliados.Vão surgir por aí muitos Camões...

rita disse...

Ainda há Professores...

Só as lurdinhas deste (mesquinho) país poderão acreditar nesta INVEROSÍMIL equação para CONGELAÇÃO de carreiras!!!