segunda-feira, 29 de agosto de 2011

A laranja mecânica faz 40 anos

Em finais de 1971 estreou um filme que se tornou polémico desde o início: A Clockwork Orange, de Stanley Kubrick.
Em Portugal por efeito da Censura, o filme só foi visto pela primeira vez em salas de cinema públicas a partir do final de 1974. Tal como aconteceu com O Último Tango em Paris , de Bertolluci. Foram dois filmes que suscitaram bichas às portas dos cinemas, na época. No caso do último, até espanhóis vinham cá de propósito para verem o filme uma vez que em Espanha a Censura ainda não tinha acabado, porque o regime franquista ainda durava ( em Espanha o fascismo nunca existiu mesmo porque foi sempre um regime "franquista". Efeitos de um PCE liderado por um não-estalinista...)

Na época, o crítico de cinema da revista Vida Mundial tratava o assunto em modo "adulto" e maduro, como diria o médico António Barge a propósito da ( não) manifestação ruidosa dos jovens em Vilar de Mouros.
Curiosamente, a Censura que proibiu o filme em Portugal não tinha o mesmo recorte político da que o proibiu no Reino Unido a pedido do realizador. Ao contrário de Portugal que pôde ver o filme em 1974, os ingleses, numa das mais velhas democracias do mundo, andaram 27 anos sem o poderem ver...e os americanos, na altura da estreia, pespegaram-lhe ( a comissão de censura, diga-se) com uma classificação de X, o que limitava o acesso ao seu visionamento.
O trailer original do filme parece ser este:

1 comentário:

Roque Genesius disse...

Vi o filme.Obrigado por trazer a notícia. As "aves raras" da ressocialização e das "perspectivas behavioristas" deveriam vê-lo. Talvez aprendessem alguma coisa.