terça-feira, 25 de outubro de 2011

Isto vai ficar assim?

RR:

Os 12 aviões comprados pelo anterior executivo socialista, que se destinavam ao transporte militar e vigilância marítima, custaram mais 115 milhões de euros que o previsto, indica uma auditoria do Tribunal de Contas à Locação de Aeronaves Militares, uma empresa do grupo Empordef - Empresa Portuguesa de Defesa.

A verba daria para comprar mais cinco aviões, que ajudariam a substituir os Aviocar da Força Aérea.


O acordo previa a entrega escalonada de aeronaves entre Junho de 2008 e Janeiro de 2010, mas a última aeronaveItálico chegou apenas em Março deste ano, tudo por causa de pedidos do Estado português para que se fizessem modificações nos aparelhos.


A derrapagem é assinalada pelo Tribunal de Contas, que fala numa complexa teia institucional e contratual e conclui que o Estado português não acautelou nem apresentou alternativas para minimizar esta situação.


De acordo com a entidade liderada por Guilherme d’ Oliveira Martins, nunca ficou claro, desde o início do processo, qual a entidade que deveria ter desempenhado a função de gestão da entrega dos aparelhos, o que originou uma dispersão de informação e de responsabilidades.


O Governo português deve por isso, segundo o Tribunal de Contas, ponderar o interesse na manutenção do actual quadro institucional, com a Empordef, que serve de suporte à aquisição e manutenção de equipamentos militares.


Ao Conselho de Administração da Empordef é sugerido que crie um sistema para acompanhar e controlar a evolução dos investimentos em que participa.


O tribunal de Contas é explícito: O Estado, ou seja, quem negociou em seu nome, não acautelou os interesses dessa entidade nem apresentou alternativas para minimizar a situação.


Isto não é dito por um curioso qualquer, um blogger anónimo ou um oposicionista de circunstância.


Se esta declaração solene do tribunal de Contas não tiver efeito algum estamos entendidos sobre a famosa "responsabilização": é um logro, uma aldrabice e quem quiser e estiver em posição para tal pode roubar à vontade. As eleições tapam tudo, depois.

Hoje na A.R., o deputado Paulo Campos fez dos outros que o ouviam uma cambada de imbecis. Gozou literalmente com o pessoal. Disse que a renegociação das PPP nas SCUT até foi um bom negócio e em vez do que se tem dito, antes pelo contrário, anda tudo a marchar erradamente. Ele é que está certo.
Até quando é que isto se mantém?

5 comentários:

joserui disse...

Vai. O TC é um verbo de encher. Sempre foi, não estou a ver que mude agora com uns aviões.
Quanto aos socialistas, sem vergonha e impenitentes, destruidores do país, esse Paulo Campos devia estar preso junto de muitos outros e a restituir o que subtraiu ao país em actos e omissões; mas tem por aí uma nulidade como o Teixeira dos Santos a desdobrar-se em "lições de sapiência", não há na sociedade uma reprovação generalizada destes indivíduos. O pior ministro das finanças da Europa e arredores, diz que não se arrepende de nada e há quem o convide para dizer isto e não falta quem vá ouvir. É terrível. -- JRF

JC disse...

"Isto vai ficar assim?"

Vai.

Porque quem devia tomar a iniciativa da investigação - o Ministério Público ou a Polícia Judiciária - não o vai fazer.

Por falta de coragem ou por outros interesses protectivos encobertos.
Tanto neste caso como em muitos outros que têm vindo a ser do conhecimento público e dos quais este blogue tem dado eco.

Com o mero conhecimento desta notícia da Renascença, aquelas duas entidades (mais o Ministério Público) deviam logo abrir um inquérito e não deviam ficar à espera que alguém - o Tribunal de Contas? o actual governo? - lhe comunicassem "formalmente" a situação para o fazerem.

Portas e Travessas.sa disse...

Os aviões foram comprados em 2007, segundo suponho, e só em 25 de Outobro de 2011 acordou a http://www.empordef.pt/main.html, dos desvios de dinheiro mal gasto e outras coisas mais,

A notícia é credível

Evidemente não faz, a não ser, para os interessados nas compras e vendas - porventura outro fornecedor dava mais a jeito comissionalmente - era como o material de incendio, tambem dava muitas comissões, deixou de dar.

A EMPORDEF devia apresentar uma queixa a quem de direito.

Os concursos, pela 1ª vez, eram postos na NET

Portas e Travessas.sa disse...

Novo Presidente do Grupo EMPORDEF SGPS, S.A.




Vicente Ferreira foi ontem nomeado presidente da Empordef, holding das indústrias de Defesa, pelo Ministro da tutela, José Pedro Aguiar-Branco.

O novo conselho de administração conta ainda com mais dois vogais executivos - António Mendonça e Luís Miguel Novais e um não executivo, Jorge Camões.

- Está desvendado o mistério (jobs) - a mata a arder e os aviões
dentro dos angares

Em 3 meses, este governo nada fez, ou por outra, andam à procura de bilhetes de electrico.

Governem e façam melhor, para isso foram eleitos

Portas e Travessas.sa disse...

As contas do Grupo de Empresas foi auditada por Abreu & Cipriano não encontram nada de ilegal.

Mata-Bicho 31: o vírus da China