quarta-feira, 16 de novembro de 2011

O sistema de alarmes da esquerda

Segundo o Público de hoje, "João Duque, coordenador do Grupo de Trabalho para a definição do serviço público de tv, disse ontem , na TSF, que a informação da RTP Internacional deve ser "filtrada" e "trabalhada" pelo Governo" e que tal seria " a bem da Nação".

Maldita expressão! E bem dita a hora em que foi dita, porque permite aos espíritos saudosos do PREC um desafogo de esquerda, sempre tão recalcada e tão visível em tudo o que escrevem.

O Público jacobino de Miguel Gaspar lá titulou na primeira página o pequeno happening; editorializou no interior e até um comentador residente, filho pródigo do Bloco, zurziu o dislate na última página, segundo os cânones da esquerda bem pensante.
Congregaram todos os fantasmas antigos e o articulista pródigo em ideias esquerdizantes até cita um fantasmático Secretariado da Propaganda Nacional, para exorcizar o mal absoluto.

Claro que toda esta girândola de preocupações esquerdizadas e jacobinas assentam num único prelo: o de diabolizar tudo o que lhes recorde o tempo de antanho, do "fassismo", e para tal, mesmo que tenham que inventar, inventariam processos intencionais medonhos de regresso ao obscurantismo e à repressão. Pouco ou nada lhes interessa que o modelo seja copiado da democracia inglesa. Se apela ao " a bem da Nação" até poderia ter um Churchill como patrono que seria sempre fassista.
Nunca lhes passa a vontade de cilindrar ideias que recordem tempos antigos. É um reaccionarismo a contrario, sempre pronto a garantir o politicamente correcto e as palavras escolhidas para o enunciar.
"Nação", não presta. "A bem da Nação" é uma ofensa. Um estribilho da repressão. Um cânone fassista.

Esta gente não tem emenda e nada esqueceu porque nada aprendeu.

19 comentários:

Carlos disse...

"...filtrada e trabalhada pelo governo, a bem da Nação" - o avô cavernoso (o tal, que instituiu a chuva), não diria melhor! Depois, admiram-se e ficam todos arrepiados com as declarações (disparatadas) do Otelo.

Huummm!...cheira a môfo que fede.

AF disse...

Caro José,

Que internacionalmente a realpolitik funcione assim, não espanta a ninguém minimamente atento. Basta ver que a nação dos paladinos da Liberdade e Democracia de exportação por esse mundo fora usa e abusa activamente desse tipo de filtragem de informação "trabalhada".
Agora, uma coisa é saber que é assim, e sentir-se repugnado, e pouca coisa poder fazer. Outra é ouvir a sugestão do grupo de trabalho na voz de João Duque e não se sentir incomodado. Nunca é boa ideia oficializar a manipulação da informação por parte do governo.
Agora aplique os rótulos que quiser e pinte da cor preferida. A mim causa-me tanto asco vindo de comunistas como de fascistas, para usar rótulos supostamente extremos.

josé disse...

A informação de uma RTP internacional dirigida a PALOPS dever ser condicionada por fontes governamentais?

Deve sê-lo tanto como a BBC o faz. E foi isso que foi sugerido. Mais nada.

O uso da expressão "a bem da Nação" é que fez salivar os habituais reflexos condicionados dos antifassistas encartados.

josé disse...

Se usasse outro tipo de linguagem nem sequer teriam dado pelo facto. Assim soaram todas as campaínhas do politicamente correcto e que se afadiga a perscrutar tudo o que possa pôr em risco o discurso que definiram há um ror de anos, mais ou menos 37.

É isso que me encanita.

josé disse...

O tam mofo é mesmo deles, dos antifassistas encartados.

Carlos disse...

Alarme (esquerda)Vs. (c)sensor (direita), tão sómente.

josé disse...

Os piores censores são de esquerda porque têm a ideia que possuem toda a legitimidade para censurar sempre e quando quiserem.

São donos da verdade, logo censuram o que lhes parece contrariá-la.

josé disse...

Não têm qualquer complexo nisso e até se mostram muito admirados quando alguém lhes aponta o vício.

Exemplo? Saramago no D.N. in illo tempore

Wegie disse...

Isto não tem "haver" com nada mas a bem da nação faço uso do que tenho na mão para aumentar a população. Tenho dito.

Carlos disse...

Que raio de conversa: "a minha é maior que a tua e o meu pai é chefe da polícia" Francamente!!!...

josé disse...

Os alarmes já estão todos a tocar o mesmo: o Duque daqui a nada é fassista. Era o que precisavam para matar politica e mediaticamente um liberal que é o pior bicho à face da terra depois do fassismo.

Esta esquerda é sempre a mesma. Desgraçou-nos e quer continuar na mesma senda.

zazie disse...

Isto é doença. Mete impressão como os jacobinos são fósseis e nem se enxergam no ridículo.

Na volta diziam isto e muito mais se fosse no "estrangeiro". Porque a bem da Nação só mete nojo por causa do "fassismo".

zazie disse...

O me causa mais estranheza nem são os fósseis, são as réplicas da descendência.

Como as pessoas podem ficar de cabeça feita, cheios de paranóia e dogmas e depois ainda dizem que os religiosos é que sofrem desse atavismo.

lusitânea disse...

Eu gosto muito do "a bem da Nação".Agora só fico à espera da definição de "Nação"...

Carlos disse...

Ufa! finalmente alguem falou (escreveu) com verdadeiro conhecimento de causa (própria).

ae disse...

Fazendo uso do que tenho à mão (e na mão), sempre a bem da naçãooo. Aiaiai.

Carlos disse...

Curiosamente, ou lucidamente!...

É do CDS, através do deputado Adolfo Nunes (terrível esquedista infiltrado), que é proferida uma das mais violentas críticas ao relambório do Duque.

Será talvez altura de, muitos "anti-esquerda pós-modernistas", consultarem um psicanalista. Ou, em casos mais avançados de demência o recurso ao psiquiatra.

josé disse...

Pois foi o Portas quem também disse umas coisas sobre a isenção...

O Portas que fez do Independente o jornal mais isento do mundo...

Psicanalista deve precisar quem não entende estas coisas.

joserui disse...

"depois ainda dizem que os religiosos é que sofrem desse atavismo" Quem não acredita em nada acaba sempre por acreditar em demasiadas coisas... -- JRF

O TCIC é para acabar...