Páginas

sexta-feira, 4 de maio de 2012

O caso BPN e a corrupção endémica de alguns políticos

O Diário de Notícias de hoje destaca a intervenção de alguns conhecedores do caso BPN, ontem no debate que decorreu no Auditório do jornal.

O advogado Arnaldo Homem Ribeiro que representa clientes lesados pelo banco disse que " Os portugueses estão a ser sacrificados para cobrir os prejuízos provocados por uma quadrilha de gente da política." 
E mais: "O caso BPN tem ligações muito fortes com o caso Freeport. Enquanto não formos transparentes no financiamento dos partidos, a corrupção não acaba."

Nuno Melo, um dos que mais sabe sobre o caso e cujas intervenções brilhantes na primeira comissão parlamentar sobre o caso foram reveladoras diz que " a comissão de inquérito à gestão, supervisão e nacionalização do BPN em 2009, descobriu mais em três meses do que a própria investigação criminal e o Banco de Portugal, com competências e meios na matéria."

Nuno Melo explicou de modo simples e resumido o que está em jogo neste caso:
"o que esteve em causa foi a utilização de veículos de três entidades BPN Cayman, BPN IFI e Banco Insular ( BI) para conceder empréstimos camuflados, ocultar prejuízos, justificar casos de mora." (...) "Através de uma série de audições, fiz um esquema onde tinha os mandantes: seis; os executantes:quatro; quem criou as offshores:uma entidade; quem trabalhava nessa entidade: três pessoas; quem tinha conhecimento das offshores; quem fez a contabilidade do BPI; papel do Banco de Portugal..."

Portanto temos, segundo Nuno Melo, conhecimento do núcleo duro do "caso de polícia" que foi o BPN de Oliveira e Costa. Dias Loureiro, antigo conselheiro de Estado, amigo de Cavaco é suspeito deste caso.
Sobre o Freeport já sabemos muito bem quem é o principal suspeito...
Portanto: por que espera a Justiça?

21 comentários:

Karocha disse...

Eu faço sempre a mesma pergunta José.
Qual justiça?

Carlos disse...

"Portanto: por que espera a Justiça?"

Essa "gaja", anda pelas ruas da amargura!

Karocha disse...

Carlos
Essa "gaja" existe?

Carlos disse...

É só um "suponhamos", Karocha. Embora haja quem a veja rastejante - penso eu de que!

Karocha disse...

Carlos
Eu não vejo a "gaja" por ai, nem mesmo rastejante!!!

Carlos disse...

...é a vida!

Karocha disse...

Carlos

Pois!!!
Como diz o meu rapaz mais novo, "é a vida tem prazeres e desprazeres" !

Carlos disse...

Pois, pois!...há que aproveitar os primeiros, até ao tutano. É o meu lema.

Karocha disse...

:-)))

Carlos disse...

Como a Karocha já observou, sou um pouco nabo nesta liguagem de "mandarim informático".
Se é só, para mandar um sorriso, basta a foto.

P.S.: permita-me: tem um sorriso enigmático e que me faz lembrar um célebre quadro.

Karocha disse...

Carlos
Para o José não se zangar connosco,eu li mal o post ou estão a dar a entender que o BPN está ligado ao Freeport?!

Karocha disse...

Muito obrigada Carlos!

Carlos disse...

José, um momento se f. f.

O que é bom, sempre acaba. Ok, já ganhei o dia!

Wegie disse...

O soviete dos funcionários semi-analfabetos do MP está a tratar do asunto. Aguardam-se novidades lá para 2050..

josé disse...

Tal como diz o juiz Rangel ( enfim é o que há...) "A Justiça não pode fazer tudo".

Antes da Justiça houve o BdP e a comissão de inquérito.

O DCIAP continua como dantes: quartel general perto do Rato.

josé disse...

Até Outubro teremos disto. Depois logo se verá.
Quando Cavaco sair da presidência vai descobrir-se que a casa que comprou no Algarve fica perto da de outros figurões do BPN...

Carlos disse...

É a tribo da coelha!

Carlos disse...

José,

Comprou, ou permutou?

Karocha disse...

Se fosse só a tribo da coelha Carlos!

Streetwarrior disse...

Mesmo que a quadrilha, hipotéticamente fosse parar ao Grilhó, ou iriam de férias para casa (provavelmente para a Aldeia da Coelha ) ou seria um Xelindró, refinado, com Biblioteca e refeições encomendadas ao Gambrinus, qual Carlos cruz quando foi dentro.

Gente fina... é outra coisa.

Karocha disse...

Street

O Gambrinus já não é o que era :-)))