terça-feira, 25 de setembro de 2012

O défice do Público

Ainda sobre a crónica de José Vítor Malheiros sobre a sua incapacidade em perceber a origem da nossa dívida ao estrangeiro, tal afigura-se normal e até susceptível de uma explicação singela:

O Público, jornal em que escreve, não tem sido deficitário, sempre? Então como sobrevive assim um jornal, com laivos jacobinos por banda de alguns jornalistas e comentadores, com um défice de jornalismo económico acentuado e uma direcção inenarrável?

Sobrevive por um fenómeno simples de explicar: a SONAE paga tudo. Os supermercados dão para tudo. O capitalismo dá para tudo, até para ter um jornal anti-capitalista.
Tal como o nosso défice até agora, que outros pagavam. A diferença é que para nós chegou o cobrador.
Para o Público, por um estranho fenómeno masoquista da administração da SONAE, o défice continua. Alegremente. E o cobrador chegará, se chegar...

6 comentários:

Manuel Santos disse...

Conselho de Administração

Presidente Ângelo Paupério

Vogais António Lobo Xavier, Cláudia Azevedo....

http://static.publico.clix.pt/files/fichatecnica/

A representante directa de Belmiro de Azevedo no Público é a filha Cláudia. Tratar-se-á de uma esquerdista caviar super chique?

josé disse...

A tal Cláudia manda no pai?

josé disse...

O Toninho Xavier, esse, é mais um do centrão.

Um aproveitador. Não é burro nenhum mas por isso mesmo aguenta-se sempre à tona.

lusitânea disse...

As novas instalações do Público devem ser na Cova da Moura.Pá já lá está o Moinho da Juventude...

Karocha disse...

Lá vai o "Tomaz"falir...

Domingos disse...

Quando do ataque do Sócrates à comunicação social, em plena fase de interferência na linha editorial do Público, o Eng. Belmiro afirmou: "Se quiserem mandar no Público comprem-no".
Depois foi o que se conhece. O director foi afastado e o jornal fez uma deriva suicida à esquerda.
Um dia saberemos toda a verdade...