Páginas

domingo, 9 de setembro de 2012

Querem voltar ao "pote"...

...E rapar o fundo ao tacho que deixaram:

Sapo:
O secretário-geral do PS, António José Seguro, assegurou hoje que o PS “não pode pactuar” nem será “cúmplice do caminho de austeridade” seguido pelo Governo, anunciando que haverá “consequências” na votação do Orçamento de Estado para 2013.

4 comentários:

Floribundus disse...

o entertainer Marcelo disse que o ps não existe por não possuir secretário-geral.
antónio almofada josé folga seguro é na realidade um 'enche chouriços', mas pode perfeitamente tornar-se pm dos restos do que foi um país.
a Troka deve achar que o pobre homenzinho não passa disso mesmo com alguma mágoa minha

Karocha disse...

Já não há pote,José!

lusitânea disse...

Atenção Penamacor qualquer dia têm direito a uma tabanca!!!Pá a demografia assim o determina!!!Isso e salvar o planeta por vossa conta claro...

FMS disse...

A recusa em olhar-se ao espelho e aceitar, de uma vez por todas, que é o Estado (através do eleitorado) o principal responsável pelo estado a que "isto" chegou - enfim, a obstinação no erro, seria cómica se não fosse trágica.

Senão vejamos, cronologicamente. No início era o PREC, a primavera alentejana. Depois vieram os banidos, os exilados, os que fugiram às catanas e a tribo toda que saltava para cima das mesas nas RGA's de faculdade.

Nota ambiental: estou a ouvir a Antena 1 neste momento, que volvidos 38 anos de serviço público, e salvaguardando os flashes noticiosos e a Antena Aberta com António Jorge, emite quase exclusivamente música dos anos 70 e outros revivalismos conotáveis com a ideologia então vigente.

Em 1983 já não havia dinheiro, tendo tido que assistir-se ao regresso do FMI. Se em '77 fora normal que tivesse vindo, no meio da confusão e dos bramidos emanados pelos diversos clãs de espoliados, já desta vez conviria pensar no que poderá ter causado tão súbita revisitação. O primeiro-ministro era Mário Soares (o mesmo que ainda vive em tempo de antena) e apregoava, então, medidas do mesmo teor que agora apoda com a facilidade retrovisionária de "canibalesco".

A partir de 87 é a vez de Cavaco estropiar o erário público. Sacrificam-se os sectores produtivos mais estratégicos, como as pescas ou a agricultura, a soldo de uns tostões fáceis e cujo rasto fica perdido na bruma até hoje.

Depois disto, no lugar dos estroinas, só houve cobardes, jotinhas e ladrões. Mas o eleitorado ficou curiosamente na mesma, isto é, foram sendo eleitos, progressivamente, os piores tipos de gente.

Hoje clamam contra o grande capital, os tubarões, o Primeiro que está, e a cassete do costume com algumas variações aqui e acolá.

O espelho continua sem uso.