terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Ulrich parte Louçã

Talvez seja por irritar os comunistas em geral, mas Fernando Ulrich não me chateia com o que diz, na medida em que foge do politicamente correcto e não tem complexos exagerados ou linguagem politicamente acorrentada. Desta vez, segundo o Económico disse isto à inenarrável Ana Drago, do Bloco comunista:

Durante a sua audição na Comissão de Orçamento e Finanças, o tema principal tem sido, sem surpresa, a declaração feita pelo banqueiro na semana passada, sobre os sem-abrigo. A deputada Ana Drago, que voltou a dizer a Ulrich que deveria pedir desculpas ao povo português, afirmou ainda que "o senhor, que tem um salário mensal de 60 mil euros", não sabe como vivem as pessoas. E que as suas declarações são uma ofensa a "todos os que lutaram" para que " houvesse a liberdade de cada um dizer o que pretende".

O banqueiro reagiu, afirmando que "estou grato a quem lutou para que eu pudesse dizer aquilo que digo, mas pela sua idade também não deve ter lutado muito. Mas beneficia, como eu, com aquilo que todos antes de mim fizeram". E voltou a negar qualquer pedido de desculpas pelas suas declarações.

"Não lhe reconheço a si nem a ninguém o monopólio da sensibilidade social ou da propriedade da verdade. Isso revela da sua parte um espirito da Inquisição em que as pessoas eram condenadas por crime de opinião. E portanto eu vou continuar a usufruir da liberdade de que beneficio e a sra. Deputada também".

Sobre o salário, Ulrich afirmou que "Aquilo que tenho ou não tenho foi feito com a vida numa empresa privada. Tenho os meus impostos em ordem e se um dia alguém me quiser julgar desse ponto de vista, mais importante do que ver aquilo que eu ganho é ver como gasto". E concluiu em jeito de contra-ataque: "mas digo lhe que não recebo lições desse ponto de vista. E não sei porque se emociona tanto com a minha remuneração e não com a de um treinador do Benfica que ganha não sei quantas vezes mais do que eu? Se calhar porque isso afectaria os seus votos. Mas eu, como não sou de nenhum partido, sou um alvo fácil".

Na mesma ocasião, Ulrich respondeu também a algumas acusações feitas pelos deputados, sobre as declarações proferidas há uns meses, em que disse que o BPI estaria disponível para acolher desempregados que, continuando a receber subsídios do Estado, quisessem trabalhar no banco. Uma atitude que, para as bancadas de esquerda, é contrária aos "princípios" que o banqueiro diz defender.

"Ao contrário da senhora deputada [Ana Drago], eu tenho alguma experiência na criação de postos de trabalho[...] Não pense que é só com medidas macro económicas que vamos conseguir reduzir o desemprego. Não são só as PME que vão reduzir desemprego. Para criar emprego não é preciso ter só dinheiro: é preciso ter organização e capacidade para criar projectos para as pessoas. E o BPI tem essa capacidade. Tal como a PT, ou a Zon ou tantas outras grandes empresas".

"Com as suas declarações, aquilo para que a senhora deputada esta a contribuir é para uma sociedade mais egoísta. É que ao contrario da senhora deputada, eu consigo criar postos de trabalho e a senhora não".


Acertou-lhe bem, Ulrich.  Mas ainda disse pouco porque como está habituado a partir louça, deveria ter ido um pouco mais longe e partir os pratos todos, incluindo o do Louçã.

49 comentários:

zazie disse...

ahahahaha

Que maravilha!

JC disse...

Delicioso!
Abençoado Ulrich!

Há quanto tempo não via nada assim!

Gostava era de o ter visto de viva voz a sovar dessa forma essa empertigada "coquete".

Passou nos telejornais?
Desconfio que não...

Floribundus disse...

ouvi vagamente qualquer coisa na tvi, mas longe do que aqui aparece transcrito.

pela fronha da passionária de vão de escada apercebime que tinha sido bandarilhada no caschaço.

acabei de ler no 'blog do Noblat' uma crónica de Fernando Henrique Cardoso sobre os silêncios da comunicação socialista do Brasil sobre os escandâlos do 'mensalão'.
« o qu entritece não é a conduta de algumas pessoas. é o silêncio das instituições democráticas »
lá c omo cá ...

José Domingos disse...

É claro que na tv, só passa a parte mais soft, não vá esta situação virar moda, e os pagantes otários deste país, perderem o respeito, por esses detentores da verdade e moral imaculada, que é a esquerdalha, que levou este país ao estado em que está.

sebasaires disse...

eu até acho que devíamos todos beijar os pés a este senhor tal é a grandeza

JC disse...

Incomoda ouvir isto, não é?
Pois, falta de hábito...

Viriato de Viseu disse...

Aquela bonequinha bloquista vermelha que NUNCA trabalhou na vida, teve resposta à altura !!!

Lura do Grilo disse...

Poupou demais o bolchevique Honório Novo. Talvez não tenham vontade de o convidar tão cedo para estas comissões que, honestamente, não aquecem nem arrefecem à parolice nacional.

hajapachorra disse...

Desculpai, mas não entro na festa. A queque bloquista não vale um chavo, mas o Ulrich também é um grande palerma. Tagarela como a floribela louçã, não passa de um bancário desarticulado que dá mau nome ao patrão. Um banqueiro a sério não abre o bico. Sabeis de quem estou a falar, do espírito que sopra onde quer...

Aladdin Sane disse...

A RTP é esquisita. No seu site tem a notícia que vi no Telejornal:

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=625595&tm=9&layout=122&visual=61

(se virem a reportagem, comentá-la torna-se redundante)

mas, vá-se lá saber porquê, alguém julgou relevante disponibilizar também esta pérola:

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=625551&tm=9&layout=123&visual=61

ou seja, o discurso de Honório, já incluído na peça anterior, não acompanhado de imagem (peça radiofónica?) e com um título bem sugestivo. Esta última é uma das notícias mais lidas no site. Porque será?

Estranha, esta RTP.

Streetwarrior disse...

José, estou a estranhar!
Então nem um artigozinho, uma frasezita....uma palavrita acerca do novo Comboio de "Alta Velocidade " que afinal este governo "também " vai avançar?
È estranho!
Deve ser por não ser o PS de Socrates com o Salgadinho a financiar, pois nesse tempo era um verdadeiro embuste...com este Governo deve-se justificar.

Estes não são diferentes dos Ratos.apenas mudam o nome aos mesmos tachos de que se aproveitam.

Eu a ouvir a noticia e a ficar com uma sensação de Dejavu.

Esta, a dos 1100 milhões no Banif...a da nova loja Maçónica que já não se chama Mozzart (fico mais descansado) mas junta os mesmos comilões á mesa.

Enfim...tudo grandes mudanças!

josé disse...

Streetwarrior:

Se há coisa que não percebo nada é de alta velocidade ferroviária, bitolas de carris, investimentos da UE, transportes por caminho de ferro e estratégia europeia de vias ferroviárias.

pedro frederico disse...

Bom dia,
o CM online hoje pela manhã tinha uma parangona
"Ulrich cobiça salário de Jesus"...
(entretanto desapareceu essa notícia).

hehe

(sem comentários)

Unknown disse...

Ulrich responde à letra à “monopolista do bem”, Ana Drago.

Estes comunas de beira de piscina estão sempre prontos para alardear intenções mas dispensam resultados. Adoram ser generosos com o dinheiro alheio, acham que têm um coração de ouro e uma “mensagem” para nos “salvar”.

Estas almas humanistas não vêm graça nenhuma que um banqueiro se possa exprimir em liberdade, que será sempre a liberdade de quem discorda deles. Afinal na cabeça destes militantes do bem,do belo e do justo, um banqueiro à parte do que possa dizer, ou não, tem mesmo é que ser satanizado!

zazie disse...

Se for banqueiro socialista é outra coisa.

Silva disse...

O que leio despertou-me a curiosidade de saber se estamos na presença dum super-herói ,que desbaratou facilmente uma garota comuna , que como tantos colegas de ofício ,nunca fez outra coisa vida que não politiquisse !!

Vamos lá pesquisar algo sobre a fanfarrona capacidade do super-homem em criar postos de trabalho !

Será verdade o que leio ?!!!

"Conforme realçou o presidente Fernando Ulrich, durante a apresentação das contas do banco, desde 2008, quando foi atingido o pico máximo de colaboradores, já foram eliminados 1.172 postos de trabalho na operação do banco no mercado doméstico."-

Para mim isto basta ,nâo necessito de saber mais por agora , dum indivíduo que tem perdido ultimamente oportunidades únicas de estar calado !!

JC disse...

Senhor Silva:

Convém ler tudo e saber de que se fala.

Para desinformação já basta a comunicação social que temos.

"O BPI terminou o ano passado com 6400 colaboradores em Portugal, menos 258 trabalhadores que em 2011Desde o final de 2008 trabalham no banco menos 1367 pessoas. A rede de balcões baixou de 807 agências, no final de 2008, para 734, no final de 2012.

Fernando Ulrich explicou que este corte de pessoal resultou essencialmente de programas de reformas antecipadas e da não reposição a 100% de pessoas que saíram da instituição."

http://economico.sapo.pt/noticias/sairam-do-bpi-1367-trabalhadores-em-quatro-anos_161515.html


Destaco: 6.400 postos de trabalho.

Aonde é que está a fanfarronice?

Silva disse...

Eu li meu caro , eu li o que foi eliminado !

(menos 258 trabalhadores que em 2011 )
(Desde o final de 2008 trabalham no banco menos 1367 pessoas )

Onde e quando é que ele criou ?

Milhares de trabalhadores , sempre existiram naquele banco muito antes de esse senhor lá pôr os pés .

Tenha uma boa tarde .

Unknown disse...

GUERRILHEIRA DE FESTIM


««« Não lhe reconheço a si nem a ninguém o monopólio da sensibilidade social ou da propriedade da verdade. Isso revela da sua parte um espirito da Inquisição em que as pessoas eram condenadas por crime de opinião. E portanto eu vou continuar a usufruir da liberdade de que beneficio e a sra. Deputada também»»»





Fernando Ulrich, comprovando que a guerrilheira de festim, diplomada na defesa de massas imaginárias, disparou o trabuco retórico mas acabou por acertar na própria testa.

zazie disse...

Mas, se a banca está em crise, o que é que queriam?

Quantos milhares imagina que andam a ser despedidos na City.

JC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
zazie disse...

E agora são "trabalhadores"- na volta até são proletários, ou assalariados explorados.

Noutras alturas são capitalistas, banqueiros, yuppies usurários que deviam se exterminados.

Nunca se entende esses padrões da luta de classes.

Silva disse...

Blogger zazie disse...

Mas, se a banca está em crise, o que é que queriam?


Que não largasse fanforronices pela goela fora !
E o facto do Treinador Jesus auferir ainda mais , não o torna comparável aos sem-abrigo .

Continuo na minha :
Perdeu uma óptima ocasião de apertar a dentadura .

Silva disse...

Blogger zazie disse...

E agora são "trabalhadores"- na volta até são proletários, ou assalariados explorados.
---------------------

Para seu conhecimento , tempos houve que trabalhar ou ser trabalhador era uma honra !

Hoje só é prestigiado quem tem um emprego , não é ?!!!

Que Deus a/o proteja !

zazie disse...

Este é mongo e não é do planeta do Floriano.

Unknown disse...

Obrigado Zazie.

:))))))))))))))

Aladdin Sane disse...

Bom, espero que os zombeteiros do "TGV" já tenham percebido afinal do que se trata. E ponham a viola no saco, sff.

Mentat disse...

“Se há coisa que não percebo nada é de alta velocidade ferroviária, bitolas de carris, ..."

Caro José

Não precisa de perceber, só precisa de perceber que este assunto é tratado pela escória polito-jornaleira que temos da mesma maneira que tratam os assuntos BPN versus BCP/CGD/Berardo como chama a atenção no seu post seguinte.
Ou seja só falam do que lhe dá jeito e de maneira perfeitamente imbecil.
Esse seu comentador “rufia de valeta”, deve pertencer ao clube.
O que este Governo pretende fazer com os Caminhos de Ferro não tem nada a ver com TGV.
Aliás Portugal já tem um TGV, é o Alfa-Pendular.
Só que nunca o conseguiram pôr a andar à velocidade para que foi concebido.
O que este Governo vai fazer é o mais lógico, e que ninguém diz mas já foi previsto nos últimos planos de fomento do Estado Novo.
Temos o melhor Porto Marítimo de águas profundas na Europa que é o de Sines.
O Caminho de Ferro é um transporte económico para mercadorias.
Portanto ligar Sines à Europa é lógico, é uma boa ideia e um bom investimento, mas só para transportar mercadorias.
Por exemplo quando o novo canal do Panamá estiver concluído, os super-portacontentores, chineses, americanos, etc. se puderem descarregar em Sines, não vão perder tempo à procura de outros portos europeus.
Eu pessoalmente acho que nem sequer precisávamos de mudar de bitola.
Existem comboios que se podem adaptar a duas bitolas diferentes, e existe uma coisa chamada transfega.
Mas acho que o Governo conseguiu negociar bem.
A troco de parecer que se está a fazer um “TGV” em Portugal, a Espanha consegue segurar os dinheiros da Europa, e nós também.
.

Mentat disse...

A bitola é a distância entre carris.
Para tirar "ideias" a europeus belicistas, Espanha e Portugal decidiram que as nossas linhas tinham uma bitola diferente da restante Europa.
Se quisessem invadir a peninsula Ibérica que viessem a pé...
.

zazie disse...

ehehe

A pé

":O))))

Rui disse...

Mentat, desculpe mas não concordo consigo.
Já há imenso tempo que ouço essa teoria de que temos que ligar Sines à Europa como se fosse um "dogma".

Para mim trata-se de um erro. Sines é um investimento cujo principal objetctivo é potencializar as industrias PORTUGUESAS, ou seja, facilitar as suas exportações. Estas industrias deveriam situar-se em Sines e para isso foram investidos mais uns milhoes na criação de parques industriais em Sines.

Do meu ponto de vista ligar Sines à Europa não faz muito sentido, que vantagens temos nós em gastar milhares de milhoes de euros na linha ferrea para que os espanhois possam utilizar o nosso porto?

Desculpe mas acho muito melhor investir na industria portuguesa (ou entao pura e simplesmente descer o IRC como o Alvaro quer...)

Quanto ao "TGV ser o Alfa Pendular". Tem razao quando diz que poderia atingir velocidades muito superiores. Contudo o problema poe-se em que por dia passam cerca de 600 composiçoes na linha entre lisboa e Porto pelo que a linha está completamente congestionada tornando-se assim necessario construir outra. A diferença de custo de uma nova linha entre lisboa e porto é de cerca de 6% pelo que se justifica investir logo numa linha de melhor qualidade e com bitola comum à restante linha europeia.

Queria também dizer-lhe que quanto às transfgas é principalmente um problema burocratico que o nosso Paulinho bem poderia resolver (acho que chegam a demorar 20 horas devido a imensas exigencias burocraticas desnecessarias)

quanto aos aparelhos de mudanças de bitola apesar de existir a solução tecnica sao significativamente caros, acho que cerca de 1 milhao de euros (salvo erro) o que nao inviabiliza necessariamente a soluçao (um km de linha ferrea custa 20 milhoes...)

Rui disse...

Quanto ao Ulrrich e a sua capacidade de criar trabalho, apesar de achar que a sua resposta foi muito bem dada, a verdade é que se há situação em que se está livre da concorrência é ser banqueiro, acho que ainda é mais seguro do que ser funcionario publico. Se se der barracada na gestao o estado entra... Não se vêm bancos a falir e novos a abrirem

De certa forma os banqueiros ainda beneficiam mais do sistema do que os politicos, pensionistas funcionarios publicos, RSI, etc (os tais 6 milhoes que o Medina diz que vivem do estado)

Alguns exemplos:
1) porque é que os bancos não pagam uma taxa de IRC semelhante à das outras empresas?
2) porque é que os bancos não pagam IMI dos seus imóveis?
3) porque é que os bancos podem dar condições de crédito diferentes quando vendem os seus imoveis? sendo eles quem decide se o credito é concedido ou não, e sendo esse factor essencial na compra de uma casa, não se justificaria uma queixa na autoridade da concorrência por os bancos darem condições especiais quando vendem os seus imoveis em relação aos imoveis vendidos pelo mercado (construtores, imobiliarias, privados, etc?)

Capitalista Facista disse...

Grande Ulrich !

Silva disse...

Capitalista Facista disse...

Grande Ulrich !

..........
Não se importa de informar quantos centímetros mede o homem ?!!

Mentat disse...

Rui

Quando Sines foi pensado, Portugal era uma Nação pluricontinental, e o seu comércio externo tinha também uma filosofia pluricontinental.
Quando Portugal perdeu essa característica e entrou na CEE (que não foi totalmente uma má ideia, apesar de ninguém ter perguntado aos Portugueses se queriam) e posteriormente na CE e na UE (péssima ideia), o nosso comércio externo passou a ser quase exclusivamente unicontinental, e quase que se extinguiu a Industria em variadíssimos sectores.
Apesar deste Governo estar a apostar na reindustrialização e na mudança de mercados externos, “Roma e Pavia não se fazem num dia”.
Por outro lado, os portos dão muito mais dinheiro se os barcos que chegam carregados, partirem carregados.
Enquanto os Chineses, Vietnamitas, Coreanos, etc. “encharcarem” a Europa com os seus produtos, porque é que hão de ser os Holandeses, os Espanhóis ou os Italianos a facturarem na recepção das mercadorias, quando temos bons portos, só nos falta é uma ligação rápida ao centro da Europa.
A mercadoria descarregada em Sines, quando tivermos a tal linha de bitola europeia, chega mais depressa a Berlim, do que se o barco tivesse que ir a um porto Holandês.
E os barcos são o melhor meio de transporte de mercadorias, mas parados custam muito dinheiro.
.

josé disse...

É desse modo que gosto de ouvir falar: com elementos concretos e que explicam o que todos entendem.

Dantes a linguagem era assim. Agora é uma espécie de língua de pau que não chega ao concreto.

Mentat disse...

Rui
Este argumento só tinha alguma lógica se se construísse outra linha dupla do mesmo tipo, para dividir o tráfego.
Agora construir uma linha férrea que só seria mesmo TGV se só fizesse Lisboa – Porto (sem mais nenhuma paragem), como é descongestionava a outra?
O Caminho de Ferro não é uma autoestrada, a sua capacidade não aumenta com o número de vias.
Descongestiona-se uma linha férrea, com sinalização, com programação e com pequenos troços de linha de apoio, por forma a permitir que os comboios mais lentos saem do caminho dos mais rápidos.
E se isso se não se consegue na linha do Norte, é porque as obras que tem sido feitas e onde se tem gasto milhões, estão entregues a uma cambada de atrasados que percebem menos daquilo do que eu dum lagar de azeite.
.

Mentat disse...

Quanto ao falar do banqueiro, gostei de ouvir finalmente alguém desancar um bloquista, principalmente aquela “gaja”, mas tenho um problema pessoal neste assunto:
- Não gosto de banqueiros, e quando é que este banqueiro falou assim nos últimos 15, 20 anos?
- Não me lembro!
.

Capitalista Facista disse...

Silva disse...

Não se importa de informar quantos centímetros mede o homem ?!!

>>> O suficiente para meter os comunas no bolso !

Rui disse...

Mentat, em resposta às suas perguntas:

"Agora construir uma linha férrea que só seria mesmo TGV se só fizesse Lisboa – Porto (sem mais nenhuma paragem), como é descongestionava a outra?"

A congestão da linha lisboa-porto deve-se aos comboios suburbanos/regionais/carga. Estes comboios andam a velocidades menores e interferem com os serviços de longo curso de passageiros que necessitam de circular a maior velocidade. Ao ter uma nova linha, poderia fazer circular os comboios de passageiros de longo curso (do tipo TGV/Alfa/intercidades) que assim não teriam restrições dde velocidade causadas pelos comboios mais lentos (carga/suburbanos/regionais)

"Descongestiona-se uma linha férrea, com sinalização, com programação e com pequenos troços de linha de apoio, por forma a permitir que os comboios mais lentos saem do caminho dos mais rápidos."

Desculpe mas com o nivel de trafego nas zonas suburbanas de lisboa e porto (pelo menos até vila franca de xira e aveiro respectivamente), mais a carga do porto de leixoes, aveiro e alcantara: 3 portos que movimentam volumes de carga significativos) por muito que melhorasse com um tal volume de trafego não conseguiria resultados assim tao significativos. E esses melhoramentos exigem investimentos significativos)

"E se isso se não se consegue na linha do Norte, é porque as obras que tem sido feitas e onde se tem gasto milhões, estão entregues a uma cambada de atrasados que percebem menos daquilo do que eu dum lagar de azeite."

Concordo apenas em parte consigo. Por um lado a maior parte dos milhoes tem sido gasta na eliminação das passagens de nível. Isto apesar de melhorar a velocidade dos comboios pois estes não podem circular a velocidades muito elevadas em passagens de nivel, melhora sobretudo a segurança da linha ao evitar acidentes e atropelamentos. (ou seja sao obras caras mas apesar de melhorarem a velocidade de circulação nao melhoram assim tanto face ao que custam).
Isso não é verdade, a refer tem optimas competencias tecnicas contudo encontra-se dominada por politicos, nao sao atrasados mentais, alias longe disso, sao simplesmente pessoas sem competencias tecnicas que chegam a lugares de responsabilidade pela falta de qualidade da democracia portuguesa.

Rui disse...


Mentat

"Quando Sines foi pensado, Portugal era uma Nação pluricontinental, e o seu comércio externo tinha também uma filosofia pluricontinental."

quando foi pensado tudo bem. Mas quem lá investiu a sério foi ou foi o cavaco ou o soares...nessa altura já a perspectiva geostrategica era proxima da actual

"Quando Portugal perdeu essa característica e entrou na CEE (que não foi totalmente uma má ideia, apesar de ninguém ter perguntado aos Portugueses se queriam) e posteriormente na CE e na UE (péssima ideia), o nosso comércio externo passou a ser quase exclusivamente unicontinental, e quase que se extinguiu a Industria em vse variadíssimos sectores."
Se o argumento é que não é possivel ter industria e ponto final, entao mais vale fechar o porto, pois ele serve é para propiciar a industria portuguesa.


"Apesar deste Governo estar a apostar na reindustrialização e na mudança de mercados externos, “Roma e Pavia não se fazem num dia”."

"Por outro lado, os portos dão muito mais dinheiro se os barcos que chegam carregados, partirem carregados." Pois dão e então? quanto dinheiro é que dão a mais? é que um porto factura dezenas de milhoes de euros, fazer um porto custa dezenas de milhoes de euros. Uma linha de caminho de ferro custa centenas de milhoes de euros (ou milhares). Acha mesmo que compensa investir centenas de milhoes de euros para que o porto de sines possa facturar mais uns trocos?




"A mercadoria descarregada em Sines, quando tivermos a tal linha de bitola europeia, chega mais depressa a Berlim, do que se o barco tivesse que ir a um porto Holandês." Nas mercadorias ttransportadas por mar a velocidade de entrega nao é um factor muito importante, o que é iportante é a fiabilidade e o cumprimento de prazos

"
E os barcos são o melhor meio de transporte de mercadorias, mas parados custam muito dinheiro. "
por isso mesmo é que o transporte é feito de forma a maximizar o percurso maritimo e a minimizar o percurso terrestre

Mentat disse...

Caro Rui
Permita-lhe que o esclareça que as minhas “perguntas” eram mera retórica.
Não vou continuar este debate sobre teoria económica, já vi que não vale a pena.
Apesar de o meu ramo de engenharia ter uma componente de urbanização, sistemas e transportes, eu não consigo entrar nessas lucubrações elevadas dos economistas e deixar de olhar para o terreno.
Sugiro que faça o mesmo.
Veja dos 27 países da UE (e já agora do resto do planeta) quem é que tem TGVs.
Compare a orografia desses países com a nossa.
E já agora veja lá quantos países na UE é que tem portos com a capacidade para barcos de grande calado como tem Sines.
E finalmente há uma forma muito simples de poupar dinheiro na eliminação de passagens de nível : é tirar as travessas, fazer uma vala de cada lado da linha e eliminar parte do caminho.
Não é fazer PSs e PIs, por cada caminho de cabras que a linha atravessa.
Só se devia eliminar as passagens de nível com viadutos, onde um estudo de tráfego o justificasse.
De resto saía muito mais barato expropriar os terrenos que circundam a linha e fazer uma estrada de apoio que desse acesso a passagens desniveladas com justificação.
E isto foi-me transmitido por quem eu presumo que ainda faça parte da REFER.
.

Kaiser Soze disse...

O Ulrich foi infeliz duas vezes num muito curto espaço de tempo.

Existe uma evidente falta de sensibilidade quando diz que o país "aguenta aguenta" quando um dos beneficiários é ele (quer por reembolso de dívida que, legitimamente, comprou quer por um empréstimo dos contribuintes que recebeu) e que se os mendigos aguentam estar vivos (porque é disso que se trata e nada mais) os outros também aguentariam.

Ora, cheira-me que o dia em que o Ulrich fosse um sem abrigo o mundo teria sido dizimado por um holocausto nuclear e só ele teria sobrevivido.

Quanto à Ana Drago...bem... é do BE e não se espera mais..

hajapachorra disse...

Não exagereis. Ulrich é mais bancário que banqueiro, não acabou a licenciatura, viveu como jornalista do espesso durante uma dúzia de anos, casou bem, passou ao psd, andou atrás de Artur Santos Silva e acabou ceo do BPI, um banquito. Não se vê motivos para que seja tão fanfarrão. bateu na floribela do bloco? Mas isso é assim tão difícil? Tudo o que passou pelo espesso é suspeito.

josé disse...

Fernando Ulrich é neto de alguém que casou com uma irmã de Manuel de Mello e que foi admistrador do Banco de Portugal e da Tabaqueira que pertencia a Alfredo da Silva, da CUF.

Ulrich começou no jornalismo do Expresso, de facto, na secção de análise financeira.Esteve em Paris na carreira diplomática e foi chefe de gabinete de Morais Leitão e João Salgueiro.

Tirei a informação do livro Os donos de Portugal do BLoco comunista

Dario disse...

Alegra-me ver que, a maioria dos comentadores aqui aplaude um banqueiro nos dias de hoje, e bom sinal, e sinal que todos estao a ganhar bem, e sinal que nao sao familiares daqueles que teem sido despedidos, e sinal que sao brons contribuintes e nao se importam que o estado continue a ficanciar estes bancos pelos maus investimentos feitos, usando dinheiro que nao teem, que pedem caro emprestam barato.
No fundo ate eu tenho que ficar feliz, pois estou a participar num blog onde os seus participantes passaram ao lado da crise.
Dito isto, alguem que ganha 60.000 por mes, deve ter tento na lingua, pensava eu que, so alguem inteligente poderia ser merecedora de tal ordenado, agora ja estou com duvidas.

Aladdin Sane disse...

Dário, não seja "vidrinhos". "Ah, se você defende um [rico/poderoso] é porque deve estar cheio de dinheiro"; "se você defende o político X é porque deve ter um tacho a manter". Cambada de "indignados de trazer por casa".

muja disse...

Pois. Isso e o "dever ter tento na língua"...

Porquê? Quem ganha muito tem de ter tento e quem ganha pouco não?

Liberdade de expressão, liberdade de expressão, mas só para alguns e se disserem o que a gente gosta de ouvir!

Um clássico...

Laoconte disse...

Seria mais interessante ouvir um diálogo/disputa entre Lionel Rothschild, patrono dos banqueiros, e o Karl Marx, patrono dos comunistas, em judendeutsch. Um confronto titanico entre a pratica e a teoria do capitalismo. Verdadeiro clássico