Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2013

O lixo opinativo nos índices de audiência tv

O Correio da Manhã de 29 de Março 2013, na sua revista de TV trazia cinco páginas com os "comentadores" televisivos que nos indundam os écrans geralmente à noite, para falarem com os "pivots" dos telejornais que os escolhem ou apanham já escolhidos por entidades na sombra das régies.

O título do artigo era "Televisões disputam audiências com políticos", querendo significar que a guerrilha de audiências das tv´s passa agora pelas contratações de prestadores de serviços opinativos de cariz político, agora com predomínio de políticos nas reserva ou mesmo no activo.

As imagens dizem tudo do que temos para nos mostrar o caminho político e dizem mais em meta-linguagem: estamos bem tramados com esta gente que têm sido figura pública na política dos últimos anos. Se Portugal está como está, numa periclitante situação de bancarrota adiada deve-se certamente a políticas concretas e definidas que alguns destes comentadores gizaram, influenciaram, aprovaram e aplicar…

A Ponte do rio "voltai!"

Alberto da Ponte, antigo gestor de comidas e bebidas, deu uma entrevista ao Diário de Notícias de hoje para explicar o coktail que misturou Sócrates e Relvas, mais uns interessados em confundir a comunidade política dos comentadores habituais.

Que diz da Ponte sobre este regresso do estudante de filosofia política que deixou o curso por acabar, por nem sequer o ter começado?
Que esta apresentação de um "comeback kid" desta estirpe rara foi uma prova saudável do serviço público que a RTP presta dedicadamente ao país. Está dito por da Ponte que diz mais que isso. Por exemplo, quem teve a ideia genial da contratação do peso pesado da aldrabice feita modo corrente de encarar a política, foi o apagado director de informação que assim brilhou no escuro da sua intenção em corresponder a uma dedicação antiga e assolapada. Pensou e melhor o fez, dizendo-o ao da Ponte que concordou, "quando as conversas já estavam bem adiantadas", sim porque estas coisas levam o seu tempo e…

Um diagnóstico clínico de um filósofo

MANUEL MARIA CARRILHO in DN:

O contrato com Sócrates para ser comentador semanal no canal público de televisão teve de partir, ou de passar, por Relvas. Isso é óbvio. E só a imagem do que terá sido essa negociação a dois dá uma ideia arrepiante, mas bem clara, do estado de degradação extrema a que chegou o regime.
É uma contratação que infelizmente não surpreende porque, na verdade, José Sócrates e Miguel Relvas são políticos siameses. Se olharmos bem para o perfil e para o percurso de um e de outro, a conclusão impõe-se como evidente. E muitas coisas estranhas se tornam, de repente, claras e compreensíveis.

A história da licenciatura de Relvas foi o primeiro sinal de uma semelhança que se revela bem mais funda: o mesmo fascínio pelo mundo dos negócios, o mesmo desprezo pela cultura e pelo mérito, o mesmo tipo de relação com a comunicação social, o mesmo apego sem princípios ao poder e, acima de tudo, a mesma lata, uma gigantesca lata! Só falta mesmo ver também Sócrates a trautear a &q…

Dez perguntas...para Sócrates responder.

O Correio da Manhã de hoje pega num método já experimentado em Itália, pelo la Repubblica em relação a Berlusconi: dez perguntas ao dito, para responder. Berlusconi nunca respondeu, a não ser por ataque ao jornal, um dos poucos que não controlava no país e que foi a viva voz da contestação à pouca-vergonha do exercício do poder por aquele.
Por cá é o Correio da Manhã que imitando o estilo lança igualmente dez perguntinhas para Sócrates responder.
Como se diz por ditado vindo do Brasil "perguntar não ofende, né?" Ou seja, a pergunta feita da boa fé nascida da dúvida que suscitam os comportamentos dos políticos, não têm que ofender, por uma simples razão: os visados podem sempre responder cabalmente, desfazendo o efeito ou intenção maldosa que supostamente atribuem a quem as faz. Portanto, perguntar não deve ofender mesmo qualquer político que se preze.

Quanto a mim, as perguntas pecam por demasiado retóricas e imprecisas suscitando respostas fáceis e A primeira deveria ser r…

Marianne-Mediapart- o jornalismo que não temos

A revista francesa Marianne, de esquerda civilizada e culta, daquela que aprecio, mostrou esta semana nas suas páginas as vicissitudes do caso chamado "branqueamento de fraude fiscal" que atingiu um governante do socialismo à Hollande que os socialistas de cá, pelos vistos, já nem querem ouvir falar.

O dito governante, dr. Cahuzac de nome e prefixo, médico e fiscalista prometido para o socialismo francês, foi apanhado com depósitos suspeitos na sua conta, alimentados por uma...farmacêutica. Sintomático, não é? As farmacêuticas transformadas em remédio para males de dinheiro de políticos...
Pois bem. o governante socialista não foi acusado de nada em concreto e comprovável, ainda. Mas já abandonou o posto.
O caso foi descoberto por um jornalista autêntico, um modelo para aqueles que não temos por cá e que atormentam políticos ao pequeno-almoço.
Edwy Plenel, mentor do sítio Mediapart, um outro modelo de jornalismo dos tempos que correm, electrónicos e de internet, tratou do as…

A resposta do Correio da Manhã a Sócrates

As Páscoas têm-se revelado desastrosas para José Sócrates. Foi na Páscoa que saiu a notícia da "licenciatura" na Independente e de cuja vergonha não se deu por achado e é agora isto.

O Correio da Manhã de hoje redime-se da edição de ontem, com um editorial à altura do acontecimento que foi ataque descabelado que José Sócrates fez na entrevista  à RTP.
Assim:
Para além disso, revela na primeira página que José Sócrates tem um Mercedes classe S em que "gastou" 95 mil euros. Isso após sair do governo, o que dá relevo à notícia porque nessa altura ainda não "trabalhava" como agora diz que trabalha ( pelos vistos a assessorar de vez em quando uma firma farmacêutica internacional e que durante o seu governo beneficiou de contratos com o Estado).
Ora tal facto reveste interesse noticioso porque se junta ao outro de ter ido para Paris "estudar". Sabe-se agora que será um "mestrado" em Ciência Política, algo que já teria designado como "f…

Todo o homem tem o seu preço?

Estas duas páginas publicadas no jornal i de hoje, com uma entrevista a Joaquim Vieira, biógrafo de Mário Soares,  são o  requisitório mais grave e contundente que Mário Soares já viu escrito alguma vez, tirando o caso particular de Rui Mateus e o seu livro "Memórias de um PS desconhecido", aliás aqui também citado.
De caminho, o antigo procurador-geral da República, Cunha Rodrigues,  é apontado como suspeito de ter denegado justiça no caso do fax de Macau, por razões que a razão jurídica desconhece.  É a primeira vez que leio uma coisa destas dita por uma pessoa que investigou e isto é tão grave que Cunha Rodrigues tem que ser questionado sobre o assunto.
Joaquim Vieira aparentemente não se lobotomizou, apenas se adaptou para escrever a biografia. Esta entrevista devia vir em posfácio.

É ler, clicando duas vezes ( a primeira para abrir outra janela e a segunda para ampliar)

O Mentiroso voltou

A RTP1 acabou de demonstrar com números que José Sócrates mentiu ontem na entrevista. Mentiu compulsivamente, sem vergonha e do modo a que habituou os portugueses. As mentiras são de tal modo graves que resta uma conclusão: este indivíduo está mal de juízo.

Sobre as PPP´s rodoviárias, matéria que Sócrates abordou na entrevista, as aldrabices foram o prato forte, perante a apatia completa dos entrevistadores. Ver aqui, uma desmontagem.

A corrupção e os exemplos

Este professor, Xavier Pintado, escreve no jornal Sol de hoje este pequeno artigo sobre a corrupção. Diz a dado ponto que "um estudo recente do Banco Mundial mostra que existe uma relação estreita entre o grau de corrupção de um país e o seu desenvolvimento económico e social, sendo um dos maiores obstáculos ao desenvolvimento de um país."

Evidentemente se isto é assim, Portugal é um país de corruptos, na Europa, porque somos o menos desenvolvido e o mais pobre.
E no entanto, certas figuras da magistratura de topo ( Pinto Monteiro e Cândida de Almeida) acham que não, acompanhando nessa análise fina da sociedade portuguesa, figuras ímpares como José Miguel Júdice ( já anda a comentar nas tv´s...) e outros indivíduos que nunca viram tal bicho careta à sua frente.

Seria bom, ou melhor, seria óptimo porque este é inimigo daquele, que os professores como este explicassem às pessoas comuns o que entendem por corrupção.
Por exemplo: dar a certas firmas de advogados, como a de Júdi…

José Sócrates e o Correio da Manhã

José Sócrates apelidou de "lixo" o jornalismo do Correio da Manhã. Espero uma resposta à altura...

Afinal a resposta é esta, publicada na edição de hoje no Correio da Manhã. Pífia, medrosa, sem rasgo. É pena porque o que José Sócrates disse na RTP contra o jornal é grave e devia suscitar um editorial com outra profundidade e dimensão. Não tem e nem sequer Octávio Ribeiro escreve o que quer que seja. Pena.
 Por outro lado, o Correio da Manhã descobriu a resposta para a única pergunta que deveria ter sido feita a José Sócrates: onde comprou o fato?  Na notícia sobre o que ontem se passou o jornal escreve o que mais nenhum outro se atreve, porque têm medo.
"No Braamcafé, há muito que José Sócrates não era visto. Mas ontem, dia marcado para o seu regresso à vida mediática, o número 40C da rua Braamcamp esteve mais agitado. Passava pouco das 14h00 quando uma carrinha da alfaiataria Rosa & Teixeira entregou dois fatos na portaria do prédio. Pouco depois, um Mercedes com …

José Sócrates - a entrevista alternativa ao narrador

José Sócrates, ex-primeiro-ministro regressa à televisão,  e logo o canal público, por frete dos responsáveis. Aparece de fatiota azul escuro, gravatinha azul bebé e ar de inocência , passados dois anos a estudar supostamente algo que não se sabe bem o que seja. A última versão apontava para um cursilho de ciência política, na Sciences Po, em Paris.

A primeira perguntinha que lhe colocaria seria esta, muito simples e singela:

Snr. José Sócrates, onde arranjou esse fato? De que marca é? Comprou-o onde, exactamente?

A primeira pergunta afinal e outra:
Porque é que José Sócrates regressa, passados dois anos?
Diz Sócrates que "há um tempo para tudo"....citando o Eclesiastes e agora chegou o seu tempo de intervenção, "para tomar a palavra" .
E vai tomar a palavra para quê? ( esta pergunta é minha porque os entrevistadores, dois inenarráveis, não a fazem. Ora, responde Sócrates, porque "chegou a hora de dar a minha versão ". Uma versão....

Sócrates diz que &quo…

Silva Carvalho e Almeida Ribeiro

 R.R.: ( que se arrependeram do título que entalava Relvas e modificaram o mesmo):

 [texto alterado às 12H28, incluindo o título de "Miguel Relvas pode ser responsável por fugas de informação nas secretas" para "Capucho e Henrique Neto criticam integração de espião"]

A integração do ex-espião Silva Carvalho na Presidência do Conselho de Ministros é duramente criticada, em declarações à Renascença, pelo empresário e ex-deputado socialista Henrique Neto e pelo social-democrata António Capucho.

“É uma vergonha. Isso é um caso tão vergonhoso, que é impensável. Pelo menos, evidencia que há uma coincidência de interesses. Ou que o primeiro-ministro tem responsabilidades ou, até, muito provavelmente, o ministro Miguel Relvas tem responsabilidades naquilo que aconteceu nos Serviços de Segurança da República”, diz Henrique Neto.

O também dirigente da Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (SEDES) desabafa, ainda "isso não deve ter sido feito ino…

Não comprem mais aldrabices

Logo, José Sócrates vai à RTP em função de um arranjo político-partidário, de facção, organizado por alguém nisso interessado e com a participação de um director de informação da RTP, paga por todos nós.
Sob a capa de um pretenso interesse jornalístico inquestionável e uma ainda mais indiscutível opção democrática acerca da liberdade de expressão de um antigo primeiro-ministro, José Sócrates prepara-se para usufruir do seu tempo de antena televisivo, publicamente pago, com um único objectivo inconfessável: promover-se, mais uma vez,  e tentar ludibriar os votantes deste país para novas aventuras políticas.

O episódio lembra-me um outro, também televisivo, dos anos setenta e que teve como protagonista o presidente dos EUA, Richard Nixon.Um jornalista de televisão, David Frost, tentou Nixon, em 1977, para uma série de entrevistas e este, carenciado de dinheiro, aceitou. O caso já deu um filme.
Na verdade, o paralelo pode parecer surrealista, porque além do mais, Nixon estava acabado pol…

Sócrates, para quem já esqueceu...

José Sócrates em 2004, antes de aceder ao poder político através de eleições que deram maioria ao PS, já era figura cuja transparência na vida pessoal relacionada com a política deixava muito a desejar.
A revista Focus de 15 de Setembro de 2004 traçava-lhe um perfil pouco abonatório para quem desejava exercer o mais alto cargo político no poder executivo do sistema.
A maioria das pessoas não ligou a essas coisas que eram publicitadas como provocando perplexidade a quem se habituou a viver honestamente do seu modo de vida, mesmo acima da média.  A revista escrevia na capa que o mesmo já fazia "vida de rico", morava num prédio de luxo e declarava como único rendimento o salário de deputado ( um "simples deputado" como o mesmo declarou poucos anos depois).


 Ainda não eram conhecidos os problemas que viriam a surgir durante o mandato, mas as dúvidas já eram mais que muitas, pedindo meças ao senso comum.

Já então se falava no caso da Cova da Beira, na "teia de Felg…

A legalidade é um princípio para cumprir pelo DIAP

JN-SALOMÃO RODRIGUES

O secretário de Estado adjunto e da Defesa usou carro e motorista do Ministério para participar numa reunião de accionistas da Fundição Felino. Do currículo oficial de Braga Lino não consta a sua participação no capital da empresa.

Cerca das 11.45 horas de quinta-feira, o governante chegou às instalações da Felino, em Ermesinde, acompanhado de mais duas pessoas, num Mercedes cinzento, com matrícula inscrita como propriedade da Secretaria-Geral do Ministério da Defesa, conduzido pelo motorista.

O JN apurou que Paulo Braga Lino participou na assembleia de accionistas da empresa, da qual deterá, juntamente com o pai, uma participação no capital de 40%. A reunião decorreu até às 13.30 horas.

Ao sair - e quando se preparava para entrar na viatura - o secretário de Estado foi confrontado com a presença da equipa de reportagem do JN, que o tentou questionar. Visivelmente surpreendido, deu instruções ao motorista para partir e voltou de imediato para o interi…

O nojo e a decência

Comprei hoje o Público por causa de um artigo desenvolvido sobre António Borges, o guru do liberalismo económico que aconselha o governo.
Não li o jornal porque já não o consigo ler. O Público é um jornal morto e ainda não sabe que o é, porque não há vida naquelas páginas de artigos bafientos.
O editorial, sem assinatura concreta e por isso imputável à directora que enterrou o jornal, ainda com ténues sinais vitais, exprime opinião sobre a contratação de José Sócrates para a RTP. Os argumentos são do mais puro jacobinismo:
"José Sócrates, o émulo de Fontes que apontou para um país futurista criado com a ilusão da dívida, está de volta para provar que continua a ser uma das mais consistentes fontes de polémica da história recente do país. Neste seu papel, é normal que se discutam os méritos do seu regresso e os efeitos secundários que terá na vida pública ou que se questione o convite da RTP. O que não faz sentido é dar ouvidos aos que dizem que os seus "crimes" político…

O jornalismo-pelicano

A jornalista Filomena Martins que agora escreve no DN uma crónica, depois de ter sido cronista noutros lados e repórter no Correio da Manhã, esportula no jornal de hoje a sua opinião sobre o caso de Sócrates se tornar comentador televisivo, na RTP, assim:

A pergunta retórica que coloca e à qual responde em modo muito prático e a afogar evidências de outras retóricas é exemplar deste tipo de jornalismo croniqueiro que invadiu de forma crónica o jornalismo nacional:"É de interesse público ouvir o que o ex-primeiro-ministro tem a dizer? Claro", responde logo, como se essa evidência não trouxesse mais água no bico que um pelicano imerso em maré negra.

Se lhe perguntassem do mesmo modo - "É de interesse público ouvir o que o ex-presidente do Benfica, Vale e Azevedo tem a dizer?", responderia o quê, esta jornalista-pelicano? "Claro" ? Não, de certeza escuro.
E se em vez de Vale e Azevedo fosse, sei lá, o presidente do PNR, José Pinto Coelho, o que diria a pelic…

O Tribunal de Contas de Oliveira Martins

Ontem, o antigo presidente da EP, Almerindo Marques, foi ao Parlamento explicar contratos, negócios e modo como se realizaram, relativamente a algumas PPP´s rodoviárias.
O jornal i de hoje explica mais ou menos o que se passou. 

A TVI, numa reportagem de Carlos Enes explicou ainda outra coisa: o Tribunal de Contas esteve presente em algumas negociações, através do seu director-geral, em modo que Almerindo Marques classificou como sendo uma autêntica assessoria técnico-jurídica, para se ultrapassarem problemas com a eventual recusa de visto por aquele tribunal.
Tal procedimento parece que era usual, na instituição presidida por Oliveira Martins, que também teve outros a merecer atenção, como ocorreu aquando de um assunto já por aqui tratado em tempos e a que ninguém ligou. O assunto tem relação directa com as últimas eleições legislativas e parece muito grave.

Porém, o tribunal de Contas, mesmo sui generis, é mesmo um tribunal, ou seja, um órgão de soberania distinto do Governo ou da …

O frete de um tal Paulo Ferreira, com Relvas no meio da Ponte...

Expresso online:

A RTP divulgou em comunicado que a anunciada entrevista com José Sócrates será feita na próxima quarta-feira, às 21h, em direto no primeiro canal.

O antigo primeiro-ministro será entrevistado por Paulo Ferreira, diretor de Informação, e Vítor Gonçalves, numa conversa que marca o seu regresso à atividade política desde a sua derrota nas eleições legislativas.

Depois da derrota com Passos Coelho e da saída do Governo, Sócrates optou por ir estudar para Paris e recolher-se ao silêncio. Mas já prepara o regresso aos palcos políticos, uma vez que a partir de abril terá um um espaço semanal de comentário na RTP1, conforme foi noticiado esta semana.

Antes dissoi, porém, e como também ficou acordado, dará uma entrevista para falar dos temas que marcam a atualidade nacional e internacional. 
Isto, este personagem pago pelo erário público,  é o pior que a RTP já teve como director de informação. Pior que Nuno Santos. Pior que no tempo de Proença de Carvalho, o "maquiavel à …

Calma! Vamos ouvir falar de corrupção a um indivíduo que vem de França...

R.R.:

O chefe do Governo anterior, José Sócrates, vai comentar a actualidade, a partir de Abril, num programa semanal na RTP.

A notícia é avançada na edição desta quinta-feira do “Diário de Notícias”, segundo a qual Sócrates vai ser um dos elementos do novo painel de comentadores, do qual fará também parte o social-democrata Nuno Morais Sarmento.

O jornal adianta que o antigo primeiro-ministro não vai receber qualquer retribuição financeira directa, mas desconhecem-se os termos concretos do acordo estabelecido com a televisão pública.

José Sócrates deixou Portugal em 2011, quando perdeu as eleições para o PSD, e tem vivido em Paris. Desde 1 de Janeiro que exerce o cargo de presidente do conselho consultivo da farmacêutica Octapharma para a América Latina, tendo sido escolhido pelo seu "conhecimento profundo" da região e pela sua "vivência com os problemas de saúde pública", segundo comunicado da empresa.

O seu Governo pode voltar a ser investigado pelo Ministério Pú…

Calma! Trata-se provavelmente de corrupção, mas é em França...

Expresso online ( que escreveu "branqueamento de fraude fiscal", o que denota o habitual jornalismo para quem é...bacalhau basta...):

O Ministério Público francês abriu esta tarde um processo por "branqueamento de fraude fiscal" no qual é visado o ministro socialista do Orçamento, Jérôme Cahuzac, suspeito de ter tido, até 2010, uma conta secreta num banco suíço.

Os magistrados consideram que existem indícios suficientes para investigar as acusações contra o ministro lançadas há mais de três meses pelo site "Mediapart", dirigido pelo antigo diretor do jornal Le Monde, Edwy Plenel.

Mediapart tinha designadamente divulgado uma gravação de uma conversa telefónica atribuída a Cahuzac, na qual este evocava inquietação com a existência de uma sua conta no banco UPS, em Genebra.

O Ministério Público francês indicou que, depois de diversas investigações, a gravação é autêntica e que é "provavelmente" a voz de Cahuzac que nela se ouve.


Jérome Cahuzac sempr…

O jornalismo abaixo de cão

No Telejornal da RTP1, agora mesmo, conduzido pela jornalista Cristina Esteves, está Herman José, como convidado especial,  a comentar incidentalmente as notícias.
Sobre o "caso Isaltino" e sobre o "caso Rui Pedro" , Herman José esportula a sua opinião tipo tudista. Acha que a Justiça, em Portugal, lembra a inquisição. Tal e qual. A razão encontra-a na incompreensão do sistema e "noutras coisas" que não especifica, mas é fácil de adivinhar, porque se há alguém que não devia falar assim da Justiça, é Herman José. Safou-se por causa de um equívoco e na Inquisição não havia garantias dessas.

Por outro lado, a jornalistas apresentou o tema de abertura do telejornal de hoje, a cerimónia papal referente ao "Angelus", citando o latim original num modo ainda mais original: chamou-lhe "anguelus".

Fica tudo dito sobre este jornalismo, sobre o princípio de Peter e sobre o costume de a RTP dar aos espectadores o chamado jornalismo abaixo de cão. …

Marques Mendes é jurista?

Marques Mendes:

"Para decidir três artigos um mês um mês e meio chega perfeitamente. Não sei se os juízes do Tribunal Constitucional são umas prima-donas, se se acham muito importantes, se acham que não podem fazer umas noitadas, ou se não podem trabalhar ao fim-de-semana. Mas deviam perceber que o país está em tempo de emergência nacional", afirmou ontem Marques Mendes durante a sua estreita nos comentários no Jornal da Noite da SIC."

Parece que Marques Mendes será advogado. Pelo menos o curso de Direito tirou, em Coimbra, como voluntário, porque é do meu tempo.
Pois bem, deve estar muito esquecido ou distraído porque  foi esclarecido não há muito tempo que as decisões do Trib.Constitucional ( como de outros tribunais superiores) só podem ser "tiradas", quando os prazos processuais forem cumpridos.
Marques Mendes perdeu uma  belíssima ocasião de estar calado. E podia, no entanto, lembrar-se de outro caso, esse sim talves mais escandaloso que este que não é esc…

O estranho caso do gestor, assessor, presidente e arrendatário

O Correio da Manhã continua a dar destaque ao caso singular do "gestor", presidente da ARS-LVT que foi presidente do INEM e depois, em 2008, assumiu funções de "assessor" do Ministério da Saúde, no tempo de Ana Jorge, do PS.
O caso não assume relevância criminal, abertamente, mas tem contornos que permitem se questione publicamente esse alto funcionário do Estado, por causa de um arrendamento de um apartamento a entidade ligada a negócios em que o mesmo foi responsável, designadamente relacionados com derivados de plasma.
Por outro lado, para alimentar a novela, o CM revela que o mesmo "gestor" viajou à fartazana entre 2008 e 2011 à América Latina, a três países, para contratar médicos que não teríamos por cá.
Provavelmente, na Europa não havia suficientes...e o caso merecia melhor esclarecimento para se perceber como é que o SNS está como está.
Assim como se torna imperioso que esclareça a quem paga a renda e quanto paga. O presidente da ARS
é um alto fu…

O caso TVI contado por Octávio Ribeiro

A revista Tabu do jornal Sol  desta semana, a pretexto da nova estação de tv CMTV, dá um destaque de oito páginas a Octávio Ribeiro das quais se mostram quatro.

Octávio Ribeiro tem sido o director do jornal que mais vende em Portugal, actualmente bem acima dos 100 mil exemplares diários.
O que Octávio Ribeiro diz do seu percurso pessoal e profissional permite entender como é que um indivíduo educado por uma certa esquerda, nascido no Barreiro no seio dos fósseis e alimentado em ideologia comunista localizada, conseguiu saltar do âmbar e pensar de outro modo.
Por outro lado, nas duas páginas de baixo explica como é que José Sócrates teve mesmo um plano para mudar a direcção da TVI, tentou ainda comprar o CM e silenciar o pluralismo informativo que não lhe agradava, naquilo que alguns magistrados entenderam como sendo um atentado ao Estado de Direito e o PGR e pSTJ da altura saparam completamente, por razões que a razão jurídica desconhece.
Octávio conta que José Sócrates em Fevereiro…