sábado, 9 de março de 2013

A utopia esquerdista dá nisto...

José Pacheco Pereira tem um livro novo que chamou " As armas de papel". Por causa do livro foi entrevistado pelo Diário de Notícias que hoje publica a converseta.
O livro, segundo o próprio, é uma análise do fenómeno da imprensa de extrema-esquerda nos anos anteriores ao dealbar do 25 de Abril de 1974.  Segundo o autor, " a geração que está associada às publicações radicais escrevia muito, tinha uma pulsão por escrever." E tinha um posicionamento político de "repúdio pela acção e a ideologia do PCP, de onde muitos destes fazedores de imprensa clandestina radical vinham ou tinham fugido."

Na entrevista, destaco duas passagens: a primeira sobre a prognose póstuma do que seria o 25 de Abril de 74 sem MFA ou revolução. JPP entende que "se o 25 de Abril não se desse em 1974, haveria duas coisas que iriam suceder: violência e, eventualmente, terrorismo político e uma evolução para fora da linguagem de pau do marxismo, do leninismo e do maoísmo."

Quanto a mim, JPP engana-se redondamente nesta prognose que agora projecta num futuro putativo. Por uma ou duas razões.
A primeira é que em Portugal as luares e movimentos br´s tinham poucos activistas e não podiam fazer propaganda livremente, como acontecia na Alemanha ( com os baader-meinhoff) ou na Itália, com as brigate rosse e outros líricos das armas e bombas na mão e a explodir em praças públicas.
Tal facto aliado à grande competência das forças de segurança numa repressão bem estudada ao longo de anos, chegaria e demoraria apenas um instantinho para que estes líricos da revolução de armas na mão, fossem eliminados do espectro político e social. A prisão por longos anos era o destino fatal e a Revolução não se faria, porque Portugal era um país de brandos costumes, com uma sabedoria que estes líricos sempre desprezaram.
Estes palermas nem percebem que nunca teriam qualquer apoio popular, semelhante sequer ao pequeno apoio que os seus congéneres europeus podiam contar nos países com liberdade de expressão e reunião. A União Soviética e o regime de Leste não caiu pela violência das armas mas desintegrou-se pela incompetência da ideologia. os baader e os brigate rosse mais os ersatz franceses que nem lhes chegavam aos calcanhares da culatra, acabaram pelo mesmo motivo: ausência de amanhãs a cantar e perspectivas de choro permanente.
O que aconteceu nos anos oitenta em Portugal, com as FP25, não pode servir de comparação por isso mesmo: a democracia era mais tolerante com este tipo de facínoras políticos e em particular, a democracia portuguesa tinha muitos dos seus destacados e antigos próceres em lugares de mando militar e político de relevo. Mesmo assim, as FP 25, depois de vários atentados e mortos, foi um ar que se lhes deu, logo que começou a repressão "democrática". Acabaram como organização e alguns deles dedicaram-se à puericultura e à dietética.Mas não abandonaram o pensamento porque não há machado que o corte...e continuam à espera do godot imaginário.
Para além disso, as organizações que perduraram na Europa, durante as décadas seguintes, apenas o conseguiram por serem...nacionalistas úteis que ao mesmo tempo associavam ao agradável esquerdismo. Essa confusão gerou equívocos que se desfizeram depois. Nós não tínhamos qualquer problema nacionalista  e por isso, aos nossos revolucionários de papel e ideias de pacotilha a acompanhar , o regime tinha-lhes chamado um figo.
Pacheco Pereira que se perdeu nessa palermice durante anos de adolescência e já idade adulta, nem isso percebe porque quer emprestar um ar de dignidade política revolucionária mínima às infantilidades que defendeu por escrito e na clandestinidade.
Por outro lado, este tipo de fenómeno marginal da sociedade portuguesa do final dos sessenta e início da década que deu o 25 de Abril, tornou-se viveiro de muitos e futuros líderes em vários sectores: media, com dezenas deles a redigirem ( gostavam muito de escrever, diz o JPP...) notícias, outros a fundarem e mandarem em media, política, sector que nem é preciso mencionar porque são mais que as mães da invenção e até negócios empresariais, na "gestão" e naturalmente ensino, um viveiro natural para estes abencerragens vicejarem.
JPP refere isso mesmo: " é desta geração que a maioria destas pessoas vai para os partidos do mainstream: muita gente para o PS e o PSD, praticamente nenhuma para o CDS, pouca para o PCP, e os independentes de esquerda, que andaram pelo MES, vão para o Bloco de Esquerda."
Para além de gostar de saber o que são "independentes de Esquerda", como sinal identitário dos MES, é notável que JPP tenha a noção que "praticamente nenhum foi para o CDS". Porquê?

Por uma razão que explica o que somos: dominados totalmente pela ideologia esquerdista, algumas vezes recalcada, como é o caso de JPP, de uma Esquerda lírica, apalermada na ideologia maoista e quejandas, como a da Albânia ou Roménia e destruidora, portanto eminentemente jacobina, da nossa tradição e costumes ancestrais.
É isto que temos hoje em dia espalhado pelos media e é isto que explica o fascínio basbaque com o funeral do Chavez ou a presença permanente em todos os telejornais de todas as estações televisivas daqueles próceres da tal "esquerda independente" e bloquistas em geral que malham sempre no actual governo como em centeio verde, para gáudio das anas lourenços e quejandos repórteres que já enjoam. Arre! Já chega!  É esta a expressão mais sintomática da nossa miséria e é isto que nos conduziu a duas bancarrotas, com vista para uma terceira.

Lendo esta parte da entrevista de JPP ao DN de hoje percebe-se melhor o logro e o poço em que caimos...



13 comentários:

zazie disse...

"e alguns deles dedicaram-se à puericultura e à dietética"

ahahahhaha

Iam todos de cana em 3 tempos. O palermita nem se dá conta que também fez parte de um partido que tinha 3 elementos

":O))))))

Kaiser Soze disse...

...e a esquerda utópica vai sainda reforçada de orçamentos retificados 1 mesito depois de aprovado e de contracção para o dobro do previsto (e este dobro é também uma previsão) e da crise que já tinha acabado há mais de um anos (também previsivelmente) e da TSU que era inteligente demais para o pessoal aqui do rectângulo...

A esqueda, se fosse grata, tinha muito a agradecer a este Governo de Direita (que, ainda assim, esmaga o pessoal com impostos e socializa os prejuízos).

Floribundus disse...

Cara Zazie
'deu-lhe em cheio, porque se desse de lado matava-o'.

estes indígenas eram como dizia Solnado
'um pouco mais ou menos do que nada,
que menos não pode ser'

de quando em vez temos a veia humorística de JPP

Floriano Mongo disse...


Bom texto José. Pacheco Pereira. tornou-se num homem muito ressentido. As tolices de um homem inteligente são sempre mais chocantes do que as de um bronco.

Floriano Mongo disse...

José, ouvi hoje na Euronews que o mais rico estudante de Paris também foi à Venezuela verter umas lágrimas junto à múmia do amigão Chavez. Sócrates, fica bem no retrato junto à fauna permanentemente em guerra com o código penal: Cristina Kirchner, Evo Morales, Daniel Ortega, Rafael Correa, Lula, Mahmoud Ahmadinejad, Raul Castro. Visto de perto,o velório confunde com formação de quadrilha.

lusitânea disse...

Governo de Direita onde?Um governo que em 2 anos nacionaliza 170000 ex-colonizados a que título?Precisamos de "trabalhadores"?Não existem antes pelo contrário 1400000 desempregados?Mas qual o racional de estarmos a salvar meio mundo quando não existem reciprocidades nenhumas em lado nenhum?E continuamos com uma despesa imensa escondida dos Portugueses com o ex-império?A fazer o bem com base em "dívida"?
O dito governo de direita é tão bom como os esquerdistas disfarçados que colonizam quase todos os órgãos do poder.
Os descolonizadores têm agora que descolonizar.De forma ordeira antes que tenha que ser feita à africana que tanto ajudaram a fazer...
O que é justifica esta posição?A mesma que vigorava nos escritos desses antigos traidores:que uma coisa eram os povos amigos e cheios de solidariedade e outra o governo "colonialista".Viu-se logo na descolonização o amor entre povos...como deve agora o povo Português retorquir se não quiser ficar escravos das diferenças que cá meteram(quase um milhão) e de forma disfarçada...para irem nacionalizando cada vez com mais velocidade.
Concluindo somos governados por traidores...contra os quais tudo será legítimo fazer.E fazê-los pagar por isso.Os gajos do tudo e do seu contrário não servem aos Portugueses.Devem ser afastados como de peste se tratasse!

lusitânea disse...

Outra medida é encerrar universidades que sejam alfobres de marxismos e internacionalismos traidores.Que acoitam os "doutores" com base em fotocópia amiguista.A traição tem que deixar de compensar...

zazie disse...

«'um pouco mais ou menos do que nada,
que menos não pode ser'»

ahaahahahaha

Floriano Mongo disse...

Vivemos tempos politicamente cretinos. O velho marxismo morreu de falência múltipla dos órgãos. A sua realização prática eram as economias planificadas, que não resistiram à globalização — descrita ou antevista, como se queira, pelo próprio Marx no “Manifesto Comunista”. Já ali se podia supor que o socialismo buscava represar o mar.

Os órfãos do muro de Berlim, ou “neomarxistas” pretenderam fazer a crítica à ortodoxia esquerdista sem ceder à razão burguesa. Resultou em quê?
Numa confusão de esquerdismos não-dogmáticos, nasceu uma vulgata virulenta: o pensamento politicamente correcto.

Tanto se dedicaram os intelectuais da dita nova esquerda à desconstrução do suposto eixo autoritário das “democracias burguesas” que a política militante degenerou, nos países ricos, no que Robert Hughes chama de “cultura da reclamação” e, nos pobres, de “excluídos militantes”, que rejeitam os valores universais da igualdade e o Estado de Direito.

Pretendem que as suas demandas particularistas sejam tratadas como reparação histórica.
Negros, feministas, homossexuais, índios, sem-tecto, sem eira nem beira… todos anseiam que a História seja vivida como culpa, e a desculpa traduz-se na concessão de algum privilégio. Isso que já é uma ética colectiva supõe que todos são vítimas de alguém ou de alguma coisa. De quem ou de quê? Ninguém sabe. “Da sociedade” talvez.

A hipótese é interessante. Poderíamos pôr a História a zero, dissolver os contratos e voltar à caverna. No dia seguinte novas minorias profissionalizadas surgiriam berrando que a luta é para continuar. Sempre.
Igualdade? Justiça? Reparação? Nada disso. Consolida-se é o divórcio entre os partidários desse igualitarismo — que, de facto, é um particularismo que corrói as bases do Estado de Direito — e os da universalidade.

O “novo homem” do antigo marxismo — que era, sim, uma utopia liberticida e homicida — foi substituído pelos bárbaros, cujo mundo ideal é aquele disputado por hordas, tribos, bandos, “politicamente correctos”.

hajapachorra disse...

O Pacheco é um coleccionador. Uma espécie de... José de esquerda :-) Hum, desculpe.

hajapachorra disse...

Não leve a mal e, descontando um ou outro erro ortográfico, veja isto:
http://www.angolabelazebelo.com/2013/03/ha-mais-africanos-hoje-na-europa-do-que-europeus-em-africa-porque/

josé disse...

"O Pacheco é um coleccionador. Uma espécie de... José de esquerda :-)"

Não sou coleccionador. Apenas coleccionei sem me dar conta de que o fazia. Ahahahah!

Comprei hoje Os filhos do Zip Zip, da Helena Matos.

Amanhã, se Deus quiser, vou comentar e ilustrar.

É uma espécie de antódito à cega.rega de Pacheco Pereira que também folheei mas não tive vontade de comprar.

Kaiser Soze disse...

adoro este caso de amor pelo darwinismo. sera que se o esticarmos ao fisico, caso em que o literalmente mais forte levava vantagem, as opinioes se manteriam.

A Amazónia há trinta anos