terça-feira, 9 de abril de 2013

Inédito: queixa-crime dos juízes contra Marinho e Pinto ( e que afinal o não é...)

 RR:

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) apresentou esta terça-feira, no Ministério Público, uma queixa contra o bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto.
A ASJP considera que é tempo de responsabilizar quem insiste em fazer afirmações “graves, panfletárias e levianas”.
Em causa está a audição de Marinho Pinto, esta terça-feira, no Parlamento, durante a qual voltou a dizer que os tribunais arbitrais promovem a corrupção.
O bastonário afirmou ser frequente que as actas lavradas pelos juízes em tribunal sejam falsificadas, deixando de haver correspondência com o que efectivamente se passou entre as partes.
A Associação que representa os juízes classifica as declarações “indignas e inaceitáveis”, defendendo que o Ministério Público deve ouvir imediatamente o bastonário dos advogados, para que identifique e concretize as afirmações que fez.
Em comunicado, os juízes dizem também não conhecer qualquer caso como os que foram referidos por Marinho Pinto.

 Marinho e Pinto excede-se muitas vezes em declarações como Bastonário. Na tv, sem essa toga vestida costuma dizer atoardas boquejonas que só o qualificam como é: um indivíduo traumatizado com algo indizível contra os magistrados. Um problema do foro psíquico, claramente. Mas na tv é apenas comentador, num estatuto especial que alcançou in illo tempore, porque sendo bastonário devia ser mais reservado, mormente em relação a processos pendentes e mesmo quando não  está de toga.
Em lugares oficiais, assumindo as funções que representa, em nome de todos os advogados, julgando que está no mesmo palco da tv e sem se dar conta do significado do cargo que ocupa, dá largas à tendência boquejona e larga o mesmo tipo de atoardas como o fez agora na Assembleia da República. Se dissesse o mesmo do presidente da República ou dos deputados seria trucidade vivo pelos opinativos do costume, mormente uma alma gémea, como é o compadre do banqueiro. 
Assim, sabendo que conta com uma opinião pública já devidamente doutrinada contra o poder judicial, em grande parte com a sua activa colaboração, sente-se estimulado em subir o tom dos ataques não medindo as consequências.
Em tempos, numa cerimónia de abertura do ano judicial, insultou vil e soezmente um juiz em exercício de funções, num ataque ad personam que os tribunais entenderam desvalorizar e diminuir, diminuindo-se a si mesmos com tal atitude.  
Assim, com um alarmante sentido de impunidade, voltou a insultar os juízes in totum, ofendendo-os colectivamente.
Pode ser que o cântaro de tantas vezes ir à fonte deixe lá a asa... 


ADITAMENTO:

Afinal a "queixa-crime" contra o Bastonário anunciada pela R.R. não o é, porque é apenas "contra desconhecidos" e tem um teor diverso daquele que é dado na notícia.
Ao ler a notícia fui induzido em erro por mais esta incursão nas veredas do jornalismo tipo para quem é bacalhau basta.





16 comentários:

Floribundus disse...

a meu ver o tricano sofre de complexo de inferioridade em relação à Magistratura. é um pobre diabo ávido de consideração social que não recebe de ninguém com nível cultural. grita para se auto-convencer.

não distingue uma pedra dum órgão de soberania

Manuel de Castro disse...

Certo, concordo que Marinho Pinto se excede e que se refere aos magistrados em termos impróprios. Ponto final!

Mas o que dizer das declarações de Costa Pimenta que afirmou que a justiça está dominada pela maçonaria, que influencia o curso das decisões judiciais? Será que também lhe vão mover um processo? A acusação é verdadeira? Se é verdadeira alguém vai tomar posição? Doa a quem doer?

naoseiquenome usar disse...

Que raio, não é defensor de pensar pela própria cabeça? ... Então, esqueça as notícias :)

josé disse...

Manuel de Castro:

Costa PImenta afirmou isso num peça processual em que contestava medidas disciplinares que o CSM lhe aplicou, como juiz.

Costa Pimenta que é pessoa que conheço escreveu isso numa peça processual e não consta que os visados o accionassem por uma razão: não é crime algum dizer que certo grupo de juízes pertence à Maçonaria e isso por outra razão: a Maçonaria não é uma associação de malfeitores.

Manuel de Castro disse...

José:
Boa noite, como já li neste seu blog há a boa e a má maçonaria. Penso que não defenderá que ela tenha influência nas decisões judiciais, se for o caso.

Manuel de Castro disse...

"O sistema de justiça português é constituído por lojas maçónicas e controlado pela maçonaria. Além de controlar as decisões dos processos - incluindo os casos da Universidade Moderna, Portucale, Casa Pia, Apito Dourado e Isaltino Morais -, controla igualmente a carreira dos juízes e dos magistrados do Ministério Público e dos altos funcionários do Estado", diz José da Costa Pimenta, em carta para a actual ministra e os principais protagonistas do sector." - refere o DN

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=2119654

josé disse...

Se reparar a notícia do DN é de 2011 sensivelmente a mesma altura do caso que estava no STA.

E é sabido que Costa Pimenta prepara um livro sobre o assunto. Mas ainda não o vi...

hajapachorra disse...

Pois, a viúva é inocentérrima até prova em contrário e, como esta, a prova, é impossível, estamos quilhados. Mas ainda gostava de saber em que esquema - face oculta, sobreiros, fax de macau, freeport, casa pia, cava da beira, resíduos, bpn, bpp, pppês - não houve mão baixa da dita... 'ndràngheta (sociedade virtuosa).

Unknown disse...

Quando Marinho Pinto se pronuncia, o bom-senso corre desalmado atrás das palavras sem nunca as alcançar.

Unknown disse...


««« Muitos dos tribunais arbitrais são utilizados para legitimar actos de verdadeira corrupção em Portugal, com transferência de recursos públicos para bolsos privados»»»



Marinho Pinto, um bastonário sempre a implorar por um colete de forças, confirmando que não consegue viver sem a lira do delírio por perto.

Unknown disse...


««« À saída, Marinho Pinto justificou aos jornalistas que não apresentou qualquer queixa sobre as alegadas falsificações das atas judiciais ao Ministério Público porque, apesar de as mesmas não corresponderem integralmente à realidade dos factos, não se consegue fazer prova dessa adulteração»»»


Marinho Pinto, o berreiro à procura de provas entrincheirado na Ordem dos Advogados, confirmando que sempre que mira os juízes só consegue acertar na própria testa.

Luis disse...

'seria trucidade vivo pelos opinativos do costume, mormente uma alma gémea, como é o compadre do banqueiro. '
Subtil mas focado.
Na ultima disputa publica o resultado final ficou em Cómico - 2, Compadre do Banqueiro - 0.

JC disse...

A Associação Sindical dos Juízes diz, em comunicado, que as afirmações do Marinho Pinto são "indignas e inaceitáveis" - com o que eu concordo, aliás - e que "é tempo de responsabilizar quem insiste em fazer afirmações “graves, panfletárias e levianas”.

Contudo, em vez de apresentar queixa contra o Marinho Pinto por tais afirmações, difamatórias dos Juízes, aquela Associação apresenta queixa contra os próprios juízes, ainda que incertos, pelo crime de falsificação de documento?

Que raio de atitude é esta da Associação Sindical dos Juízes?

Ou, como se diz agora, WTF? (What The Fuck?)

josé disse...

WTF? O presidente da ASJP...se fosse o António Martins era a doer.

Kaiser Soze disse...

Não concordo necessariamente com o tom do Marinho mas alguém, no seu perfeito juízo, acha que ele está errado no que concerne aos Tribunais Arbitrais?

Anjinhos...

Silva disse...

Não aprecio nem um bocadinho esse senhor Bastonário , facto , é que desta vez a "queixa" é "contra desconhecidos " e não contra ele . Em gíria popular = Uma "Treta" , em que ele será ouvido como testemunha ! Calar-se-á , porque lhe pode ficar cara a indeminização que seria eventualmente exigida , etc e tal .

Tudo gente boa e corrupção ...já dizia aquela senhora que conhecemos , não existe !!!