Páginas

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Mário Soares: o delinquente excelentíssimo...

 Em complemento do postal anterior, fica aqui o de 30 de Janeiro de 2009:

Depois de ter sido condenado no caso do fax de Macau, Rui Mateus, desaparecido do combate, dado como tolo, escreveu um livro intitulado Contos Proibidos. Quem quiser ler, pode fazê-lo porque está disponível em Rede.

Em 1990, Rui Mateus prestou declarações no processo e terá contado a sua versão dos factos que implicava bem mais alto politicamente que o pobre do governador do território ultramarino. Almeida Santos e Mário Soares foram nomes pronunciados.
A publicação do livro poderia ter obrigado à reabertura do processo, nos termos da lei processual, para reinvestigação do que ficara esquecido.
O investigador Rodrigues Maximiano já faleceu e não se pode defender de acusações. Mas na altura em que as mesmas foram feitas, não respondeu convenientemente à réplica que Rui Mateus lhe deu, com três anos de intervalo, depois de ter comentado o livro Contos Proibidos, dizendo que nada de novo trazia ao assunto.

Estes dois textos- ambos do Independente, de 9.8.1996 ( a entrevista a Maximiano) e de 14.7.1999 ( a carta de Rui Mateus)- revelam o problema principal da nossa investigação criminal, sempre que encontra pela frente o poder político de topo: cede. Tem medo. Não avança.
É um problema grave e que a generalidade das pessoas adivinha, perscruta, mas nada faz para a mudança. E é preciso uma mudança, de facto. A independência do poder judicial e a autonomia do MP, não se afirmam: praticam-se. Souto Moura praticou-a, sem a afirmar muitas vezes.

 Mário Soares safou-se sempre destas alhadas. Porquê? Quanto a mim, por uma única razão: ninguém o queria ver como um delinquente ( ao contrário do que anda agora a propalar sobre alguns membros do governo). Eppure...

5 comentários:

Mani Pulite disse...

Esse Maximus Curruptus e consorte tiveram a sua paga com trinta dinheiros...basta ver as carreiras contributivas de todos nós Portugueses para essas repelentes criaturas que passaram a ser o paradigma de "sucesso" para todas as magistraturas do regime.

JC disse...

"Floribundus disse...
José
tem cada vez mais importância a publicação destes textos em livro,
porque esmagam todo o lixo que por aí circula
os factos são indesmentíveis"

Subscrevo...

Arnatron disse...

Outra coisa não seria de esperar ... Um sem vergonha na cara, que espezinhou a bandeira Portuguesa em Londres e mais o seu compincha Almeida Santos, outro da mesma laia, enviaram para Moçambique uma tonelada de ouro ...
que sempre viveu de expedientes .. e essas são palavras do seu pai adotivo o Padre João Soares, as quais e outros mimos ouvi directamente da sua boca, quando o ajudada a andar mais o sr. Nicolau porteiro do colégio Moderno que dele tratava ...
Esse Mário Soares quando a história for bem contada é sim um delinquente de alto gabarito, que afundou Portugal e que devia ser julgado em tribunal por tudo o que fez e a miséria que provocou ...
Portugal e os portugueses não mereciam ter sofrido na pele ... mas ... somos masoquistas e permitimos ter sido assaltados desde 26 de Abril de 1974 por toda essa corja de inúteis, que nunca trabalharam na vida e que se agarraram de tal maneira como lapas ao erário público e com tal despudor, protegidos por uma constituição feita à maneira, que vai ser muito difícil deles nos vermos livres ... Portugal está no fundo e os Juízes do TC vão ser os seus coveiros. Viva a Festa dos Comunistas, Socialistas e dos Banqueiros unidos na destruição de Portugal ... Viva!

Floriano Mongo disse...

José, para alguns as trafulhices de Soares assim como o talento necessário para falir o país três vezes em 35 anos, tornaram-se categoria de pensamento. Está para nascer alguém com competência necessária para arrebatar o troféu a este verdadeiro recordista.

Quando Soares se pronuncia, a memória sai em desabalada carreira, o bom senso apavora-se com a iminência de outra sessão de tortura, a chanceler Merkel sofreu uma derrota eleitoral em toda a linha, a Europa vai virar à esquerda. Fora o resto.

O falastrão sem juízo precisa fazer-nos o favor de descer do palanque e dar um pouco de sossego aos nossos ouvidos e à nossa inteligência.
Mas acima de tudo, e lembrando Antero, o que Soares precisa é de mais 88 anos de reflexão.

Floriano Mongo disse...

««« os responsáveis da governação “vão cair muito antes” de Junho, altura em que está previsto o fim do programa de assistência da troika de credores internacionais. “É inevitável. Antes que o ódio do povo se torne violento.»»»




Mário Soares, acometido por um súbito e inexplicável ardor na face, recordando como uma simples ida à Marinha Grande se pôde transformar, sem razão alguma, na mais cruel da viagens.