Páginas

domingo, 9 de novembro de 2014

O Muro caiu em Agosto de 1991

O Muro, verdadeiramente,  só caiu em finais de Agosto de 1991...porque em 23 desse mês, Ieltsine suspendeu as actividades do partido comunista na então URSS, por suspeita de envolvimento no golpe de Estado.

Por cá, após os acontecimentos de 25 de Novembro de 1975,  era isso que deveria ter sido feito. Porém, Mário Soares e Melo Antunes não deixaram. Disseram que o PCP era necessário à democracia. Tão necessário quanto uma viola num enterro...
O PCP ainda hoje lamenta a queda do Muro, há vinte e cinco anos. Sobre a queda do comunismo na URSS nem se fala. Nessa altura, no espaço de algumas horas apoiaram os golpistas, com um comunicado que tiveram que engolir horas depois. É um daqueles sapos que ainda não deglutiram.


Quando o Muro caiu, há 25 anos, ficaram à mostra muitas vergonhas do sistema comunista. Porém, a miséria e desgraça a que o sistema conduziu muitos milhões de pessoas, durante décadas, só foram devidamente entrevistas após a queda o muro, em Moscovo, em Agosto de 1991.

O polaco  Ryszard Kapuscinski fotografou então alguns instantâneos dessa tragédia colectiva, provavelmente e a par das grandes guerras, a maior de todo o século XX e que ainda hoje o PCP pretende enaltecer e se lhe fosse possível preservar no formol onde guarda a ideologia comunista.
As fotografias estão agora em exposição, em Barcelona. 

Uma imagem que diz mais de mil palavras é esta sobre o que então se passava na Ucrãnia e que explica o que se passa agora. As inscrições na estátua falam por si: "onde estão as nossas casas, hospitais e escolas?"





6 comentários:

Vivendi disse...

Foi a construção e não a queda do muro de Berlim que marcou para sempre o socialismo como um regime patético, fracassado e desumano.

MD

Vivendi disse...

"O muro vale pelo simbolismo, mas era o menor dos males. A memória que fica é a do maior crime político da História, com mais de 100 milhões de mortos, da China à União Soviética, da Coreia do Norte a Cuba. As más ideias tendem a produzir maus resultados. O que nos devia preocupar hoje é que certos conceitos do "socialismo real" ainda agora por aí circulam, em regime de contrabando, com outros nomes."

BS

Floribundus disse...

pior que o muro de Berlim, parte do qual se pode observar quando se viaja de barco no Spree,

é a muralha socialista dos ratos que se preparam, com o apoio do MONSTRO, para devorar as sobras

preferia Gorbachov a Putin

Zephyrus disse...

A ameaça continua.

Em Espanha o pelintra do Podemos já tem 27% das intenções de voto numa das sondagens, um ponto à frente do PSOE.

josé disse...

O POdemos é o Grillo espanhol. Não vai longe. Mas quando aparecer alguém credível e com um discurso que toda a gente entenda, então aí vai ser mesmo a sério.

Salazar apareceu num contexto parecido embora noutra época e por isso até o Otelo já suspira por um Salazar...

muja disse...

Uma coisa, porém, é de notar: o muro caiu - foi deitado abaixo, mais precisamente - mas a Rússia não renega o seu passado e isso é digno de respeito.

A bandeira soviética desfila atrás da da Federação Russa, nas paradas militares.

O que foi, foi; e apenas os dementes da revolução procuram apagar o passado, em vez de construir o futuro.

A dementsia de cá haviam de tirar lição dali. Mas não tiram. Ainda não compreenderam - ou talvez pensem, provavelmente bem, que o pessoal ainda não compreendeu - que a Rússia já não é soviética, bem pelo contrário. E é por isso mesmo que faz desfilar a sua história. Toda a história.

Salazar dizia mais ou menos o mesmo naquela obra para portugueses, que lhe inspirou o Costa, ao tempo Afonso.

Hoje, continuam a renegar o passado, aliás, a própria realidade que não lhes interessa.