Páginas

sexta-feira, 15 de maio de 2015

A raça do antisalazarismo profissional

Em 9 de Junho de 1977, na revista Opção, apareceu um artigo sobre o "10 de Junho", da autoria de Fernando Marques da Costa que aparentemente será um dos indivíduos que acolitou os presidentes da República da nossa esquerda democrática.

O artigo de quatro páginas dedica-se a zurzir a ideia de "raça" tal como herdada de Salazar dos primórdios que apesar de tudo "não atinge em Salazar o estatuto que atinge no fascismo alemão".

Porém, "o Dia da Raça comemorava assim por um lado a epopeia que o país vivera no seu passado imperial, na época áurea dos descobrimentos e da expansão em que Portugal dera ´novos mundos ao Mundo´" .

É ler o discurso corrente do antifassismo primário dos profissionais do antisalazarismo. É  fundamental para entender o argumentário básico da esquerda nacional e ao mesmo tempo mostrar que foi este género de opiniões que pavimentou toda a mistificação operada ao longo das últimas décadas sobre Salazar.

A questão não reside apenas no debate da ideia de "raça" atribuída ao salazarismo, o que pode ter alguma ressonância de verdade histórica.  Reside mais no acantonamento estratégico do Salazarismo a essa ideia estereotipada ao limite e replicada  pelos historiadores do regime actual, sem nuances ou interrogações contextualizadas sobre o sentido da mesma.

Quem ousar divergir desta ideia feita está feito no mercado da opinião publicada. 


3 comentários:

Neo disse...

Consegue-se descortinar 3 ou 4 senhoras de raça negra por detrás do Grande Satã.
Provávelmente foram executadas pela PIDE após a sessão fotográfica.

josé disse...

Nem tinha reparado porque sempre tive olhos para aquela loirinha de baixo à direita.

Em Maio de 1977 conheci uma loirinha que era a cara chapada dela e por isso, a revista que comprei nessa altura tinha esse valor de referência.


Durante décadas ficou arrumada e só agora redescobri tal coisa.

Floribundus disse...

das pretas só vejo os dentes brancos

conheci o fernandinho no GOL. cuja pera, dizia-se tal como o bigode do Oliveira Marques, se dizia ser tentativa frustrada de virilidade

aparecia a falar na tv a favor de sampaio

desapareceu depois do caso Casa Pia

tal como o filho da opção e tanto outros
não são para levar a sério