Páginas

sábado, 3 de outubro de 2015

As mesmas opções políticas desde há 40 anos...

Em 29 de Abril de 1976 surgia a Opção, revista dirigida por Artur Portela Filho, logo a seguir às eleições para a Assembleia da República desse ano e que tiveram este resultado:



O ambiente político da época era assim resumido na capa do primeiro número dessa revista assumidamente de esquerda moderada e democrática. A figura da capa era o ícone dessa vertente da democracia. Quem o viu ontem no último acto público de propaganda do PS teve oportunidade de perceber o estado caquético que apresenta e por isso nada disse de relevante, ao contrário de outros tempos. O tempo não perdoa e como cantavam os R.Stones pouco tempo antes ( 1974) "time waits for no one...":


Ora o problema democrático em Portugal é sempre o mesmo de há 40 anos a esta parte e o PS torna-se o pivot desse problema, como já era notório nesse número da revista, o que estes artigos   denotam.

Em primeiro, o artigo opinativo do filósofo de Vence, no qual se repetem os mantras da utopia marxista e se relegam para um canto esquecido da História os problemas trágicos que se engendraram nos povos e países em que tal ideologia vigorou. Em 1976 o filósofo de Vence estava preocupado com o "fascismo" que nunca existiu em Portugal e o comunismo pouco lhe interessava discutir porque perderia lugar à mesa da discussão se o fizesse.
Portanto, a tese do filósofo de Vence era simples: os comunistas tinham uma ideologia coerente e sólida, "o que torna o marxismo tão revolucionário" porque eivado de uma convicção íntima e exterior imbatível...e que o socialismo democrático não tinha.



Esta abordagem ( francesismo à la Vence) é corrente e ainda hoje costumeira na mentalidade de esquerda, mas não se fala muito disto, por uma razão: aquela ideologia marxista-comunista revelou-se uma das maiores tragédias do século XX e o PCP mai-lo BE ou o inenarrável Livre não são confrontados com tal facto, nunca, em termos mediáticos e firmes. A dona Lourença e associados do Público ou do resto dos media de esquerda, em camarilha ideológica,  não estão interessados em debater este problema porque lhes estraga as convicções e o conforto na divisão mental entre esquerda e direita.


Porém, na época,  um desses socialistas democráticos com laivos de maçonaria nas veias ideológicas, escrevia do mesmo modo que hoje o fará, com o mesmíssimo contorno de complacência para com um dos partidos  cuja ideologia actual é uma das mais hediondas na História universal da infâmia, herdeiro directo do estalinismo e apoiante activo do que se passou em Moscovo nos anos de chumbo do comunismo.


Este artigozito de Cravinho é da mesma ferradura de sempre e foi publicado naquele número um. João Cravinho passava por um pequeno génio e até foi ministro várias vezes. Da Indústria, imagine-se!




Este contexto histórico percebe-se melhor se se ler esta página de entrevista de um histórico da resistência ao regime de Salazar que aqui aplaude e apoia um dos terroristas do tempo, Palma Inácio,  que depois se reciclou ideologica e profissionalmente no PS.  Emídio Guerreiro, o tal lutador antifassista era à época do PSD e foi seu secretário geral! A tal direita...

Para melhor exemplo do que tem sido o ambiente político de paróquia nos últimos 40 anos, nada nem ninguém melhor que Freitas do Amaral que recentemente apelou ao voto no PS para derrotar "a direita" ...e que no número 4 dessas revista aparecia na capa, assim, premonitoriamente, em travesti improvável:



Em remate: um regime destes que nos conduziu sucessivamente a três bancarrotas e que nos afastou irremediavelmente de uma Europa mais desenvolvida e próspera que aliás estaria ao nosso alcance, antes de 25 de Abril de 1974, com todas as "ajudas" recebidas e tempo mais que suficiente para reparar erros passados, tem futuro assegurado?

É preciso discutir isto.

13 comentários:

aguerreiro disse...

Eu sempre delirei com as análises do "pen$ologo" e ceroilas borradas do inefável afrancesado Lourenço, com o benefício de que com a idade , o alzheimer e o tintol o vão pondo cada vez mais bacoco. E então este gabiru que tem ganho muitos €s á custa dos bem pensantes deste Eucaliptal á beira mar plantado; nem sequer se preocupou em ensinar aos filhos (serão?) os rudimentos da língua de Camões. Coisa que nem o mais analfabeto/bruto do emigrante em França o faz, que é o de ensinar, bem ou mal a arranhar o português. Este "vinificado fisólofo"nem esse desiderato conseguiu, mas escreve, desaconselha e dá palpites que nem uma luminária etílica. Já agora onde é que o peralvilho arrecada os euritos dos prémios que lhe concedem? Será na C.C. dos Depósitos ou no Credit Lyonnais? Ou será na "burra" na cava? Quem souber que responda.

Alberto Sampaio disse...

O filósofo vive no reino da ideologia longe da prática e do falhanço total do marxismo. Nem parece inteligente quando se assemelha aos pseudo intelectuais de esquerda que por terem lido todos os manuais do seu catecismo, defendem tais ideias irracionalmente num autêntico acto de fé discutindo apenas a superioridade das ideias de um manual sobre o outro e seleccionando da realidade apenas o que lhes interessa de forma a que as suas ideias nunca sejam postas em causa. Pelos vistos até os mais inteligentes caem nesse vício. Aquilo que concluo é que, e como se sabe, o ser humano em geral necessita de acreditar em algo que o transcende nem que seja uma ideologia bafienta falhada, comprovadamente na teoria e na prática, escrita por 1 filósofo e 1 ensaísta entusiasmados há cerca de 150 anos, ou outras idênticas, como o nacional-socialismo, fascismo, trotskismo, etc.
Outros, como soares, são os que vivem no reino da prática e dela se aproveitando o mais que que podem e puderam. Normalmente vivem em irmandades do mal enquanto espalham palavras de esperança. Enfim.

Floribundus disse...

o ps e restante esquerda
'dão uma no cravinho, outra na ferradura'

se o cravo for mal espetado a cavalgadura manca

conheci o reis seminarista a dar ao badalo nas procissões, passou pelo Parque Mayer, foi ministro e gm do gol

a esquerda ficou órfã após a implosão da urss

mas insiste em aplicar a mesma receita

até o anão escreveu elogios ao syrisa

amanhá chove, mas a coligação não fica sem o meu voto

principalmente depois de passar uma vista de olhos pelas rancorosas tvs anti-governamentais

S.T. disse...


...e já que estamos em tempo de reflexão , fica aí um excelente trabalho no insurgente , para os indecisos :

http://oinsurgente.org/2015/10/03/pedacos-de-historia-roubados-as-capas-do-publico/

BELIAL disse...

Custa ver o merdas-múmia, mesmo quando ainda não era múmia...

O penúltimo pm mais aldrabão?

BELIAL disse...

No dia da reflexão, faleceu josé vilhena.

Reflitamos nisso.

Era o o nosso prémio camões do humor brejeiro e quase antifassista

Pintor, cartunista, dramaturgo, escritor e o mais que pode...

Um factotum: mil artes pratica quem pouco dinheiro tem

Anjo disse...

Excelente compilação, a do Insurgente.

Maria disse...

José, permita-me que, fora do tema de hoje, deixe algumas notícias sobre o Processo Casa Pia, conforme eu disse que o fazia, isto para que não percam actualidade, sobretudo hoje que nem de propósito estamos em véspera de votar para eleger o próximo governo da Nação...

- Em 10/11/2003 (C.M.)
Três jovens envolvem Ferro Rodrigues..., mas como não apresentaram queixa em "tempo útil", "impossibilitando" diligências adicionais relativamente aos alegados factos, situação que terá sucedido em relação a outros implicados no Processo Casa Pia, posteriormente corrigida.

O C.M. apurou que o nome do secretário geral do P.S. começou a circular junto das autoridades pouco tempo depois de ter rebentado (Novembro do ano passado) o escândalo de pedofilia. Ferro Rodrigues já constava do processo desde Janeiro e o seu nome terá surgido ao mesmo tempo do de Paulo Pedroso...

Ferro Rodrigues avisou "que podem surgir novos episódios no P. Casa Pia a envolver o Partido Socialista". Ferro relembrou que "não foi apenas o Paulo Pedroso que foi incriminado, o meu nome também apareceu nos depoimentos e foram levantadas contra mim suspeitas criminosas"...
O C.M. soube que a possibilidade de Ferro Rodrigues vir a ser constituído arguido no megaprocesso é agora muito remota ("por haver caducado o prazo em que deviam apresentar queixa, após terem completado os 18 anos).

- VISÃO 25/9 a 1/10 de 2003
Em notícia de capa "Guterres ordenou investigação à pedofilia pelos serviços secretos em 1997".
Cabe a pergunta: estamos em 2015..., o que sucedeu a esta investigação???

- VISÃO 23 a 28 de Maio de 2003
Em parangonas na capa:
A foto de Paulo Pedroso encimada pela pergunta CRIME OU CABALA?
Ao centro, mais à direita: foto de Ferro Rodrigues sublinhada pela sua afirmação "Querem atingir-me a mim e ao PS"...
Ao fundo da capa, à esquerda da imagem de Pedroso: "Deputado, ex-ministtro, braço-direito de Ferro Rodrigues, foi constituído arguido por alegado envolvimento em processo de pedofilia" (com desenvolvimento no interior).
(cont.)

Maria disse...

(conclusão)

- A 6 de Outubro de 2003 (C.M)
(Em título de caixa alta)
Maçonaria afasta suspeitas. António Arnaut, grão-mestre do grande oriente lusitano, assegura que não há 'irmãos' arguidos ou suspeitos. E diz que um juiz "não pode perguntar a alguém se é maçon" (???!!!!!)
(Título da notícia que se segue, com uma afirmação do próprio): "Um pedófilo seria suspenso de imediato" (???????)
Ao lado desta notícia, outra de José Manuel Anes: "Abuso sexual é dos crimes mais graves" (??????)
(Últimas perguntas e respostas do mesmo artigo): P.-"Nesta ordem de ideias para a maçonaria os crimes alegadamente cometidos na Casa Pia são dos mais graves... R.- De facto a pedofilia é dos crimes mais graves. Os praticados contra menores são inadmissíveis na nossa perspectiva".(????) P.- Como é que vê o processo Casa Pia em termos genéricos? R.- Nunca nos pronunciaremos sobre casos concretos no processo. Mas achamos que deve ser feita justiça. Devem ser respeitados os direitos dos acusados e dos ofendidos, em primeiro lugar" (!????)

A 22 e Outubro de 2003 o Jornal 24 Horas transcreve em seis páginas o Documento das Escutas fornecido pelo Departamento de Investigação e Acção Penal. Na primeira folha, a metade superior esquerda mostra de um lado o farsante e (segundo foi apurado na investigação) pedófilo Ferro Rodrigues e do lado direito o outro farsante e (igualmente apurado na investigação) pedófilo Paulo Pedroso com ar de menino que não parte um prato..., logo seguido doutro farsante António Costa com ar compungido(?!?) e por uma vez sem se estar a rir, como é seu hábito costumeiro, dando a impressão de estar sempre a gozar com tudo e com todos... Pois, pudera!

E é claro que muito mais foi dado a conhecer sobre este escândalo nas páginas destes jornais e revistas durante o ano de 2003 e nos seguintes, onde políticos no activo (então como agora) foram e são na sua maioria os seus principais e abjectos protagonistas.

Dou razão ao José quando diz que o Correio da Manhã é o jornal que mais tem investigado e com uma coragem pouco usual (já que quase todos os jornais estão vendidos ao poder, sendo este mais o jornal O Diabo as excepções à regra) sobre os inúmeros escândalos de corrupção e outros crimes ainda mais gravosos a que os portugueses têm vindo a assistir incrédulos desde há décadas e aqueles jornais têm-no feito de um modo extremamente acurado e notàvelmente imparcial, designadamente sobre este abominável e repugnante escândalo de pedofilia. Bem merece/m parabéns redobrados pela perseverança com que continua/m a pugnar para que a verdade sobre os crimes gravíssimos cometidos por uma classe política corrompida prevaleça sobre a mentira e esta venha a ser definitivamente desmascarada.

Floribundus disse...

Maria
o tricano arnaut, é conhecido na maçonaria por irmão peneleiro, por ser de Penela

no velório do nunes de almeida organizou uma sessão maçónica na Basílica da Estrela

é um pobre diabo ávido de consideração
um triste

votei pelas nove horas

JReis disse...

José, estou já com 45 anos de idade. Este seu postal é de uma enorme qualidade pelo que gostaria de lhe endereçar os meus parabéns. O seu postal resume com veracidade a politica que acompanhou a minha geração. Como tudo poderia ter sido bem diferente. Alguns dos protagonistas daquele tempo ainda por cá andam e geram em mim uma revolta interior que não consigo descrever em palavras. Que esta velha nação chamada Portugal perdure e que o elemento sorte lhe traga outros protagonistas com melhor qualidade no futuro.

Maria disse...

"Como tudo poderia ter sido bem diferente. Alguns dos protagonistas daquele tempo ainda por cá andam e geram em mim uma revolta interior que não consigo descrever em palavras."

É precisamente o que eu penso, JReis.

Eu deconhecia por completo o que significava a palavra "ódio" até ao dia 22 de Novembro de 2002. Este era um sentimento desprezível que jamais ouvi ser mencionado lá em casa simplesmente porque era inexistente no meio em que nascemos e fomos educados. Eu e os meus irmãos fomos criados e educados para virmos a ser pessoas de bem, respeitadores do próximo, das pessoas mais velhas, da autoridade e dos políticos que nos governavam, os mesmos que supostamente nos tinham vindo devolver a tão propalada liberdade. Educados. ainda, para nos comportamos sempre com civilidade e para nos orgulharmos dos nossos Heróis passados e do País que deles herdámos.

Ora o que comecei a dar-me conta, incrédula e esupefacta, a partir daquele fatídico dia 22/11/2003, é que afinal tinhamos estado a viver uma farsa de regime capitaneados por escroques em vez de políticos íntegros, indivíduos com uma formação moral abaixo de cão, que só tinham derrubado um regime íntegro e patriota para introduzir um outro cujo único fito havia sido assaltar os cofres do Estado, apoderar-se de milhões do erário púlico durante todos e em cada um dos anos de governação e para culminar a obra demoníaca eis que nos deparámos abismados com o facto inimaginável de a mesmíssima classe política, que proclamava contìnuamente sentir-se orgulhosa de ter conquistado o poder e de ter 'devolvido ao povo a liberdade', ser composta por uma seita de malfeitores do pior extracto, justamente a mentora da introdução no País das piores redes criminosas existentes no Globo, sendo a mais abjecta e diabólica, a de pedofilia de Estado na qual preponderavam desde o seu início e não estranhamente, muitos dos políticos socialistas em exercício, alguns dos quais com cargos governativos máximos.

Perante este quadro inominável - que envergonharia o mais refinado patife, mas, pelo contrário, para esta classe política socialista sem pingo de vergonha, tudo não tinha passado de empolamento da oposição e duma cabala urdida pela extrema direita fascista para denegrir o partido (e menciono especìficamente este partido porque foram pràticamente e só os elementos a ele ligados os identificados pelos investigadores como sendo sem margem para dúvidas quem abusou efectiva e miseràvelmente das crianças orfãs institucionalizadas à guarda do Estado) - só resta acrescentar que enquanto perdurar este regime putrefacto e se mantiverem à sua frente os seus vís mentores, os portugueses não terão paz espiritual, não haverá paz social e nenhuma estabilidade política. E quando faltam estas três condições essenciais em qualquer sistema político para se tornar mìnimamente credível, isso significa que é impossível governar com isenção, honestidade e lealdade. Por outras palavras, nestas circunstâncias a governação transforma-se numa farsa monstruosa e os políticos do sistema uns pulhas da pior espécie.

Maria disse...

Leia-se "... daquele fatídico dia 22/11/2002" e não 2003, naturalmente.