Páginas

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Os primórdios do capitalismo segundo os adeptos da revolução permanente.


O primórdios do capitalismo segundo o trotskista Ernest Mandel, na obra Tratado de Economia Marxista, do início dos anos sessenta do séc. XX.

A análise da aparição do capital usurário que incorpora juros e feita assim, depois da consulta de dezenas de obras de especialistas em várias matérias das ciências humanas que só um CES de Coimbra ou um ISCTE de Lisboa poderiam congregar- historiadores, de economia, etnólogos, antropólogos, sociólogos, psicólogos, etc etc.

O resultado é este em que se mostra o que é a análise marxista da História económica:







3 comentários:

Floribundus disse...

só devia ter existido capital do estado paizinho.

o mundo deveria ter começado pelo sector terciário

não existe risco nos empréstimos: nunca ninguém faliu

as cruzadas tinham por finalidade enriquecer os cruzados

os usurários judeus estavam na Palestina para servir os Muçulmanos a fim de poderem ser explorados pelos cruzados

as especiarias do Oriente e os produtos chineses chegavam na totalidade ao Ocidente
nunca houve naufrágios

a urss foi atacada por um virus fornecido pela cia
e teve paragem cardio-respiratória

o hermann tem menos graça
o monhé idem

temos aqui a escolinha do boa aventura

zazie disse...

O artesanato contra os monopólios e a finança.

Bilder disse...

A falta de coesão de um país(e povo)é o início de todas decadências.Em 1975 o projecto político/económico marxista foi derrotado cá,mas o projecto cultural marxista entranhou-se na sociedade(o que convém afinal aos próprios masters da globalização que dominam o capital) e muitos nem deram por isso,um país que perde a sua identidade fica sujeito a imposições de fora(mesmo que em nome do liberalismo ou outro ismo qualquer),foi o que aconteceu e continua a acontecer.