Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Novembro, 2015

O jornalismo líquido do Público e as notícias em bruto do Correio da Manhã

Ontem, a jornalista do Público Cristina Ferreira acrescentou ao desmazelo ( em interpretação benévola) a manha que o Correio da Manhã não tem, nem sequer online, a propósito da notícia manhosa da véspera sobre o antigo governante Sérgio Monteiro.

Ontem desfez-se em explicações detalhadas sobre o pormaior da remuneração líquida ou bruta daquele. E explicou o que na véspera tinha completamente omitido, com a agravante de ter passado a mensagem principal da primeira página, efeito que com estes profissionais nunca é despiciente Nessa primeira página do jornal de Sexta-Feira tinha escrito " Sérgio Monteiro recebe 30 mil euros por mês para vender Novo Banco". Assim mesmo com um acrescento: o salário era pago pelo Banco de Portugal durante 12 meses.
A notícia interior, com foto "à Correio da Manhã" a ocupar a página escrita de alto a baixo repetia os 30 mil euros "brutos por mês" e a seguir informava que o mesmo iria receber " uma remuneração total bruta …

Cabras, cabritos, mentirosos, aldrabões e criminosos.

Quando José Sócrates começou a ser notícia pelos gastos relativamente extravagantes para o que dizia ganhar,  os seus súbditos mentais do género lello afiançavam que tudo provinha de uma fabulosa herança familiar que justificava todas as riquezas aparentes e ocultas. A mãe, afinal,  era a origem dessa riqueza inexplicável

Nada mais falso, como revela o Sol de hoje.

O que espanta neste simples caso de polícia é um certo PS ( Almeida Santos à cabeça, com Mário Soares já sem cabeça) continuar a aposta que a "perseguição é injusta" e que José Sócrates é inocente, associando o caso a um assunto de política que levam a peito como levaram o caso Casa Pia.

Lamentável. Trágico.

Capas de jornais. Público e Correio da Manhã

Capa do Público de hoje: a notícia do dia é sobre um antigo governante que cessou funções. A circunstância de ir ganhar 30 mil euros brutos esbarra logo num pormenor de contas: dentro da notícia escreve-se que "vai receber uma remuneração total bruta de 250 mil euros". Durante doze meses. Ou seja, 250 mil a dividir por doze meses, dá...é fazer as contas para entender o rigor noticioso do jornal, na primeira página. Um jornal dito "de referência", note-se, e que com esta notícia apenas quer dar conhecimento público de um "escândalo". A notícia é assinada por Cristina Ferreira, já por aqui citada várias vezes por desmazelo ( interpretação mais benigna), como revela neste jornalismo malabarista. O objectivo é óbvio: vilipendiar um antigo governante do Passos,  apenas e tão só. E a jornalista não pode ignorar tal efeito.
No interior da notícia há um pormenor que é passado a escrita como uma gata a correr em telhado de zinco quente: o tal ex-governante, antes …

Dinis de Almeida, o fitipaldi das chimites ataca de novo...de carrinho.

Uns tais Leandro Ferreira e Maurício Ribeiro assinaram um programa em jeito de efeméride, na RTP1 sobre o 25 de Novembro de 1975. Entrevistaram uns indivíduos que participaram directamente nos acontecimentos ( por exemplo, os inenarráveis Dinis de Almeida e Otelo, militares de Abril que nesse mês nada sabiam de ideologias ou política e passadas duas semanas eram peritos em marxismo e  estratégia leninista) e juntamente com material de arquivo tentaram mostrar o que foi esse dia e os seus antecedentes directos. Um programa do género dos de sempre, politicamente correcto e que prolonga a narrativa habitual, sempre a pender para o lado esquerdo.

Um dos intervenientes, o tal Dinis de Almeida, disse que o caso das nacionalizações dos bancos nesse dia tinha sido alterado porque se tivessem continuado nacionalizados não se teria assistido ao que agora acontece. E ainda disse que alguns banqueiros de agora, que classificou abaixo de cão, sofrem as consequências disso e são vergastados por cau…

Pela capa morre o Público

Costa primeiro-ministro, em 25 de Novembro 2015, capa do Público de hoje: auspiciosa, triunfante, exclusiva. O fim da austeridade que passa pelo Parlamento...

.com a mesmíssima directora, a inefável Barbara): manhosa, derrotista e partilhada. O combate à bancarrota completamente esquecido e desprezado...


O Público já nem para embrulhar peixe serve.

O Diário de Notícias de 18 de Junho de 2011, com a direcção de João Marcelino, apesar de tudo ainda é mais equilibrado...



E a de hoje, do subserviente André Macedo ( aceitou o diktat do patrão para proibir publicidade do Correio da Manhã, que desagradava a José Sócrates...):



Por aqui se pode ler em modo semiótico  a influência da idiossincrasia no ambiente jornalístico: este DN ainda dá para embrulhar peixe. Podre...


ADITAMENTO:

Uma leitora que não tem pachorra para estas coisas mencionou a falta das capas do Correio da Manhã. Não sei bem para quê, mas enfim, para colmatar esse lapso aqui ficam. Denotam, ambas, a relativa importância que o j…

O 25 de Novembro 1975 na época e agora

O dia 25 de Novembro de 1975 foi o primeiro dia pós-PREC, porque foi nesse dia que as veleidades da Esquerda marxista-leninista depuseram as armas e arrumaram as botas. Até dali a uns dias, quando voltaram à clandestinidade e começaram a saga das FP25 que terminou dez anos depois.

A Esquerda comunista marxista-leninista nunca desistiu do projecto totalitário inerente e mais uma vez, 40 anos depois, está de volta para dar umas curvas à boleia de um partido perdido e que provavelmente irá desaparecer.

O que foi então o 25 de Novembro de 1975?

Depois da confusão, uma comissão  fez um relatório preliminar que foi publicado em 12 de Janeiro de 1976. Em 19 de Janeiro de 1976 Otelo foi preso por causa das conclusões que o implicavam e solto em e de Março desse ano.
Um editor particular, Martinho Simões, publicou-o integralmente, em dois volumes.

O Relatório é um conjunto de factos apurados pelos investigadores. Começa por uma introdução breve, apresentando as causas remotas, próximas e deter…

Dn e JN: lá se vão os dedos que os anéis já foram

Outra notícia de ontem do Correio da Manhã e que tem uma importância real e simbólica que outros jornais não quiseram ver.

Os edifícios já lendários dos jornais Diário de Notícias, (jornal que já fez 150 anos, num edifício com muitas décadas) e Jornal de Notícias ( edifício emblemático do Porto) , uma referência real no Norte do país vão ser vendidos, para o ano.

O que é que isto significa? Em primeiro lugar uma coisa simples: precisam ardentemente de dinheiro a tilintar nos balanços para pagarem o esforço de propaganda que têm que fazer em prol de certos interesses relacionados com a firma Global Media Group, administrada pela figura sombria, Proença de Carvalho, o super-administrador, advogado... de quem? De José Sócrates...entre outros. Muitos outros ( CM 28 Janeiro 2015):




A  notícia diz que há "vários interessados" no negócio mas resta saber para quê... Os jornais vão manter-se naqueles locais ou os edifícios serão simplesmente reciclados em ambientes de escritórios para…

O Correio da Manhã não é um jornal aborrecido...

Há 40 anos o cantor americano Loudon Wainright III publicou um "álbum" em que uma das canções -"Talking Big Apple 75"- falava de New York como uma cidade em que havia de tudo, incluindo violência, desgraças, tragédias, sujidade, droga, putedo, enfim, quase tudo o que este indivíduo aponta ao jornal Correio da Manhã porque lhe pespega ainda com a praga do futebol em muitas páginas e páginas.



No fim da canção, para rematar, releva tudo isso com o verso "Oh...but it´s not boring!" .


Tal e qual o Correio da Manhã: um estendal de desgraças na primeira página, relatos sumários de acidentes, crimes, faca e alguidar a rodos e com a liga à mostra em várias páginas que convidam sabe-se lá a quê...
Mas...não é aborrecido e tem notícias que mais ninguém tem. E se o jornal é um estendal de misérias nesse estendal encontra lugar o que outros jornais não publicam de todo e isso faz a diferença. Se em cada número do jornal houver, como há geralmente, duas ou três notícia…

A África francesa: outra descolonização.

A revista francesa Geo Histoire na edição de Dezembro 2015-Janeiro 2016 dedica o número à África no tempo das colónias e em subtítulo " da conquista francesa às independências 1850-1960".

No que ao caso importa, em 1958 De Gaulle, o herói francês da IIGMundial regressou ao poder e alterou a política africana da França.
Fez um referendo em todas as colónias e pediu um sim ou um não, inequívocos à manutenção das "possessões " enquanto comunidades ligadas à França. A Guiné francesa disse logo que não e foi logo o primeiro país africano e francês a tornar-se independente, sem mais.
Os restantes disseram "sim", mas ao longo dos anos seguintes foram-se arrependendo. No fim de 1960 a tal Comunidade franco-africana desapareceu no mapa.

Esse mapa que a revista publica é muito interessante pelo que revela e em Portugal, nos últimos 40 anos não me lembro de este assunto ser tratado assim nos media tradicionais. Além de uma detalhada configuração das "colónias&q…

Obscenidade em directo nas tv´s

RR no Sapo:

José Sócrates afirmou este domingo que está de volta à vida política portuguesa e deixou críticas à actuação do Presidente da República no pós-eleições legislativas.
(...)
O antigo primeiro-ministro falava num almoço de desagravo em Lisboa, que reuniu cerca de 400 pessoas, entre elas históricos socialistas como Mário Soares e Almeida Santos, o líder da UGT, Carlos Silva, e antigos ministros Como Alberto Costa, Mário Lino e Vitalino Canas.
Numa altura em que se assinala um ano da sua detenção no âmbito da "Operação Marquês", José Sócrates deixou um aviso aos seus adversários: "Se o objectivo de alguém fosse que a minha voz fosse calada, como foi durante muitos meses, ficam agora a saber que essa voz está de volta ao debate público em Portugal". 


Não subsiste qualquer dúvida: este PS é um partido politicamente execrável para quem a divisão de poderes nunca existiu verdadeiramente  quando está em causa a sobrevivência política de um dos "seus". F…

O pátio da vox populi

O Correio da Manhã tem feito um belíssimo trabalho jornalístico na efectiva e real luta contra a corrupção em Portugal, principalmente a de alto coturno e que tem ficado quase sempre acantonada nas declarações piedosas de alguns políticos e governantes. Tais declarações circunspectas não passam disso mesmo na generalidade dos casos.
Lembremo-nos do que o engenhoso Cravinho tem andado a dizer e a fazer durante os últimos vinte anos, para termos um paradigma disso mesmo.

A entidade que em Portugal tem o monopólio da investigação criminal, o Ministério Público, apesar de melhorias pontuais evidentes, ainda não atingiu a maturidade de uma instituição acima de qualquer influência e à margem de qualquer rato infiltrado que aí faça ninho.

A prova de que certos poderes políticos tentam a todo o custo controlar directa ou indirectamente tal poder do Estado, advém desde logo da circunstância de ser exactamente o poder político executivo ( Governo principalmente e presidente da República, com po…

"Não há factos! Não há factos!", o mantra de José Sócrates.

Os jornais de ontem e hoje dão algum destaque à efeméride da prisão de José Sócrates, ocorrida no   ano passado.
O Sol, ontem e o Público hoje, mais o Correio da Manhã destacam o acontecimento e glosam uma vez mais o caso do Marquês.
O visado continua no mesmo registo de negação acolitado pelos seus advogados extraordinários, que repetem como papagaios amestrados a vigarice intelectual: " não há factos! Não há factos!"

O Sol de ontem mostrava os factos e contra-factos que não se explicam porque falam por si. E o que faz a defesa de José Sócrates perante evidências iniludíveis? "Não há factos! Não há factos!" , como se os factos fossem algo como os argumentos que de tanto repetidos se tornam a única verdade admissível.

E como se contrariam factos divulgados e se impede a sua divulgação? Amordaçando o mensageiro dos mesmos. No caso, o Correio da Manhã que do assunto tem feito notícia com proveito e exemplo.

Como isto não chega porque os factos estão espalhados já p…

A nostalgia de um reino imaginário

A defesa da monarquia como regime político viável, no Portugal da actualidade e futuro próximo, parece-me projecto utópico e próprio do reino das quimeras onde viceja um draco-rex a lançar-chamas de luzincu.
O que é uma Utopia? Não há definição fácil mas é possível juntar algumas noções.Não sendo filósofo nem me arrogando conhecimentos que não tenho, procuro o saber de outros para compreender minimamente o assunto.  Para o Saber acabado e embalado em vácuo  prefiro os originais, sem precisar muito de intermediários enfeitados como intérpretes. 
Ou seja, cito directamente quem sabe muito mais e já deu provas disso.Para o caso, volto ao Norberto Bobbio do Il Dizionario di Politica. Assim as ideias aquiexpostasa arremedar gnosiologia são apenas glosas. Assim, nem toda a gente que escreve sobre utopias será utópico. "O lugar inexistente" associa-se ao "Lugar da felicidade"? Karl Mannheim em 1929 definia a mentalidade utópica como algo "em contradição com a reali…

Actualidades

Isto é para ler porque vale a pena ler. Vem no Sol de hoje. Quem quiser ler basta clicar em cada imagem com o botão do lado direito do rato, para abrir outra janela e aí poder ampliar a imagem.






E já agora, a continuação da saga, cada vez mais densa, do inocente presumido.