Páginas

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

As rimas do pajem

Acomete de novo a alimária
Rimando em decassílabos de truz
Métrica pendurada numa cruz
Uivando incipiente a mesma ária.

Este pajem frustrado de azedume
Ainda  espera um novo Sebastião
Para ver o rei guarda o lampião
Porque este tempo ainda é de negrume.

Não viu este urubu feito anedota
Que a mensagem nem sempre dá Pessoa
E que alinhar umas trovas à toa
Termina com a festa e a risota?

Continuar assim é tempo gasto
A chover num molhado inconsistente
Pelo que ninguém ficará contente
Se lhe for dado sempre o mesmo pasto.

Insultos e chalaças têm piada
Se forem comedidos e educados.
Em contrário cospem-se, enfunados
E retornam, íntegros, à morada.

Sem comentários: