Páginas

sexta-feira, 4 de março de 2016

Déja vu...

Observador:

"Se o juiz Moro ou o Ministério Público quisesse me ouvir era só mandar um ofício que eu ia como sempre fui prestar esclarecimento, porque não devo e não temo", referiu.

Num discurso na sede do Partido dos Trabalhadores em São Paulo depois de ter prestado declarações à Polícia Federal do Brasil no Aeroporto de Congonhas, na cidade paulista, Lula da Silva disse que se sentiu "prisioneiro hoje de manhã", depois de ter sido levado de casa para depor.

O ex-Presidente disse sentir-se "ultrajado", "ofendido" e "nitidamente magoado", considerando que "merecia um pouco mais de respeito neste país" e não poupando criticas também a alguns meios de comunicação social.

"O que aconteceu hoje era o que precisava de acontecer para o PT (Partido dos Trabalhadores, de que foi secretário-geral) levantar a cabeça", referiu, em tom de comício, acrescentando que ninguém quer que Dilma Rousseff, a actual Presidente do país, eleita pelo seu partido, "governe".

Lula foi ouvido hoje no âmbito da investigação pela Operação Lava Jato, que investiga a suposta obtenção de favores, doações e o pagamento de serviços de palestras que somam 7,2 milhões de euros (30 milhões de reais), alegadamente pagos por seis empresas ligadas ao escândalo de corrupção na petrolífera Petrobras entre 2011 e 2014
.

Já vimos este trailer...agora seguem-se mais episódios que também já conhecemos. Há uma pequena diferença: no Brasil as penas medem-se pelas dezenas. Por cá, ainda é à unidade. Brandos costumes, como é sabido.

Déja revue:

O Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil rejeitou hoje o pedido apresentado pela defesa do ex-Presidente Lula da Silva para que fossem suspensas as investigações no âmbito da Operação Lava Jato.

Na sexta-feira passada, advogados do ex-chefe de Estado brasileiro pediram para suspender as investigações sobre reformas num apartamento, que teriam sido feitas em favor da família do ex-Presidente por construtoras investigadas no escândalo da petrolífera Petrobras.

3 comentários:

Karocha disse...

Pois !!!

Floribundus disse...

por cá continua o conceito de negritude

a escuridão

o negrume da noite social-fascista em vigor

o polvo lastima ter só 8 tentáculos

Neo disse...

Bem observado, José. Penas mais pesadas e algo igualmente relevante, o jornalismo no Brasil ainda não está morto como por cá.
E isso é tão importante, a informação, que eles desesperam por colocar Camões e Proenças à testa de cada órgão de comunicação.