Páginas

sexta-feira, 15 de abril de 2016

A grande ilusão e a origem da geringonça

Em Outubro de 1985 as eleições legislativas deram a vitória ao PSD com quase trinta por cento dos votos, seguido do PS com cerca de 20% ( Almeida Santos pedira 43% em cartazes...). O PRD tirara quase 18% aos restantes partidos ( 15% ao PS)  e a APU/PCP ficou com um pouco mais de 15%, tendo descido cerca de 1% em relação a eleições anteriores. Talvez por isso clamava vitória: O Avante titulava na primeira página de então "resultados positivos para o regime democrático". Sabendo bem que noção têm os comunistas de democracia, ficava tudo bem claro.

O panorama era este:






A vitória eleitoral da "direita" abria perspectivas de mudança económica e o programa de Cavaco Silva era assim apresentado pelo Semanário de 12.10.1985. O que se pretendia, essencialmente, era construir novamente um capitalismo como existia uma dúzia de anos antes e duas bancarrotas depois. o PCP exultava com a "derrota em conjunto dos partidos responsáveis por dez anos de política de direita e de desastre nacional". Que tinham sido dez anos de desastre, era certo. Que a política era de direita, com a Constituição existente e a Economia quase toda nacionalizada, era a interpretação que o PCP fazia por ainda não estar tudo planificado à maneira soviética...porque até lá chegar seria sempre tudo política de direita.
Ao longo destas décadas  o PCP levou sempre bofetadas atrás de bofetadas políticas e eleitorais que rechaçaram sempre as suas pretensões. Mas ainda não desistiu e com a política dos pequenos passos, com controlo aqui e ali lá continua a enganar os portugueses.
É obra, como o demonstra a geringonça actual. O PCP é o grão de areia que faz emperrar a engrenagem da Economia. Ainda hoje, através dos sindicatos e através da complacência geral que impede uma varridela nas concepções verdadeiramente impeditivas do desenvolvimento do País em moldes europeus. Ao longo de décadas o legado do PCP impediu de facto tal desiderato, o que se afigura, aliás, ser a razão da existência de tal força política que é assim verdadeiramente reaccionária desde há 40 anos.




Não obstante, a análise política de Marcelo Rebelo de Sousa revelava outra realidade que se manteve e mantém:





A geringonça estava a ser montada e incluía diversas componentes. Um tal Pinto Monteiro já era figura de "meia-desfeita"...quem diria! Porém, é curiosidade relativa: o juiz Pinto Monteiro era na época o presidente da "sindicata" dos juízes. E foi nessa altura, aliás, que as relações com o então também juiz Noronha Nascimento se deterioraram. Até ao infausto acontecimento da "extensão procedimental", cuja história está ainda por contar como deve ser.



4 comentários:

Floribundus disse...

Cavaco Silva PM e PR foi sempre um alvo a abater

e o pcp sempre a descer

é o único partido que tem necessidade de mostrar que é português

o ps também se tornou comina sem regresso

karl marx exije

centeno continua ministro
o poeta continua embaixador
o entertainer continua

lidiasantos almeida sousa disse...

QUE DELICIA, COMO POSSO AUMENTAR PARA PODER LER?

AAA disse...

"O objetivo da investigação jornalística no caso Panamá Papers não é derrubar governos. Mas pode acontecer." Director do Expresso hoje no Expresso da Meia Noite.

Conclusão minha: está para breve a divulgação de nomes de políticos no activo.

josé disse...

Veremos. Nesse caso retiro o qualificativo de inócuo...