Páginas

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

A diferença está na retórica e na credulidade dos néscios...






 R.R.:


PS explica: “Há uma enorme diferença entre uma situação financeira complexa e uma falência”.

A diferença fundamental é a resultante da capacidade em aldrabar as pessoas que votam prometendo o impossível e esperando o improvável, sempre com um discurso optimista de quem está a gerir o pote. Quanto tudo corre mal, atiram-se as culpas para os adversários...
Foi sempre assim durante os últimos 40 anos. Desde a bancarrota de 1976, passado pela que surgiu quase dez anos depois, e da última em 2011 a culpa é sempre da conjuntura, o que é verdade, mas não se lembram de outros países que a tiveram igual e não entraram no mesmo barco.

1 comentário:

Floribundus disse...

já disse noutro local que pagavam facilmente a dívida se alugassem quartos à hora com marcação

também podiam fazer apresentações