quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Com a Esquerda em Bloco, a Justiça é do povo que mais ordena...

jornal i, crónica de Joana Mortágua, a filha do pirata:

Com este processo, ficou provado que o sistema judicial entrou em força na disputa eleitoral de 2018, o que só nos pode levar a repetir a pergunta de Liana Lins numa crónica na Media Ninja: “Peraí. Mas se Sérgio Moro é o grande antagonista de Lula, quem é o juiz?” Só pode ser o povo, e é por isso que Lula deve ser candidato.

Portanto, em assuntos de justiça, um certo povo é quem mais ordena, no caso quem eleger o Lula. Portanto, povo como sinónimo de populismo. Separação de poderes? Montesquieu? O que é isso?

Em 1975, um tribunal popular organizado pela UDP, descendente dos piratas, absolveu um acusado de homicídio. A vítima, um latifundiário vilipendiado,  foi condenada a título póstumo...

Estas ideias nunca desapareceram da mente destas filhas do pirata e de outros semelhantes. Lula foi condenado na Justiça brasileira em última instância decisória. Mesmo assim não interessa para nada porque o que valerá é o voto em eleições. Se for eleito, a condenação vale nada, para aquelas filhas de pirata.

No Brasil, o ambiente parece ser outro, pelo menos a julgar pelo que vai (ia) no instagram até algumas horas atrás. Como por encanto muitas das melhores alusões à condenação de Lula desapareceram no instagram. Consegui repescar esta, entre muitas outras que vi de manhã cedo:


4 comentários:

Floribundus disse...

o rectângulo está cheio de invertebrados

de lulas a alforrecas

é favor não coçar

joserui disse...

É espantoso como nestas cabeças recheadas de utopias e amanhãs a cantar, não existe nunca um módico de princípios, valores ou honestidade básica — . O que não falta é hipocrisia. Não suporto esta gente. São reles.
Mais uma vez gabo o gosto aos pasquins que albergam seres tão encantadores.

Miguel D disse...

Caro joserui,
Desde Lenin que está mais que assente que o que este pessoal valoriza é o poder, nada mais.
Aliás, há pouco tempo o lider do Podemos espanhol dizia-o ufano e impante. Se para lá chegar for preciso mentir, enganar, falsificar, siga.
Para lá chegarem aplicam a receita do Gramsci ao milímetro: derrubar os alicerces culturais e religiosos das sociedades. Com a terraplanagem conseguida, leva-se o projecto até ao fim sem resistência possível.
Mas tudo passo a passo, para não espantar a caça.

muja disse...

Monts - qui?!

Ahahahah!

Ainda estamos a pagar as favazinhas delirantes desses Montesquieus e outros Lockes.

Ah e tal separamos aqui os poderes e nunca mais há tirania... Pois não, não. Nenhuma. Nenhuminha! Zero. Nunca mais ninguém a viu!

Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é tolo, ou não tem arte.

Tolos não me parecem; e se não têm arte, não deixam de ser uns belos artistas...

Separem os poderes, mas deixem a melhor parte para eles.

A corrupção larvar em Portugal