quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Toda a gente sabe do que se trata, menos o jornalista...

 Esta notícia do Observador tem a ver com ciganos. Pois nem uma única vez aparece a palavra. Isto é que é fascismo: o medo de reportar a realidade que todos conhecem por causa da perseguição do politicamente correcto. Medo, puro e simples, fascismo, portanto.

Observador:

O Centro Hospitalar de São João (CHSJ), no Porto, abriu um inquérito interno para esclarecer “todas as circunstâncias” da agressão “selvática” a quatro profissionais do Serviço de Urgência, registada na noite de terça-feira, anunciou esta quarta-feira o conselho de administração. O caso foi também participado ao Ministério Público pela PSP.

O caso registou-se pouco depois das 23h00 de terça-feira e relaciona-se com a entrada de um doente que se fazia acompanhar por “um número indeterminado” de pessoas. Na sequência de uma alegada demora de atendimento do doente, foram agredidos dois enfermeiros, um auxiliar e um segurança. Segundo fonte da PSP, um dos enfermeiros necessitou de ficar internado.

O CHSJ diz que o doente “foi triado de acordo com os procedimentos normais e cumprindo todos os tempos previstos”. “Repentinamente, o doente e acompanhantes referidos agrediram selvaticamente quatro profissionais do Serviço de Urgência”, acrescenta.

O agente da PSP em serviço no posto policial do hospital tentou fazer detenções e chegou mesmo a concretizar disparos de intimidação, para o ar, mas não evitou a fuga dos envolvidos, que chegaram mesmo a tentar atropelá-lo. Com a chegada de reforços, a PSP acabou por dispersar os agressores.

Falando à agência Lusa, o oficial de serviço na PSP do Porto contou que cerca de dez pessoas estiveram envolvidas nos desacatos mas só duas foram identificadas: o doente que deu entrada na urgência do hospital e um acompanhante
.

45 comentários:

Unknown disse...

Um "país", que mete nojo :leis de merda , "autoridades" de merda , jornalixo idem e "pulhíticos" que nem merda chegam a ser.
Quanto ao povo ( de que, infelizmente, faço parte ) que permite e aceita este estado de coisas, quem quiser que o adjective.

Disclaimer : sou do tempo em que dois guardas republicanos, por turnos, garantiam a segurança de um concelho ribatejano, a sul do Tejo.
E era o suficiente - mas, e aí é que reside o problema, o Código Penal era outro...

zazie disse...

Pode ter sido uma cena porca de ciganos mas, vou-lhe dizer, na segunda-feira apeteceu-me fazer o mesmo.

E apeteceu-me a mim e a muito mais gente que por lá estava. A Clara Pinto Correia também estava e conseguiu pulseira amarela e em 2 horas despaachou-se.
A minha tia com AVC esteve das 5 da tarde até perto das 11 da noite com pulseira verde e à espera que um médico a visse.

Pasou o resto da noite na urgência e só foi internada e iniciado o tratamento no dia seguinte.

Mais, isto acontece porque a triagem é feita por mongos e quem leva os doentes são mongos pior e cretinos vendidos do 112 que devem ter ordens para mentirem e tudo fazem para nem levar e em os obrigando a levar escrevem patranhas no relatório.

Desta vez, as bestas que levaram escreveram que ela se tinha apenas engasgado e nem febre tinha. E ainda inventaram que se engasgou porque tinha tirado a sonda. Isto quando eu lhes expliquei bem que há 9 meses tirou ela a sonda e nunca mais a usou. E sonda teve apenas 2 semanas em internamento em Maio do ano passado.

Podia contar mais do que já vi em S. José e ou se tem estômago e se pensa primeiro nos seus ou então, se for com os nossos, acho que se pensa, como eu já pensei (e avancei tirando o anel da mão) para dar a murraça a quem a precisava de levar.

Sendo que também há gente excelente e é mesmo nos hospitais que se pode perceber como o ser humano tanto pode ter do melhor como do pior.

zazie disse...

Posso acrescentar que a Saúde 24 está mesmo vendida ao ministério da Saúde e agora tudo fazem para que ninguém vá para o hospital.

Dantes inventavam que até tinham ligação directa e a ficha chegava lá primeiro, quando isso era patranha que tinha acabado há uns anos.

Este ano, em pleno pico da gripe e precisamente quando veio nos jornais que houve coisas loucas de hospitais a abarrotarem, sei o que aconteceu e até na farmácia do meu bairro o confirmaram.

As pessoas ligavam de boa fé para o saúde 24 e os cretinos diziam que iam mandar para o cento de saúde. E isso podia ser no cu de judas, em fim-de-semana, a acamados que teriam de ir de ambulância mesmo com pneumonia, para "serem vistos pelo médico"- como um imbecil me disse.

Isto, sabendo que os centros de saúde não têm sequer enfermeiros ao fim-de-semana e muito menos meios para fazerem a porcaria de uma análise ou uma radiografia.

Eu perguntei ao vendido do Saúde 24 se ele achava que os médicos são feiticeiros. Em chegando lá via e devia fazer uma dança qualquer de tanga para afastar os maus espíritos e estava tudo clinicamente resolvido.

O cretino ainda me disse que não tratavam nem de ambulância e, muito menos, podiam sequer chamar o 112. A pessoa pegava no acamado com pneumonia e pronto- levava a ser visto no cu de judas pelo feiticeiro.

Claro que o feiticeiro não ia depois mandar para o hospital para fazer os exames necessários porque para isso que se vá ao privado e pague o serviço.

zazie disse...

Na farmácia do meu bairro, nesse mesmo fim-de-semana, como estava de serviço, apanharam com pessoas vindas até de Cascais com crianças doentes porque também as tinham mandado ao "médico do centro de saúde" e só depois a outro hospital e sem receita e só a meio da noite é que no D. Estefânia lá repararam que era mesmo caso para medicação urgente e passaram receita para depois irem à procura de farmácia de serviço onde aviar.

Esta trampa está terceiro mundista.

E não a merda de um jornalista que levante o cu da secretária onde copiam notícias de fora e nem traduzir as sabem, que se lembre de ir às urgências fazer uma reportagem.

José Domingos disse...

Tenho vergonha, desta naçãozinha, povoada de labregos, dispostos a venderem a mãe, se tiverem algum lucro com isso.
Tive o azar de passar por Santa Maria e se não fosse a minha esposa, ainda estava no local onde o 112 me deixou.
Vi Médicos fabulosos, a empurrar o turno e os doentes para a frente, alguns com mais de 24 horas de urgência, com ar de desenterrados, vi pessoas com fome, vi diabéticos com ataque por não terem nada para pôr na boca, vi enfermeiros a lutar. Vi médicos na net e enfermeiros também.
Muitos chega a honra, a ética e a consciência do dever cumprido e ainda para fazer o serviço dos outros, que se estão a cag...
São assim os paizecos de terceiro mundo, os labregos ficam embasbacados com as vedetas................

zazie disse...

Também já vi grande parte disso e até vi uma cena de teatro da crueldade:

Um tipo que entrou sozinha na maca, com a cabeça toda aberta e berrar que nem um louco, que se queria ir embora e que se matava.

E a cena continou com ele a espernear, sem ser sequer imobilizado e aquele maralhar dos auxiliares à volta a assistirem.
O tipo dizia que se ia atirar da maca e eles faziam coro e diziam: "então atira-te!então atira-te!

Estavam duas médicas de frente a verem. A coisa continuou e foi aumentado de tom na loucura de toda aquela coisa- mas dentro da legalidade porque sem ser visto por médico nem enfermeiro tem ordens para amarrar ou dar calmante.

E às tantas aconteceu- ouvi um estrondo tremendo e era sangue a saltar por todo o lado. Dois dos auxiliares- uma mulher das barracas tatuada e um grunho, até tiveram de tirar os casacos cheios do sangue da cabeça do tipo que ainda abriou mais o que já tinha.

Isto foi presenciado por enfermeiros e duas médicas. Quando chegou o médico que lhe foi atribúdi, disseram que ele acabou por cair ao "sair da maca" e só vi a seguir já a delirar ser levado a fazer exame à cabeça.

Tudo dentro da lei e no tal país moderno e da "democracia avançada", como lhe chamam.

zazie disse...

E sim- posso confirmar que já apanhei dos médicos a brincarem na net com as pessoas à espera cá fora para a consulta.

E vi porque em entrando fui mesmo espreitar o que estava no computador.

Só que está-se nas mãos deles e os nossos sem defesa ainda mais.

Sendo que posso garantir que também tenho tido a sorte de acabar por apanhar excelente médica- como a miúda que desta vez fez o diagnóstico certo e entendeu as minhas suspeitas (infelizmente estava certa).
Tal como posso dizer que no meio de tanta porcaria que se passa nas urgências, depois pode haver o melhor do mundo num internamento.

E o melhor é também o melhor que os portugueses têm- a afectividade e proximidade humana mais que o "profissionalismo".

zazie disse...

Se tivessem sido enfermeiros pretos a agredir ciganos é que gramava ler como descreviam a cena.

Não existia, claro porque naifada e tiroteio é mesmo hábito com copyright cigano e preto só se arrasta em bando na rua e transportes públicos.
E nem é por tretas de "demora em atendimento familiar" porque isso nem conta e família carregam-na as mulheres.

zazie disse...

A Clara Pinto Correia até confirmei com o segurança que era brasileiro e sabia quem era e me disse que se tinha sentido mal.
Ok. Mas entrou pelo seu pé - vi-a entrar- e saiu pelo seu pé, também a vi sair pelo seu pé e foi para casa.

Porque em indo pelo seu pé e pagando a triagem é feita pelo próprio.
Se não for vedeta, basta ser "actor razoável" e até eu já o fui em Londres, porque o instinto de sobrevivência é coisa bem natural.

O problema são os vendidos com os que já não falam nem se podem defender e ficam totalmente nas mãos da "engrenagem política".

Porque tenho a certeza que é indicação superior.
Metem cá a magote tudo o que vem do cu de judas, com o tal altruísmo patológico e imbecil e depois não há dinheiro e os hospitais não funcionam. Em S. José até já cortaram no alcool que tinham nos corredores para se desinfectar as mãos.

As macas estavam de tal modo a monte nas enfermarias (para depois não aparecerem fotos com os doentes acamados cá fora) que nem as portas abriam e nem na urgência se conseguia entrar.

Tinham de tirar umas cá para fora para poderem enfiar outros. E fecham as portas e não deixam entrar um único acompanhante.

E em internamentos estais acabaram as almofadas. Só uma e com sorte. O resto leva-se de casa, se houver quem acompanhe.

joserui disse...

Isto está bom é para os ciganos. Vivem à margem da parca lei e ainda lhes pagamos por cima, senão quem faz a revolução são eles. Não há racaille que eu grame menos. Eu já aqui tinha vaticinado que o Observador ia ser outro pasquim Público. Já não deve faltar muito.

joserui disse...

De resto, o que a Zazie conta é triste, mas não se pode partir para a pancadaria… quer dizer, não se deve pelo menos. Senão é um perpetuar. Eu também não queria estar no lugar desse pessoal, principalmente dos enfermeiros… e não estou, fiz por isso. Se eles não querem lá estar que saiam e arranjem outro emprego. Pessoalmente preferia ser trolha (e ganham bem os sacanitas!).
Mas também já assisti a cena de completa insensibilidade no hospital. Quem lá trabalha aparentemente está num estado de guerra em modo de combate. E às vezes apanha dos ciganos.
Hoje a minha mulher telefonou pela primeira vez para o tal 24… mandaram-na para o centro de saúde. Chegou lá às 15h, disseram-lhe que seria atendida lá para as 19h… veio embora. O meu lema é que se é para morrer, mais vale morrer em casa!

joserui disse...

Zazie, temos aqui um caso que é a prova viva e provada que o Homem não saiu das árvores há muito tempo… julgo que se impõe a revisão da vossa teoria da evolução das espécies :) .

joserui disse...

Diz que aqui no bairro do cerco, a ciganada não se mete com os cabo-verdianos… parece que volta e meia levam na boca. Não consta que saia notícia no jornal.

Anjo disse...

Posso sugerir esta leitura?


https://digitalminds2016.wordpress.com/2017/12/12/portuguese-edition-of-the-digital-mind-published-by-ist-press/

https://mitpress.mit.edu/books/digital-mind

É também sobre a questão da mente e de como um cérebro produz consciência.

O Joserui é capaz de conhecer o académico. Ainda não li a obra toda, comecei apenas, mas sei ao que vai.

jkt disse...

ja vi pior zazie
nem digo porque nem me apetece
nao gosto de ciganos ( ! )
mas tem a mesma dignidade
entre morrer um cigano e um "nao cigano" morre sempre o cigano
entre "doutor" "rico" e pobre vai logo o pobre de vela ( nem é digno do gasoleo para transferencia para outro hospital)
entre facebook e pobres\ciganos\bebados\doença mental ---- prevalece o facebook

nos tribunais faz-se o mesmo

só que com mais estilo!

Floribundus disse...

aqui há vários problemas
cativações: o ad alberto anda fugido
a falta de civismo
a 'mollis lex' com
juizes à compra
...

Floribundus disse...

consta que para colmatar falhas na xuxiedade

vão fazer doutoramentos a partir do 1º ano de escolaridade

a literacia de antónio das mortes serve de modelo

zazie disse...

Escrevi tudo à pressa e cansada, aquele "a" lá em cima, claro que é um há do verbo haver.

Não há jorlalista que levante o cu da secretária e faça uma reportagem nas urgências.

Esta é a frase. Não venha aí o catador de erros a desconsiderar de cátedra.

O resto parece-me secundário. Até o politicamente correcto, neste caso, é secundário. Porque o grande caso é mesmo o estado em que se encontra o SNS e o que se passa nas urgências.

E a ignorância com e bestialidade daqueles que agora fazem o trabalho que dantes era feito pelos enfermeiros e que agora é feito pelo tal pessoal que só pela bata se distingue do da limpeza.

A coisa aplica-se para cima.
Não é prova de evolução darwiniana- é de regressão das espécies.

zazie disse...

jornalista. Está difícil, o raio da frase atacada por gralhas.

Também não se trata de luta de classes. Qualquer drogado tem atendimento até prioritário e leva receita e até ajuda monetária para poder continuar a manter o vício- que agora foi promovido a doença.

Com os velhos, sim. É outra coisa- é a tal eutanásia que ainda falta porque a ilegal não chega para as necessidades.

josé disse...

Estuporaram tudo: o ensino, a saúde e até a justiça.

O PS é sempre assim: em tudo o que toca estraga. É atávico e há uma razão: incompetência.

A gente do PS é do mais rasca que há. Foram sempre rascas e continuarão a ser.

Vejam o caso do Vieira da Silva. Rasca mais rasca não há. Ferro Rodrigues, idem aspas.

O decano da rasquice era o velho Soares, tido como um génio da política, mas apenas pelo jornalismo do frete que o tipo bem conhecia.

Persoagem central nesta rasquice generalizada: Balsemão.

Vejam o que se passa no caso Fizz em que cada dia são revelações de rasquices cada vez piores. E vão continuar.

josé disse...

Parece mesmo que a competência e a seriedade meteram férias prolongadas em Portugal, há décadas.

Rui Grácio, na Educação foi o primeiro...

zazie disse...

Os bêbados já os vi a tomarem galão e também bem tratados. Alguns até os conheço de vista e costumam lá estar.

Acamado e velho ou ataque de loucura é outra coisa.
A loucura mete medo a quem não está muito seguro da sua própria sanidade.
O tipo que se rebentou no chão com todo aquele maralhal a provocar para que isso acontecesse, nem era um bêbado. Era um sujeito com 40 e tantos ou mesmo 50 e até reparei que tinha unha comprida como os fadistas.

Mas estava sozinho.

E agora, como nem deixam entrar, os médicos em sendo atribuído o paciente, depois daquelas horas todas, apenas têm o tal relatório mongo das bestas do 112 e das iguais bestas quadradas da triagem- e falam com surdos e até com quem teve AVC e perguntam-lhes se lhes doi alguma coisa.
Se o acompanhante seguir as regras é isto que vai acontecer lá dentro.

Eu não segui. Consegui ainda entrar- já depois da médica estar para lá sem perceber nada e o putedo da enfermangem a travar-me a entrada na porta, dizendo para aguardar lá fora.

E a médica, disse depois que andava à minha procura...

É assim. Enquanto não colocarem médicos nas triagens a coisa vai ser cada vez pior.

Digo médicos, porque os enfermeiros já são analfas promovidos a médicos e os tais para-não-sei-quantos são pessoal mongo que dantes cavava batatas.

josé disse...

Como a rasquice não tem fim, agora vão ser os doutoramentos no Politécnico.

Parece de propósito para estuporar ainda mais o ensino.

Por um lado vamos ter doutores a esmo. Por outro, cada vez mais burros.

É assim, o PS.

zazie disse...

Pode crer, José. A bestialidade de esquerda é monga e tomou conta disto.

E destruiu tudo o que poderia ser competência e vai destruir o que falta.

E andam a toque das bestas sindicais. Tudo com diminuição de horário. E depois dizem que falta contratar mais gente.

josé disse...

"Enquanto não colocarem médicos nas triagens a coisa vai ser cada vez pior."

Os médicos são a pior classe profissional em termos de competência adequada á função. Desumanizam-se muito cedo porque geralmente foram uns marrões/marronas que só querem o penacho e o emprego.

De resto não querem trabalhar e a triagem é muito cansativa...

josé disse...

Prefiro um trolha porque é necessariamente competente: a obra fica à vista.

Os médicos matam e o sistema de justiça acaba por os proteger porque nem investigam como deve ser. Entretam tudo a "peritagens" feitas por outros médicos. Estou a falar dos magistrados do MºPº que investigam casos de negligência médica.

É muito raro haver condenações porque se safam sempre por esse método.

josé disse...

E até parece que com esta série de comentários estou a ser amargo. Não me parece: apenas realista e aquém da realidade total.

josé disse...

Esta canalha do PS estragou tudo o que toca e ganha sempre porque quem vota neles são os "pobrezinhos", cada vez mais e cada vez mais ressabiados que acham que a culpa é do Passos e da "direita".

Este discurso não tem alternativa e os tipos comem tudo. E não deixam nada, para quem vier.

zazie disse...

Pois é, José.

Também prefiro a competência de um trolha.

Mas é nas mãos destes trolhas de bata branca que ficamos. E os trolhas de bata branca têm o estatuto mais sagrado que o jacobinismo inventou.

Avaliam tudo. Decretam tudo. É deles a última palavra- até a moral.

Floribundus disse...

trabalhar na indústria
foi o meu melhor tempo

dentro de 1 mês completo 87
apesar de 4 erros médicos graves
cada vez mais deuses do ó limpo

quando vejo entrevistas de politicos de esquerda
recordo uma expressão latina

'não me perguntes nada, para não te mentir'

Anjo disse...

Com a nossa mãe, entramos nas urgências ou eu ou o meu irmão! Não há quem nos impeça! E o que temos descoberto é fenomenal: quase já dei um sopapo numa médica dos PALOP (onde é que os vão buscar?) que disse que 19 de tensão arterial não era alto.

Isto está entregue aos bichos. Os ciganos até fazem bem em ir em família. Têm-lhes mais respeito.

Existem empresas de contratação a colocar pessoal nas urgências. Quem vão contratar na periferia de Lisboa, pelo menos? PALOPs... daqueles que frequentaram as nossas universidades ao abrigo de quotas para a cooperação. Entravam com qualquer nota em Medicina e saíam com qualquer arremedo de curso. Sabem ZERO!! Até um raios X vejo eu melhor...

Isto está acabado, acabadinho da silva... é pra morrer tudo. OS filhos de p. do PS, quando precisam, vão para os privados. Não consta que Soares, o Grande (bandido) nem a Maria dele tenham estado nos hospitais públicos quando adoeceram.

A ralé merece isto tudo. E há-de merecer mais.

joserui disse...

Anjo, muito interessante, obrigado — não conhecia. O mal é que eu acho muita coisa interessante e tendo mudado de casa na última Quinta, estou aqui um bocado aflito com a quantidade de coisas que achei interessantes nos últimos, vá lá, 25 anos… e não tenho o arquivo do José.

joserui disse...

De resto está praticamente tudo dito! Eu tenho médicos na família e desde o 25A, além dos politiqueiros e advogados disto tudo, ninguém deve ter crescido mais. Essa é a realidade. O lobby da medicina funcionou bem. Há alguns que não serviam para porteiros do centro de saúde.
Quanto ao embrutecimento, se calhar faz parte da profissão… é só miséria nos hospitais. Não acho assim muito fácil, é um facto. O pior é levar com eles em caso de absoluta necessidade. Nos privados o que é preciso é vender material, como nas oficinas de automóveis.
Onde eu vejo que o inaceitável já tomou conta da medicina nem é nos casos complexos, é nos simples como os nascimentos. Uma coisa que é supostamente natural, agora é por marcação. Se a senhora doutora quiser ir de férias, marca-se o parto de acordo.

jkt disse...

"Enquanto não colocarem médicos nas triagens a coisa vai ser cada vez pior."

Os médicos são a pior classe profissional em termos de competência adequada á função. Desumanizam-se muito cedo porque geralmente foram uns marrões/marronas que só querem o penacho e o emprego.

De resto não querem trabalhar e a triagem é muito cansativa...

~~ É verdade. Mas juízes/procuradores é assim também. Policias e por aí vai.
~~ Estudar e emprego.

joserui disse...

Mas também há coisas que pessoalmente não entendo, embora possa existir razão: No Verão, uma das minhas amigas professoras passou na casa em obras com o filho mais novo, que infelizmente é um puto ranhoso que só faz merda. Também estavam os meus cães que se portam infinitamente melhor… Ao irmos embora, estou eu a fechar a porta e o puto ranhoso ao meu lado resolve atirar um pau para os cães irem buscar. E para onde atira? Para a minha cabeça! Só à chapada. Claro que começo logo a sentir um líquido viscoso nos olhos. Rachou-me a pinha!
Enfim, fui ao centro de saúde para me coserem e aquilo não era nada, dois pontos. À espera perguntei à enfermeira se me ia coser e diz que não. Que teria de ser o senhor doutor. O senhor doutor? Que senhor doutor? Para dar dois pontos? Ah, sim, coser é um acto médico. Ou seja, estes casos nada graves, não atravancam outras situações onde seja necessário de facto um médico? Dessas, se calhar fogem.

jkt disse...

Vê-se muito no interior [que já não devem pegar num livro desde os tempos da formação].

jkt disse...

O problema é mesmo da segurança que a FP dá [trabalham os burros do privados pawra sustentar]. É o sonho de todo o português. Seja para cantoneiro, médico ou juiz.
Depois dá nisto.

jkt disse...

Veja-se por ex. também nas prisões. Os guardas sempre em protesto e a inventarem regras para não fazerem nenhum.
O MP "só anda para a frente" com a papinha toda feita.
OPcs igual.
Delegados de saúde que desconhecem as suas competências (e as leis básicas da função).
Médicos já do outro tempo que não sabem interpretar umas análises.
Juizes que coagem os ofendidos em processo crime a desistirem da queixa e dizem logo -- antes do julgamento "não o vou condenar, por isto só está a perder tempo":

Vários exemplos. Estava aqui o dia todo.

jkt disse...

90% dos FPs pensam que estão a fazer favores aos utentes.
Sim, favores.
Qualquer cidadão é melhor tratado numa loja do chines a comprar uma chave de fenda de .50 centimos do que em qualquer repartição\tribunal\hospital, etc.

joserui disse...

"90% dos FPs pensam que estão a fazer favores aos utentes."
Mas isso é transversal à sociedade. Na actividade económica pura e simples — na Meo e Nos, fazem o favor de nos meter tv em casa, aquela porca miséria; a EDP faz o favor de fornecer energia; agora os CTT fazem o favor de nos atender (alguém já se deu conta do abastardamento do serviço ultimamente?); a Prosegur faz-me o favor de fazer de conta que coloca segurança em casa; nas finanças estão lá a fazer o favor de nos sacar o dinheiro; até em muitas lojas já começam a fazer o favor de atender essa incomodação que são os clientes; os professores fazem o favor de ir ensinando; os trolhas, electricistas, picheleiros, fazem o favor de fazer uns biscates e se não gostar há mais quem queira; nos bancos fazem o favor de nos aturar, porque o dinheiro não chega para o ar condicionado; as seguradoras, fazem o favor de fazer de conta que está tudo coberto; o estado que temos faz o favor de nos permitir ir vivendo.
Toda a gente anda a fazer favores neste país, queria diferente na saúde? Não há quem tenha um pequeno problema que não se transforme num grande problema. A saúde é diferente porque daqui ninguém sai vivo.
Este país é um fastio de cima a baixo. É uma chatice ter de trabalhar para receber um magro salário!

Floribundus disse...

durante 5 anos fui gestor de marketing numa multinacional farmacêutica gringa

não tenho coragem de escrever sobre o que vi e ouvi

ninguém me acreditava

Anónimo disse...

O que se escreve a propósito de um poste que pretende ressaltar o facto de a imprensa não dizer que foram os ciganos que estiveram envolvidos.
Sim todos sabemos que pelo contexto da "coisa" seriam os ciganos a "agitar" a calma do Serviços de Urgência daquele hospital.
isso é truncar a notícia.
Claro toda a gente tem uma opinião sobre o que acontece nas urgência e todos tÊm a sua lei sobre o funcionamento da coisa. Graças a todos por tão brilhantes ideias...
Agora, estou para saber o que verdadeiramente aconteceu...Os ciganos não desatam à pancada porque lhes apetece...
Andam todos a atiram para o ar umas postas de pescada, sobretudo a dita imprensa.
Poucos saberão o que despoletou a pancadaria.
Em inquérito todos vão tentar mentir.
Haja pachorra.

josé disse...

A questão não é criticar os ciganos. É saber que foram ciganos... e a notícia não o diz. A razão não é anódina, mas sim derivada do medo de serem acusados de racismo.E esse medo é fascista.

Anónimo disse...

José,

Certo. O meu comentário é dirigido a alguns dos comentários.
o seu texto está bem claro nos propósitos que acaba de clarificar ainda mais.
Se todos sabemos que foram ciganos porque ter medo de o escrever?
Sim esse medo fundado na eventual acusação de recismo é uma trampa facista, sim.

Dulce Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Corrigan, o Agente Secreto X-9