segunda-feira, 23 de julho de 2018

PPP: se for assim, qualquer um pode assinar...

CM de hoje, antes de férias:


Quem é que pode recusar uma poupança de 11 mil milhões nas contas públicas? Só um tolo. Daí que o velho ditado da esmola grande de que o pobre desconfia se aplique com propriedade.

Por outro lado alguns dos subscritores sabem de outras coisas mas de economia macro julgo que não. E ainda aparece o cromo do lateiro Vasco Lourenço, o eterno capitão de Abril. Sinal para desconfiar a dobrar. E triplicar se lhe juntarmos Ana Gomes.

Quem fez as contas, às tantas, deve seguir regras muito próximas destas, mostradas pelo Expresso de Sábado:


Tout va bien, madame la marquise...até acabar tudo num estouro.  Estas pessoas servem para quê, afinal? Para fazer de conta que conferem sinais de confiança à economia?
No fim, quando tudo corre mal há sempre desculpas esfarrapadas e negações do próprio princípio. Em cada intervenção que fazem deveriam rotular os prognósticos ou as análises com um caveat assinalado a vermelho fosforescente: cuidado que estes dados matemáticos podem enganar e provavelmente enganam.

Toda a gente ficaria a aperceber que são apenas uns prestidigitadores de números, uns malabaristas da contabilidade e uns falsários, no fim de contas.

Com um acrescento: alguns percebem tanto do assunto como eu de porcas parideiras. Costumava vê-las cheias mas ainda nem sabia como tal acontecia e depois via-as com os  bácoros todos a mamar na mãe refastelada no chiqueiro.

A imagem sugere alguma coisa? Talvez: para além do cheiro óbvio a porcaria, um livro de Orwell, Animal Farm.

Sem comentários:

O juiz que os incomoda