domingo, 26 de agosto de 2018

A Universidade de Coimbra já não conta...

Foi notícia há uns dias mas merece repescagem: a Universidade de Coimbra deixou de estar entre as 500 melhores do mundo.

Uma das explicações para o afundamento na mediocridade pode muito bem ser este, exposto na caixa de comentários deste blog por um pseudónimo Kissol:

"Não por acaso a Universidade de Coimbra está já fora da lista das melhores do mundo...

Tal qual o Reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva, que - do alto da sua Cátedra - decretou: “Não sei porque é que a máquina que substituiu as pessoas na portagem da autoestrada não paga taxa social única. Acho que devia pagar”. [«movimento Ludita – um movimento operário que em 1812, na Inglaterra se dedicava ao assalto de fábricas para destruição das máquinas»]

• Os Catedráticos de Catedratices dominam as Academias; vejam-se os Boaventura Sousa Santos (c/ o seu C.E.S de Coimbra c/ o seu séquito, onde já o Carvalho da Silva da CGTP logrou uma Sinecura…)

• Esta Douta Classe foi bem identificada pelo Nassim Nicholas Taleb como os «IYI – Intellectual Yet Idiot»: «classe de semi-intelectuais paternalistas com um grau académico de uma grande Universidade [Ivy league, Oxford-Cambridge], ou outra educação de marca, que dizem a todos nós: 1) o que fazer; 2) o que comer; 3) como falar; 4) como pensar… e 5) em quem votar.»
• Igualmente bem definidos por um publicista brasileiro: «O ‘imbecil colectivo’ é uma comunidade de pessoas de inteligência normal ou superior que se reúnem com o propósito de imbecilizarem-se umas às outras."
Quem tentou uma aproximação crítica idêntica foi o falecido Tom Wolf ao escrever sobre os "Three Stooges", no caso na área das Letras.  
Em Direito a UC merecia outro estudo porque parece ainda conservar pergaminhos e tradição de grande qualidade. 
Nas Ciências Sociais é porém um espelho dessa miséria e o mentor é o professor Bonaventura de Barcouço. Um provinciano do terceiro mundo.

Sem comentários:

Desta vez é "crime violento"...