Páginas

terça-feira, 22 de Julho de 2014

As universidades do marcelismo

 Jaime Nogueira Pinto, no livro que escreveu entre Fevereiro e Novembro de 1975 ( "Portugal- os anos do fim") e cuja primeira edição saiu em 1976, na Verbo ( a edição recente saiu agora, na d.quixote e tem uma II parte que não vi na primeira edição) traça um retrato a pastel do que foi a Universidade no tempo em que Marcello Caetano entregou a reforma do Ensino a Veiga Simão.
JNP acha que esta reforma foi um retrocesso em relação às universidades salazaristas e potenciou o que se veio a reflectir das "lutas estudantis" que posteriormente abriram caminho à esquerda que apareceu de repente logo nos dias seguintes ao 25 de Abril de 1974.


 Na nota de rodapé da página 292 fala-se no reitor da Universidade de Coimbra, Gouveia Monteiro, um "compõe" que abriu caminho para que todas as esquerdas dominassem o meio universitário. 

Na revista Flama de 20 de Março de 1970 foi publicada uma entrevista em este reitor, aquando da sua noemação pelo Governo de então e Veiga Simão em particular. Seriam estes os novos "ventos da História" e que agora ninguém conta, porque fazem a amálgama conveniente com o "fassismo"?  Este fenómeno que ocorria nas Universidades no tempo de Marcello Caetano, não era nem podia ser reflexo de qualquer fascismo. Então porque continua a mistificação?

Por outro lado, o que se pode ler só pode dar razão a Jaime Nogueira Pinto...


Vade retro, VPV!

Vasco Pulido Valente escreveu no Domingo passado, numa das suas crónicas no jornal Público que "como é óbvio, Salazar não roubava, deixava roubar".
Esta ignomínia vinda de um escrito assim tão jacobino carece de denúncia.
Como é que Salazar veio, de uma prestigiada cátedra teórica de Coimbra, para uma aventura incerta em Lisboa, na cátedra da governação das Finanaçs Públicas?

Há respostas que já foram dadas e esta,  a anti-jacobina por excelência,  é uma delas:

 "THE FINANCIAL COLLAPSE AND THE APPEAL TO SALAZAR. One fly in the ointment remained, however: the catastrophic financial situation left by the former regime, which the new government had not succeeded in correcting. Carmona then requested a loan from the League of Nations. This was granted, but on the condition that one of the League’s liaison agents would have a permanent seat in Lisbon and control Portuguese economic policy. Having refused this unacceptable clause, General Carmona saw only one solution: to appeal to the only man who seemed capable of saving the country from the financial debacle. Thus, on April 28, 1928, Oliveira Salazar entered the government as Minister of Finance, now assuming the heaviest responsibility for the destiny of his country. The event was as important, if not more important, than the uprising of May 28, 1926.
A “POLITICAL MIRACLE”? «Of all the states of Europe (said Bainville) Portugal is certainly the one which for thirty years has shown signs of the most tenacious anarchy.»6 Yet after 1928, it was to become the most stable country in all of Europe: General Carmona remained President of the Republic until his death in 1951, and Salazar directed the government until 1968!
After a century and a half of Masonic domination, and sixteen years of atheistic and antichristian revolution, for forty years Portugal would be governed by the most Catholic of all the heads of State of his time.7 In this astonishing double contrast, is there not a sort of “political miracle”? Without entering into useless controversies, we can say at least that the immense majority of the Portuguese people believed just that. The bishops also were unanimous in this opinion – an anti-Salazar bishop could not be found until 1958! – and Pope Pius XII himself concurred with the Portuguese people and their bishops. They all recognized in Salazar the “man of Providence” granted by God to Portugal for its national salvation. This is a fact of history. There are superabundant texts to prove it, and to be convinced it suffices to refer to the works of the best informed Fatima historians.8

SALAZAR: FOR GOD AND COUNTRY
“The man of providence”? Salazar was just that, first of all in the sense that he did not seize power through demagoguery or political intrigues. On the contrary, he was called to power by the head of State because his rare qualities – his unequalled competence in economic matters, his fundamental honesty, his obvious lack of interest in power for its own sake – made him indispensable for the recovery of the nation.
Now this man, who was the only one capable of saving the country in this critical hour, was first of all a devoted son of Holy Church, to whom he recognized that he owed everything he was. And if he accepted power because he was called to it, he had resolved also to put into practice, with prudence but also with tenacity, a social and political program which was completely Catholic in its inspiration.
For a man as sincerely and publicly Catholic as Salazar, both in his moral life and in his intimate convictions, to be able to rise to power and maintain it, in a country which only yesterday had been given over to the fiercest anticlericalism – and this without either armed struggle or bloodshed – was it the result of a prodigy? Or simply the wise designs of Providence, which in admirable fashion had prepared him for this role?
AT THE SERVICE OF THE CHURCH. Antonio de Oliveira Salazar was born in 1889 in the village of Vimieiro in the north of Coimbra, in a region still very much imbued by Catholicism. He came entirely from peasant stock. His family lived in poverty. Young Antonio had an unlimited affection and admiration for his mother. At the age of eleven, he entered the seminary of Viseu. He was a hard-working boy, intelligent and pious. He was quickly chosen as president of the Congregation of Our Lady, which encompassed the elite of the seminary. In 1905, he began his studies in theology. Saint Thomas fascinated him and left a profound mark on him. In June of 1908 he received minor orders. He was only nineteen; he had to wait before he could be ordained a priest...
Three months later, however, he changed orientation and decided not to become a priest. Let us make it clear that this sudden defection, which came before any definitive engagement, in itself was in no way dishonourable; and in Salazar’s case, the motives which undoubtedly inspired it – the fear of being a burden to his parents several more years, or more profoundly, the absence of sufficiently clear certitude of the divine call, and the feeling of being unworthy of such a high vocation – do not permit us to minimize in any way his high moral qualities. The whole remainder of his life would furnish the proof of that. With an immense gratitude for his masters in the seminary, he always kept a lively and firm faith never shaken by doubt, moral integrity, and a discreet piety, free of all ostentation but very profound. He always remained faithful to the practice of daily Mass. «He leads the life of a monk», Cardinal Cerejeira said of him.
IN THE SERVICE OF HIS COUNTRY. At the college of Viseu, where he taught while he was still a student, he became enamoured of education. In this way he believed that he would be the most useful to his country and the Church. In a conference he gave in 1909, he reveals to us his ideal of that time: «We hear it said all the time... that Portugal is in decadence, that we are on the verge of national annihilation. Everybody speaks of disasters. We encounter too many Jeremiahs in this country, wailing for the old days. And notice, gentlemen, that these Jeremiahs wail enough. They wail too much, and do not work enough.»9
In 1910, he entered the University of Coimbra, where he studied law and economic sciences. He worked so hard and scored such dazzling successes in all his exams that he was given the chair of economic policy even before he had completed his doctorate.
During these years of study, he formed a very close friendship with a young priest his age who like him was studying at the University, Manuel Gonçalves Cerejeira.10 Together they fought for the CDAC, the “Academic Centre for Christian Democracy”. As Salazar later explained, the only democratic thing about it was the name, chosen in 1901 after the encyclical Graves de Communi of Pope Leo XIII. In fact, the CDAC was founded to oppose the antichristian propaganda of the masonic Republic. Of all the nationalist leaning organizations, it was the most specifically Catholic. Without giving a specific political solution for the future, the movement tended to spread among the youths the social ideas of La Tour du Pin and the encyclicals of Leo XIII.11
Soon, Salazar and Father Cerejeira, who had both become professors at the University, became leaders of the CDAC, which was then transformed into a “Catholic Centre”. In 1921, Salazar was urged to take part in the elections. He was elected. But the proceedings in Parliament so disgusted him that, after taking part in the first session, he took the train back to Coimbra the same evening. From there he sent in his resignation.
In 1926, after the coup d’état of May 28, his reputation as an excellent economist resulted in his being called to collaborate in the new government. But since he was not given strict control over all the expenses of the State – a condition he had demanded because it was the only workable remedy for the financial disorder – he returned to his life as a simple professor, until the moment when the situation became so serious that once again the government requested his help.
“THE MINISTRY OF GOD FOR THE COMMON GOOD”. When the minister Duarte Pacheco came to Coimbra to persuade him to accept the office of Minister of Finance, far from welcoming this offer with enthusiasm, Salazar hesitated. Would the situation really allow him to be useful to the country? He put off the decision until the next day. His biographer describes what happened next:
«He wanted beforehand to take counsel of his well-informed friends. Cerejeira (the two still lived in the same apartment at Rua dos Grilos) was the first to be told, and he was decidedly in favour of accepting. In his heart of hearts Salazar still resisted. His great modesty made him afraid of such a promotion. Then he sent for a religious saint, Father Mateo Crawley-Boevey, the ardent apostle of enthronement of the Sacred Heart, who was then at Coimbra, and would occasionally visit the two professors at Rua dos Grilos. Father Mateo was categorical; he strongly maintained that duty required Salazar to say yes.
«That night Salazar spent several hours in prayer before the tabernacle, in a private chapel. At dawn Father Mateo celebrated Mass for this intention. Salazar himself served and received communion. After his thanksgiving, his hesitations disappeared: “It is my duty to accept!”»12
Since then we know the deeper reason that inspired his decision. On July 4, 1924, in his great discourse to the Eucharistic Congress at Braga, he had expressed this magnificent formula to define the Christian vision of political power: «Not to aspire to power as though it were a right, but to accept it and exercise it as a duty; to consider the State as the ministry of God for the common good...»
Salazar then went to Lisbon. Since all his conditions had been accepted, he entered office on April 28, 1928."

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

Um MES dos pobrezinhos

Económico:

Depois de abandonar o Bloco de Esquerda por discordâncias com o partido, Ana Drago junta-se a Daniel Oliveira na Associação Fórum Manifesto, no seguimento da corrente fundadora Política XXI do BE de que faziam parte. O primeiro evento é já na quarta-feira e tem como mote o "momento de urgência" que o país vive.

Dizem os promotores, num comunicado enviado às redacções, que esse momento "exige a construção de um programa que impeça o desmantelamento do Estado Social e de uma plataforma política disposta a participar na governação".

Além de Ana Drago e Daniel Oliveira, estarão no evento da Casa da Imprensa, às 18h, Filipa Vala, bióloga, José Reis, professor universitário em Coimbra e participante no Congresso Democrático das Alternativas, e Ricardo Paes Mamede, professor universitário em Lisboa e promotor do Manifesto 3D.


Estas duas figuras do antigo BE querem tacho político em modo governativo. Cheiram o poder de ilusão que se irá criar novamente no país nos meses que virão e acalentam esperança de um ministério da Coltura ou coisa que o valha.  Como ainda não valem nada eleitoralmente, ninguém lhes vai dar nada politicamente. É a vida.

António Costa do PS, o poder da ilusão e as bancarrotas

Do Observador:

A entrevista de António Costa ao Púbico é muito preocupante. O provável candidato socialista a primeiro-ministro, a acreditar nas sondagens, não entende o que se passou em Portugal desde 2011. Segundo o candidato socialista, as políticas de austeridade foram o resultado da “ideologia liberal da direita” que está no poder e da subordinação da política à “tecnocracia”. Infelizmente, os entrevistadores não tiveram a lucidez de apontar a evidente contradição entre as duas afirmações. Os entrevistadores também nunca perguntaram quais foram, para Costa, as causas da crise, por isso não sabemos o que pensa sobre isso. Só sabemos que não pensa “o mesmo que a direita pensa”. E para o futuro, Costa afirma “que é preciso um outro caminho e bem diferente”. Ora, quando o comum dos leitores julgaria que a pergunta seguinte seria, ‘muito bem, então qual será esse caminho?’, os entrevistadores, mais uma vez, aceitaram uma resposta (e que resposta) sem qualquer escrutínio.

Aliás, não é fácil recordar-me de uma entrevista tão simpática para um político como esta. Vejam a pergunta que se seguiu, à tal afirmação cuja clarificação seria fundamental para os portugueses: “as legislativas devem ser antecipadas, até por causa do orçamento do Estado?” Em vez de querer saber o que Costa faria de diferente do actual governo, o que os entrevistadores querem saber é se Costa pretende eleições antecipadas...

(...)
No fundo, a realidade é muito simples, mesmo que seja dolorosa e dura. O Estado social necessita do financiamento dos mercados e estes só financiam a juris aceitáveis se os governos fizerem reformas e cortes. Claro que estamos perante um problema político muito complicado, sobretudo quando se fizeram promessas e criaram expectativas durante décadas, que agora não podem ser cumpridas, e quando não se disse a verdade às populações atempadamente, e foi necessária a bancarrota para lhes impor a realidade de um modo brutal. Acusar o actual governo e o PM por tudo isto constitui uma dos maiores exercícios de demagogia e de irresponsabilidade da história recente de Portugal.

António Costa e a maioria do PS recusam-se a aceitar a realidade, como ficou mais uma vez demonstrado com a entrevista ao Público. Se António Costa for eleito líder do PS e os socialistas ganharem as eleições em 2015, menos de um ano depois teremos um novo programa de resgate e a “troika” de volta a Portugal. Compete ao PSD e ao CDS, juntos ou separados, explicarem isto aos portugueses.


Porque será que os socialistas sempre tiveram  estas ideias de demarcação entre uma esquerda mítica e uma direita ainda mais elusiva, se afinal PS e PSD e ainda o CDS,  estão condenados a praticar a mesma política económica, como se demonstra de há quarenta anos a esta parte?

Há alternativa ao capitalismo tal como o conhecemos? Não e é o PS quem sempre o confirmou. Então porque surgem nestas alturas eleitorais as velhas ideias falsalmente dicotómicas entre uma esquerda que se afirma num ideia e que pratica sempre a sua frustração, e uma direita mítificada que pratica a mesma política?
Evidentemente que a razão é simples: apelar sempre, na ilusão do costume, para a alma do sentimento de quem é pobre ou remediado no pensamento e que sendo maioria pode conceder vitórias folgadas e absolutas no exercício eleitoral.

Esta bandeira ideológica sem ideias teóricas tem conseguido sempre bons resultados e em equipas que ganham, não se mexe...e como Portugal está cada vez mais pobre, mais adeptos do socialismo à Costa consegue ter. O acervo de votos que contam são favas contadas e os indecisos conquistam-se neste ilusionismo. O círculo vicioso já começou outra vez e não há ninguém suficientemente eloquente que desmonte esta nova ilusão.
O analfabetismo vigente, objectivamente pior que no tempo de Salazar e que conduziu directamente às "provas" para os professores contratados, em si mesmas o sinal claro do fenómeno, fará o resto.

O resultado de tudo isto? As três bancarrotas que tivemos até agora, em 40 anos de democracia.

domingo, 20 de Julho de 2014

Professores tratados como putos

O Público de hoje traz duas páginas sobre o assunto das "provas aos professores contratados" a realizar na próxima terça-feira e na sequência da já realizada em Dezembro do ano passado.
O artigo fala ainda da reacção dos professores afectados, em protesto contra tal afronta. E justo, a meu ver.

Num artigo assinado por Graça Barbosa Ribeiro dá-se conta da natureza dessa prova que me parece veradeiramente surrealista no contexto em causa.

É ler...


Da leitura extrai-se que a "prova" destinada a avaliação de professores contratados versa sobre várias matérias e não se percebe o alcance da mesma, a não ser para continuar a tratar os professores como mentecaptos que podem ser avaliados mediante testes escritos de sabedoria de almanaque.
À pergunta do título, ou seja o que precisa um professor de saber para dar aulas, só uma resposta será sensata: saber, conhecendo-a bem,  a matéria que ensina e conseguir transmitir a mesma aos alunos. O resto não interessa para nada.
Não são estas provas que o testam nem o seu resultado melhorará o ensino. Pode melhorar os números de funcionários públicos que exercem como professores, agora com contratos assimilados aos "privados", mas não é disso que se trata, pois não?

A propósito da formação de professores, deixo aqui umas imagens de um livro de 1965, uma compilação de pequenos textos, ensaios,  de autores portugueses, coligida por António Sérgio.

Há quase cinquenta anos, em pleno salazarismo,  o ensino não precisava daquelas provas espúrias para testar a qualidade mínima dos seus professores porque estes já o tinham demonstrado antes de iniciarem a actividade...
Gostava de saber se hoje em dia, nas ESE´s que pululam por aí e formam os professores vítimas destas "provas" se ensina algo aparentado com isto...e que constitui um enquadramento fundamental  da nossa cultura secular e livresca.

Caso BES: os obituários

Vasco Pulido Valente escreve na crónica de hoje no Público uma espécie de obituário de Ricardo Salgado, do GES/BES.
"O "dono disto tudo" afinal é um cabeça de vento que sopra apenas para o lado do poder, diz VPV. E, pensando bem na parceria que manteve  com o Inenarrável primeiro-ministro que tivemos, é bem capaz de ter razão.
Lateralmente, a questão sobre a imputação de que " Salazar não roubava, deixava roubar" fica para outra ocasião porque esta noção de "roubar" é digna de análise.




Revista Sábado de 20 de Maio de 2005.

 Por outro lado, José Manuel Fernandes, no Observador, traçou um esquisso sobre o modo de funcionamento do GES/BES em que ressalta a comparticipação activa desse primeiro-ministro Inenarrável, no esquema que oritentou o grupo financeiro de Ricardo Salgado, na economia nacional desde 2005.

Um dos paradoxos quando olhamos para os activos do Grupo Espírito Santo é a desproporção entre as suas propriedades palpáveis e a fama do “dono disto tudo”. Para além do BES, e do que o BES tem na PT, por exemplo, a famosa RioForte tem em Portugal apenas a Herdade da Comporta, os negócios na área da Saúde, a cadeia de hóteis Tivoli e mais uns investimentos imobiliários e ainda a Espirito Santo Viagens. Bem sei que há mais investimentos no Brasil e Angola e que as ramificações do Banco ainda chegam a mais países, mas quando olhamos para o portfolio da holding que agrupa as participações não financeiras da família Espírito Santo surge-nos a pergunta inevitável: mas como foi que com isto se acumulou uma dívida estimada em sete mil milhões de euros? E de onde é que vinha afinal o poder do “dono disto tudo”?

Esta pergunta é crucial pois ainda há três ou quatro anos Ricardo Salgado era visto como o homem mais poderoso de Portugal. Mais poderoso do que o primeiro-ministro. Muito mais poderoso do que os empresários que aparecem na lista dos mais ricos. Muitíssimo mais poderoso do que os presidentes dos bancos concorrentes.

Para compreendermos o enorme estoiro do grupo e o maremoto de consequências que aí vem temos de tentar perceber como é que Ricardo Salgado chegou tão alto. E como caiu.

Uma parte da história do grupo nas últimas duas ou três décadas não é substancialmente diferente da história de muitas outras ascensões vertiginosas em Portugal e, sobretudo, no estrangeiro. Algumas dessas histórias acabaram muito mal quando a crise financeira se declarou, e a nossa história do GES só não acabou na mesma altura e da mesma maneira porque o poder dos Espírito Santo não era só financeiro – era também político e cultural.

Comecemos pela forma como o grupo se organizava, com participações em cascata, uma estratégia muito habitual em quem não tem capital e quer dominar grupos muito grandes. Muito esquematicamente, funciona assim: eu tenho, por hipótese, 100% de uma holding familiar, que depois tem uma minoria de controle de 25% numa holding maior, a qual por sua vez tem outra minoria de controle de 40% (por exemplo) noutra holding mais abaixo que por sua vez tem 25% de um banco e, com isso, direito a escolher o seu presidente por acordo com outros accionistas. Fazendo as contas, isto significa que posso chegar a controlar um banco que vale, por hipótese, mil milhões, a partir de um capital inicial de apenas 25 milhões. É a este esquema de participações sucessivas que se chama “participações em cascata”. Não estou a dizer que foi exactamente assim que se organizaram as participações do grupo Espírito Santo, mas o retrato real não há-de ser muito diferente.

Toda cascata de holdings estava, ao mesmo tempo, muito alavancada em dívida. Muitos dos negócios não financeiros em que entretanto a família se foi envolvendo não geravam dinheiro suficiente para controlar de forma equilibrada a dívida, pelo que se ia fazendo mais dívida para suportar a dívida existente. Foi assim que muita empresa estoirou na crise financeira: se não fosse conhecido que o GES tem actividades em vários sectores e em vários países, a queda do grupo assemelhar-se-ia ao estouro de um “esquema de Ponzi”, ou em linguagem mais portuguesa e mais popular, de um “esquema Dona Branca”. É que esta forma de funcionamento, com imprudência e acumulação de negócios ruinosos, sempre com base na crença de que um dia os resultados chegarão e se conseguirá amortizar as dívidas, só funciona se houver entrada permanente de dinheiro fresco capaz de suportar os encargos crescentes.

No caso do Grupo Espírito Santo, a única forma de manter de pé este castelo de cartas foi conseguir alguns negócios de resultados garantidos. À cabeça de todos esses negócios esteve sempre a PT, mas é bom não esquecer também a EDP. Para o conseguir Ricardo Salgado tinha de estar nas boas graças do governos – mais: tinha de ser ao mesmo tempo cúmplice e mandante dos governos. Até porque vivíamos o tempo das “golden share”. Ou seja, é preciso ser mais do que “banqueiro de todos os regimes” para ter chegado a gozar das facilidades de acesso ao poder que Ricardo Salgado tinha, e houve períodos em que isso aconteceu.

A relação de BES e de Ricardo Salgado com a PT, com os governos que também mandaram na PT e com os gestores que foram passando pela PT, é o melhor exemplo de algo que era muito mais do que o respeito do banqueiro pelo regime – era um concubinato em que uns favores pagavam outros favores, em que uma mão limpava a outra e, no fim do dia, tudo acabaria, caso Ricardo Salgado fosse um pouco mais plebeu, com uma palmada nas costas e um “porreiro, pá”.

O pináculo do poder do “dono disto tudo” coincidiu com o pináculo do poder do primeiro-ministro que levou mais longe o despudor neste tipo de relações: José Sócrates. Da tomada de poder no BCP à tentativa de compra da TVI passando pela OPA da Sonae à PT, Sócrates ajudou Salgado e Salgado ajudou Sócrates. Aqui e nas PPP ou nos negócios da energia. Ou na recíproca ajuda do BES ao Estado quando começou o aperto da dívida.

Esta teia de poder tinha muitas ramificações, nomeadamente na comunicação social. Aqui não era preciso sequer ter participações no capital, se bem que as houvesse por empresas amigas, como a Ongoing. Bastava saber que as empresas estavam todas aflitas e que anunciantes como a PT ou a EDP, para não falar do próprio BES, sempre pesaram muito nas receitas de jornais, rádios e televisões. Perdê-los podia ser a falência a prazo, e isso sabia-se em muitas redações.

Quando a crise financeira destapou o sobre-endividamento de todo o grupo, a solução foi a fuga em frente, com apoio político de um governo que estão se endividava até à estratosfera. A ruptura só chegou, nume primeira fase, com o episódio da venda da Vivo, e depois com as descidas do rating da república que deixaram os bancos encostados à parede.

Os últimos anos foram de fuga em frente e de negação da realidade. São os anos em que Ricardo Salgado deixa de ter cúmplices em São Bento e no Banco de Portugal. Os anos em que recusa a ajuda a que recorreram os outros bancos porque sabia que iria ter alguém a olhar para as suas contas por detrás do seu ombro, porventura até com secretária no lendário open space da administração no 15º andar da sede da avenida da Liberdade. Os anos que conduziriam à aflição dos últimos meses, quando para alimentar a pilha de dívida foi necessário começar a emitir papel comercial, a prazos muito curtos.

Houve um tempo em que os investidores comentavam que em Portugal ainda era mais difícil entrar do que em Angola: tudo tinha de passar por Sócrates e Salgado, como se esta aliança entre o poder político e o poder financeiro tivesse constituído uma espécie de medieval “direito de pernada” sobre a economia portuguesa. Mas engana-se quem pensar que as cumplicidades começaram e acabaram nesse tempo. Não é assim e todos nos lembramos como em alguns dos mais polémicos e discutidos negócios das duas últimas décadas apareceu demasiadas vezes alguma empresa do universo Espírito Santo. Estou a lembrar-me, por exemplo, da Escom no caso dos submarinos, ou do polémico abate de sobreiros no caso Portucale.

É por tudo isto que se olha para o que se passou e não se consegue saber se estamos apenas perante o caso da queda de mais um banqueiro, uma queda fragorosa porque era o “dono disto tudo” e, de repente, olha em volta e vê faltarem-lhe os amigos, ou se é mais do que isso, se é o sinal do fim de um regime e dos seus hábitos promíscuos, o fim de um regime fechado, não concorrencial, onde se protegem amigos e os amigos nos protegem a nós, um regime onde se obedece aos poderes instalados

Era bom que fosse o fim desse Portugal, mas não sei. Não sei mesmo.


O caso, se for tal como JMF conta, e tudo indica que assim será,  é de índole criminal e carece de investigação a sério, porque ainda não se fez tal coisa nesta dimensão.

Há um crime de catálogo que é preciso investigar e que pode responder às perguntas que VPV fazia na semana passada sobre os nomes desta rosa murcha e corrupta. O crime é exactamente esse: corrupção, neste caso do mais alto nível e que carece de investigação judiciosa, cirúrgica, pontual, dedutiva, indutiva, já nem sequer abductiva, com foco em fenómenos do tipo quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lado lhe vêm.
O rasto dos dinheiros, neste caso muito dinheiro, milhões e milhões, é essencial. As ligações que parecem espúrias podem não ser e os factos conhecidos até agora, nos vários processos já existentes no DCIAP julgo que serão suficientes porque estará lá tudo, se tudo for escalpelizado e analisado.

Mãos à obra! É essencial para o saneamente do país descobrir quem foram os ladrões que saquearam a economia nacional de um modo inaudito, nos últimos anos. O BPN ao pé disto é uma brincadeira de crianças mimadas e nutridas a laranjada.
Ah! Não é o Rosário Teixeira quem pode investigar esta coisa gigantesta e ao mesmo tempo singular e simples. Não pode porque já demonstrou que não consegue fazer tal coisa. 

sábado, 19 de Julho de 2014

BES, o equívoco já começou...

Quando o caso BPN se tornou tão evidente que nem o próprio governador do BdP de então, Vítor, o Constâncio podia continuar a fazer de conta que no pasa nada, o assunto passou a ser um "caso de polícia". Qualquer socialista encartado no embuste tinha em seu poder o argumentário simples para explicar o assunto: um "caso de polícia" que nada tinha a ver com "supervisão" do BdP de Vítor, o Constâncio.

Agora, com o caso GES/BES todos os dias nos media, o assunto volta a estar na ordem do dia. À míngua de argumentário tão simplista, retomam-se os velhos fantasmas do "caso de polícia" que a PGR repristinou ao anunciar "investigações".

Hoje, o jornal i ( fora da alçada do grupo GES) "dá-lhe" duas páginas e um editorial que é este:

Inevitavelmente retoma o tema do "caso de polícia" e reflecte a grande esperança nas "investigações" , adiantando mesmo que "caducou a declaração de inocência de que Ricardo Salgado beneficiou no dia 18 de Janeiro de 2013".

Enfim, isto é chover no molhado deste jornalismo tipo para quem é bacalhau basta, em forma de editorial, mas vamos por partes:

Essa tal "declaração de inocência" que Rosário Teixeira do DCIAP passou para uso e porte de Ricardo Salgado não é arma de arremesso para este efeito. A "carta de conforto", devia ter sido lida no seu contexto e o editorialista do i e de outros jornais possivelmente não a entenderam.
Assim, quando a PGR emitiu um comunicado a esclarecer factos a pedido do visado Salgado, foi muito parca em informações e disse o estritamente necessário, atendendo à figura do visado e de alguma forma, para esclarever a opinião publicada. Não foi suficiente, como se pode agora ler. Não houve qualquer "declaração de inocência"; houve apenas um esclarecimento sobre a circunstância do indivíduo não ter sido ouvido como suspeito, apenas como testemunha e até essa altura nada obrigar ao contrário. Não significou qualquer arquivamento de procedimento ou coisa que o valesse. No máximo, Ricardo Salgado tinha beneficiado do privilégio do RERTIII e o processo no âmbito do qual se operou tal fenómeno não lidava apenas com esse.
O RERT, enquanto instrumento de regularização extraordinária de tributos é interessante. Por isto que aqui foi explicado:

Artº 5º da Lei n.º 64-B/2011
de 30 de Dezembro:
(...)
5 - Nos limites do presente regime, a declaração de regularização tributária não pode ser, por qualquer modo, utilizada como indício ou elemento relevante para efeitos de qualquer procedimento tributário, criminal ou contra-ordenacional, devendo os bancos intervenientes manter sigilo sobre a informação prestada. 

Esta é que é a verdadeira declaração de inocência e é a própria lei que a confere. E a pergunta a fazer a quem gizou a lei é a razão desta aministia completa e rotunda. Os beneficiários dos RERTS não só ficam ilibados de qualquer crime como ficam blindados contra qualquer devassa ou investigação. Portanto, sobre este assunto que envolvia potencial branqueamento de capitais está tudo resolvido e limpo.
Ricardo Salgado poderia ter sido detido por estes factos, na altura? Claro que podia...mas não seria a mesma coisa e os crocodilos já não poderiam voar...

Quanto aos crimes do GES/BES: estão no mesmo plano dos do BPN. Ou seja, se alguém do banco cometeu crimes de burla, falsificação ou branqueamento de capitais, talvez haja alguma hipótese de acusação e julgamento, como houve no BPN em que só há crimes desse tipo. E contraordenações deste género.
A explicação para o fenómeno já tentei adiantá-la por aqui.

Em Portugal, por muito voluntarismo jornalístico que possa existir, mas que não compreende sequer as nuances e subtilezas das leis penais, não será possível fazer o que fizeram os nórdicos da Islândia.

E isso é que seria mesmo necessário e traduzir-se num trabalho jornalístico por excelência. Afinal o verdadeiro crime contra o país e os portugueses nem vem no Código Penal.

Mas a palavra "excelência" parece que não existe no léxico português consagrado ao jornalismo. E isso é que para além de ser uma pena é um drama. Ou mesmo uma tragédia nacional.

sexta-feira, 18 de Julho de 2014

O senhor, Machete, diz que lhe queriam tirar o escalpe político...

 Da revista Tabu do Sol de hoje:




Este senhor, Machete, é um digno representante de três bancarrotas que nos aconteceram. Por aqui, neste blog, tenho tentado mostrar que a sua contribuição para tal façanha, digna dos anais europeus, não foi de somenos.
Acresce naturalmente que este senhor, Machete,  não se dá por achado nessa epopeia. Julga-se antes um bravo contribuinte para o bem comum colectivo deste país rectangular e até que o país lhe deve muito. Este senhor, Machete,  foi colega de curso de Isabel do Carmo e a mesma continua a ser muito sua amiga. Este senhor, Machete, foi o mesmo que em 1975 estava preparado para tudo, mesmo para o socialismo comunista que pressentiu aproximar-se...como o mostra esta edição do Expresso de 8 de Fevereiro de 1975, em pleno PREC.


Dez anos depois, juntamente com Mário Soares, foi um dos que assinou o tratado de adesão de Portugal à CEE, no ambiente renascentista dos Jerónimos...


Como já escrevi, este senhor, Machete,  foi professor ( até no ISCTE), deputado, dirigente partidário, ministro e administrador de empresas públicas, como é de bom tom em indivíduos deste género. Ah! E é advogado também. Onde? Na PLMJ, onde havia de ser?
 Foi responsável pelo Conselho Geral da SLN que mandava  no BPN e certamente nada do que aconteceu com este banco lhe poderia ter escapado,mas parece que escapou tudo, tudinho...e nunca conseguiu esclarecer isto que parece tão simples de entender. Machete passou pelo BPN como quem passa entre os pingos da chuva, sem se molhar. Grande impermeável devia ter...
Machete foi presidente de uma fundação Luso-Americana e quando a deixou, indicou como sucessora, uma certa Maria de Lurdes Rodrigues, companheira de um certo Pena, do ISCTE.
Machete foi depois indicado para a CGD, para uma espécie de cargo remunerado na mesa da Assembleia Geral a que só certas figuras de estadão tem acesso.Como por exemplo, Manuel Lopes Porto, outro notável do PSD de Coimbra que ensina Direito.
Não obstante tudo isto, o pequeno génio da nossa política da Sombra ainda foi recentemente designado para outro cargo: árbitro em conflito entre o Estado e a PT.

Portanto, hoje na revista do Sol vitimiza-se mais uma vez: quiserem tirar-lhe o escalpe político.  Já o tinha feito em Outubro de 2013...

Enfim, enquanto estes personagens continuarem a mandar no país, directa ou indirectamente, teremos sempre o espectro de nova bancarrota em perspectiva. Já lá vão três...

 Como apontamento lateral, uma vez que apelida de ignorantes aqueles que disseram a seu respeito que se imiscuiu em poderes que não são os que lhe competem, Machete faz como os chicos-espertos costumam fazer. Uma vez que alguém terá falado impropriamente em "poder judicial" para mostrar a a gravidade das suas afirmações que lhe poderiam ter tirado o escalpe político, ( sibi imputet, in totum), diz agora que tal revela ignorância porque o MºPº "não pertence ao poder judicial".
Mas pertence o JIC que intervêm nos inquéritos do MºPº e por outro lado o MºPº é autónomo do poder executivo, pelo que a chico-espertice é mesmo isso.

Porque é que só os Granadeiros voltam à sua condição modesta, de antanho, sem o poder delegado pelos poderes fácticos e estes Machetes são sempre inoxidáveis e peduráveis? Que mistério é este?

Prisão para Maria de Lurdes Rodrigues. Efectiva. Assim se fará Justiça.

Ionline:

O Ministério Público (MP) pediu hoje a condenação da antiga ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, por prevaricação de titular de cargo político numa pena de prisão com suspensão. Defende no entanto que a suspensão da pena só deverá acontecer mediante pagamento do montante, por parte dos arguidos, em que o Estado foi lesado, ou seja 200 mil euros. Apesar de a moldura penal para este crime ser de 2 a 8 anos, o MP considera que a condenação deverá ser inferior a cinco anos, para que a pena de prisão possa ser suspensa. No primeiro dia de alegações finais, o MP pediu a mesma condenação para João Pedroso, irmão de Paulo Pedroso, e para o antigo secretário geral do Ministério da Educação João Baptista. O procurador Vítor Pereira Pinto pediu apenas a absolvição da chefe de gabinete da Maria de Lurdes Rodrigues, Maria Matos Morgado. 

 Deverá a pena de prisão que eventualmente for aplicada a Maria de Lurdes Rodrigues ser suspensa na sua execução mediante qualquer regime de prova, mesmo com o pagamento da indemnização devida?
Não, por um motivo: a lei que a mesma sempre aplicou aos outros, enquanto ministra, rigida e sem contemplações. E por outro: a lei penal só admite a suspensão de penas de prisão nos casos em que tal se revelar susceptível de permitir um  juízo de prognose favorável, no sentido de que a simples ameaça da pena e a mera censura do facto afastarão a arguida da criminalidade e não defraudarão as finalidades da pena do caso concreto.

Já vimos que a arguida não se mostrou arrependida de coisa alguma e procurou iludir a responsabilidade subjectiva alijando para outros essa incumbência própria. Já vimos que não tem emenda nesse sentido e irá, previsivelmente e em prognose, em caso de repetição de oportunidade, replicar a actuação da qual nem sequer tem consciência verdadeira da respectiva gravidade.
Logo, só mesmo uma pena de prisão efectiva, como meio de  sustentar as necessidades de prevenção geral e especial, será adequada. A ilicitude segundo os media que relataram o julgamento, provou-se ser muito elevada, tal como a culpa.

Este, s.m.o. ,  o meu parecer como cidadão. 

quinta-feira, 17 de Julho de 2014

Cluny puxa dos galões e protagoniza-se

António Cluny, magistrado do MºPº escreve hoje no DN uma crónica em que se vitimiza e assume um protagonismo no MºPº que não fica bem.

Aqui fica a crónica:


Cluny pode mostrar ao público o que foi o seu percurso profissional no MºPº e até a sua "intervenção cívica" na polis, coisa irrelevante para o caso. Mas assim tem que aguentar os reparos a tal exposição.

Desde logo, Cluny foi comunista da UEC, na tal "intervenção cívica" e isso marca um percurso, porque aconteceu em 1975. Recusou ser "radical" ou seja, do MRPP para ser totalitário, ou seja do PCP. Essas coisas marcam um indivíduo.
Como aqui se escreve, a biografia de Cluny em 2009 era assim apresentada:

ANTÓNIO Francisco de Araújo Lima Cluny tem 53 anos e na próxima semana cede o lugar de presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (MP) a João Palma. Desde os anos 80, fez seis mandatos à frente do sindicato e é a cara mais conhecida do sindicalismo das magistraturas. Diz que agora é mesmo o fim – mas, tendo em conta o seu percurso, de constante militância, ninguém acredita que fique confinado a procurador no Tribunal de Contas. Nasceu no Porto (freguesia de Ramalde), o pai era juiz e a mãe doméstica. É o filho mais velho e tem duas irmãs: Isabel (professora) e Helena (também magistrada do MP). Em adolescente, fez parte da Juventude Escolar Católica e na faculdade começou num grupo ligado ao MRPP, passou pelo MES e acabou na UEC (do PCP). Quis ser advogado da área sindical, mas enveredou pelo MP, então «uma magistratura nova». Tem três filhos: o mais velho é advogado na sociedade Morais Leitão, o segundo estuda Engenharia do Ambiente e a filha seguiu o que o pai verdadeiramente gostava: Arquitectura.

 Como magistrado de intervenção, no sindicato, Cluny tem a favor todo um percurso de luta permanente pela dignificação da magistratura do MºPº nos termos em que o modelo foi desenhado em Portugal: autónomo em relação ao poder político e independente dos juízes. Fê-lo com denodo e sucesso em 1989 ( na revisão Constitucional) e em 1991 ( no Estatuto do MºPº) e noutras ocasiões e voltou a fazê-lo numa altura crítica em que o caso da Casa Pia quase acabava com o PS e este partido queria então acabar com o MºPº autónomo.  A propósito deste caso fica uma nódoa: uma romagem a Penafiel a casa de um antigo PGR para fazer não se sabe bem o quê, mas devia ser esclarecido.
Essse mesmo PGR tem uma nódoa no currículo: o caso do fax de Macau. Cluny alguma vez se pronunciou claramento sobre o assunto? Devia, porque era sindicalista e próximo politicamente daquele...
No Tribunal de Contas onde está, foi criticado subtil mas severamente pelo antigo presidente Alfredo José de Sousa. Cluny defendeu-se com a lei que não permite mais. No entanto, pelo TContas passaram muitos dos contratos que arruinaram o Estado e o país. O que fez o MºPº? É a Cluny que tal deve ser perguntado e não vale a pena defender-se com a lei que não presta. Constâncio faz o mesmo...sendo do mesmo clube.
Porém, num outro assunto importante, o da parecerística avulsa às firmas do regime, Cluny tinha avisado que a substituição dos auditores jurídicos do MºPº, nos ministérios, ficaria muito mais cara ao Estado. Avisou, mas tem o filho advogado na Morais Leitão...
Depois tem uma nódoa negra que não precisava de ter: apoiou explícitamente e sem  pudor, as candidaturas presidenciais de Mário Soares e Jorge Sampaio. Socialistas. Não precisva de o fazer porque os magistrados não devem fazê-lo. Defendeu-se, é certo, mas apenas porque o politicamente correcto de então o não condenava...

Enfim, isto deveria ser suficiente para Cluny não se pôr em bicos de pés a mostrar currículo. O CSMP não aprovou a sua ida para o Eurojust porque não autorizou a sua comissão de serviço. Desde quando é que o CSMP tem que justificar e fundamentar essas recusas avulsas?  O artº 139º do Estatuto é muito seco nesse aspecto. Provavelmente carece de melhorias...


ADITAMENTO em 18 7 2014:

Esta "peça" de Carlos Rodrigues Lima no D.N. de hoje ajuda a esclarecer o que se passou: Cluny não tem razão em andar por aí a falar.  São coisas que acontecem e não adianta nada especular sobre motivos de mais de meia dúzia de pessoas do CSMP não concordarem com a comissão de serviço no Eurojust. A votação não tem que ser fundamentada e por isso deve aceitar o resultado porque a democracia em que diz acreditar é mesmo assim. Custa? Pois, mas também já custou a outros que passaram pelo mesmo...porque o CSMP é mesmpo terrível e não sei se deveria ser repensado o seu modo de funcionamento e composição.


João Palma, que sucedeu a António Cluny na presidência do Sindicato dos Magistrados do MP, anunciou na reunião do Conselho Superior voto contra a nomeação para membro do Eurojust. Recusa não tem fundamentaçã.

Foi uma reunião tensa: duas votações, muita discussão e uma surpreendente confissão: João Palma, ex-presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP), que sucedeu a António Cluny no cargo, anunciou em plena reunião do Conselho Superior do Ministério Público o seu voto contra a nomeação de Cluny para membro do Eurojust (organismo europeu responsável pela cooperação judiciária entre os países da União). A recusa do órgão máximo do Ministério Público em aprovar o nome de Cluny para o Eurojust não está fundamentada. Motivo: tratou-se de uma votação secreta.

De acordo com relatos feitos ao DN por participantes na reunião, apenas dois elementos do CSMP revelaram à partida a sua concordância quanto à escolha feita pelo Ministério da Justiça: a própria Procuradora-geral, Joana Marques Vidal, e o advogado António Barradas Leitão, membro do CSMP por indicação da ministra da Justiça, e o segundo elemento "civil", que esteve presente na última reunião do CSMP. Além de Barradas Leitão, só Conde Rodrigues, antigo secretário de Estado da Justiça e membro do Conselho Superior do MP por indicação da Assembleia da República, representava a parte "não magistrada" do CSMP.

Depois de apresentado o nome de António Clunny, procedeu-se a uma primeira votação. Resultado: 8 abstenções, três votos contra e dois a favor. Joana Marques Vidal sugeriu que se repetisse a votação. Foi então que João Palma (membro do CSMP por eleição dos procuradores da República) interveio, dizendo que se a mesma fosse repetida, votaria contra. O DN já contactou João Palma, mas o procurador não atendeu as chamadas. Os elementos presentes na sala concordaram em avançar para uma segunda votação. O resultado foi o mesmo. "Um voto contra passou a abstenção, mas o voto contra anunciado pelo João Palma manteve o resultado na mesma", disse ao DN um membro do CSMP, explicando a coincidência entre os resultados.

Nos últimos dias, António Cluny tem dito que irá pedir ao CSMP a fundamentação para a recusa do seu nome como membro nacional do Eurojust, recordando que a lei exige um "impedimento legal" para que isso aconteça. Porém, tal fundamentação não existe, uma vez que a votação foi secreta.Isto é, não há como fundamentar uma decisão tomada no segredo do voto.

De acordo com informações recolhidas pelo DN, o CSMP deverá reunir brevemente para reapreciar o caso. António Clunny e o ministério da Justiça aguardam por esclarecimentos oficiais da Procuradoria. Esta, contactada pelo DN, não quis prestar qualquer informação sobre esta polémica.



quarta-feira, 16 de Julho de 2014

António Cluny, vetado por protestantes?

António Cluny, magistrado do MºPº junto do Tribunal de Contas ( que já disse que era difícil a este tribunal responsabilizar políticos...por causa das leis, coisa e tal)  foi inicialmente escolhido, com mais dois magistrados, indicados pela PGR, como possível representante no Eurojust. Foi ouvido em Comissão Parlamentar para os Assuntos Europeus e os ministros da Justiça e dos Negócios Estrangeiros decidiram aprovar o nome e indigitá-lo para o cargo.
Porém- e Cluny sabia disso muito bem- ainda faltava a autorização do CSMP, um órgão para-democrático  do MºPº, para que tal indigitação se efectivasse, através de uma autorização para a comissão de serviço .

Ontem, em votação de Plenário, o CSMP vetou o nome de Cluny para o cargo, não autorizando a sua comissão de serviço durante quatro anos naquele organismo europeu. Razão?

Cluny, hoje, mostra-se muito surpreendido e, suponho, agastado. Comentou em modo desagradável uma decisão colegial do órgão do MºPº a que pertence. Colocou-se em posição supra-numerária e isso não fica bem.
Por uma razão prosaica: foram retirados ao CSMP os poderes de designação desse representante do Estado português no Eurojust, um organismo umbilicalmente ligado ao MºPº ( mas também, de algum modo ao Governo...) e a estrutura não gostou, tendo o Sindicato dos magistrados tomados as dores de tal supressão.
Eventualmente por isso, em protesto eventual, ontem, dos 19 membros do CSMP só votaram cinco. Dois a favor da autorização para a comissão de serviço e três contra...

É por isso que Cluny deveria ter ponderado melhor as declarações que fez...e esperar melhor oportunidade para falar.

Mais jornalismo trash em modo de croniqueta. Neste caso, Maria João Marques.

Esta crónica com rosto posto, vem no Observador e merece algumas observações porque já é demais o que certos jornalistas escrevem com base no seu saber e nos seus palpites avulsos de quem se julga apto a julgar seja o que for, neste caso crimes sexuais, fora das salas de audiência e de caminho os julgadores dos mesmos, o que é muito julgamento junto para um jornalista armado em justiceiro.

A artista jornalista que assim escreve chama-se Maria João Marques e  não sei que formação tem ( parece que é formada em Economia...) ou que conhecimentos objectivos terá do funcionamento dos tribunais, processos judiciais, tramitação dos mesmos, discussão de factos em salas de audiência, provas admissíveis, regras legais impositivas, modo de julgamento e decisões com fundamento e motivação, para aplicação da justiça em nome do povo, como diz a Constituição.

Não sei mas imagino que pouca formação terá nesta área, embora lhe sobre em prosápia o que lhe falta em conhecimento disso tudo, como é costume neste tipo de jornalismo de caserna redactorial que pode ser a do palpite por preconceito ou por aparências enganadoras que se tornam verdades insofismáveis nestas inteligências que se julgam supra sumo.

Ao ler este tipo de escritos e o título "juizes:misóginos e sem juizo"  ocorre-me que estas pessoas deviam frequentar obrigatoriamente seminários intensivos de formação  nas  matérias sobre que escrevem. E escrevem sobre tudo e um par de botas, como panditas de coisa nenhuma.

Esta crónica começa logo pela habitual estupidez comparativa. Os livros citados de Nancy  Mitford que ninguém mais leu,  traduzem uma noção que vinha do século XIX e de um nome que me escuso a explicar a quem não sabe: Lombroso.
Os casos estrangeiros dos antípodas servem para introduzir o preconceito mais firme: os juízes de cá são como os de lá: misóginos e sem juizo.
Fica a crónica e o comentário final vem depois.



Hoje trago casos em que a realidade imita a ficção.

Parte da ficção vem dos livros de Nancy Mitford e de uma das suas personagens: Lord Alconleigh, fidalgo de província que servia como magistrado. O método usado para determinar a culpa dos supostos meliantes que lhe apresentavam era simples e tornava desnecessárias maçadas como provas, testemunhos, interrogatórios e contra-interrogatórios; bastava ponderar se o acusado tinha ou não cara de criminoso. A simetria facial e a forma mais ou menos ameaçadora das sobrancelhas sentenciavam a pena ou a absolvição.

Claro que, agora na realidade, nenhum juiz cai no exagero de determinar sentenças baseando-se nas feições dos acusados. Têm um método ainda mais infalível: decidem com base no sexo dos queixosos. Porque toda a gente sabe (ou, pelo menos, os juízes sabem): as mulheres são mentirosas. Capazes de inventar qualquer historieta alucinada para destruir a vida de um coitado do sexo masculino. De os levar à loucura, à aplicação de uns sopapos (que eles nem queriam) e, de seguida, ainda vão para os tribunais caluniar um homem.

Voltando à ficção, lembremos Milady de Winter, de Os Três Mosqueteiros de Dumas. Arruinou o Conde de La Fére, foi bígama, convenceu com as suas artes e manhas um bom homem a assassinar o Duque de Buckingham e conspirou para matar a apaixonada de D’Artagnan. É, vê-se à distância, o exemplo mediano dos seres do sexo feminino. Os juízes já leram livros, viram telenovelas e lembram-se da Alexis Carrington da Dinastia. O mulherio não os engana.

Isto vem a propósito do juiz australiano modernaço que julga convenções de gente preconceituosa torcer o nariz ao incesto e ao desejo sexual de um homem por um rapaz. O incesto, sendo feito por dois adultos dando o seu consentimento, não devia ser legalmente penalizado, de facto. Mas, curiosamente, para o modernaço juiz o incesto só está bem se a rapariga já não for virgem (que se aceita um, tem de aceitar todos, nada de esquisitices) e não tiver namorado ou marido (incesto ainda vá, mas infidelidades aos maridos e namorados é que não se tolera).

Quanto à ‘naturalidade’ da atracão de homens adultos por rapazes (ou raparigas), apetece apontar o exemplo dos juízes do Tribunal Constitucional, que se dedicaram à aquisição de livros de Economia para entenderem o que é e os efeitos de uma lei orçamental. Os livros não foram eficazes para o TC (continuaram devastadoramente ignorantes), mas tal não implica que outros partilhem as dificuldades de aprender. Há ampla literatura sobre as consequências do abuso sexual na infância, alguma em linguagem acessível até a juízes.

Oh, mas lá estou eu a fazer uso das minhas ardilosas artes femininas. O que nos vale é que os juízes bem sabem que uma criança, sendo menina, é bem mais dotada de manhas e capacidade de manipulação do que qualquer homem adulto. Leram Lolita de Nabokov e conhecem tudo de meninas corruptas. Felizmente um juiz britânico, no ano passado, teve o mesmo entendimento para com um homem de 41 anos que abusou de uma adolescente de 13. Esta foi descrita como ‘predadora’ e deu-se uma pena suspensa ao pobre (que só por acaso também apreciava pornografia infantil) que teve o azar de se cruzar com aquele demónio de 13 anos.

Isto são maluquices do mundo anglo-saxónico, respira o leitor de alívio. Não. Também no ano passado foi absolvido em Aveiro um homem de 55 anos que abusou de uma sobrinha de 14 anos. Porquê? A adolescente já não era virgem e, logo, não houve abuso. Lá está: se não se é virgem, é-se uma exímia manipuladora de homens, mesmo que só com 14 anos. Antes, a Relação do Porto absolveu um psiquiatra que violou uma doente grávida de 34 semanas porque os seus atos não tinha sido violentos. Provou-se a relação sexual e a falta de consentimento da mulher, mas como esta estava limitada pela barriga e pelo medo de violências sobre o que tinha dentro da barriga (digo eu) e não se debateu, ficámos a saber que o necessário para uma condenação por violação é dar um sopapo, não violar.

Nem todos os juízes serão deste calibre, evidentemente, mas há demasiados casos em que se culpa a vítima e se compreende o agressor, e por todo o mundo.

A carreira dos juízes por cá propicia desfasamento da realidade e convicção de que pairam sobre os mortais cuja vida decidem. Cereja no topo do bolo: são uma classe corporativa e com avaliação risível. Como é difícil testar a qualidade humana de cada juiz ou a misoginia (que não afeta só homens), a solução talvez passe por de alguma forma colocar os juízes sob escrutínio dos cidadãos ou dos seus representantes. Traduzindo para juízes: daquelas pessoas menores e quezilentas que insistem em supor que o acesso à Justiça é um direito que lhes assiste
.

Porque é que estas crónicas são assim? Porque é que estes casos são apresentados assado? Por que razão este tipo de jornalismo pode ser preconceituoso contra os juízes e tribunais? Seria incorrer no mesmo erro, se o afirmasse e não colocasse a interrogação.
Porém, há um exercício mínimo de inteligência que se requer a quem escreve crónicas públicas eventualmente pagas e de quem assim leva a vida:  não tomar os outros por burros com orelhas de Miranda e palas do Alentejo.

Os casos que são julgados nos tribunais merecem pelo menos a atenção sobre a sua tramitação processual. Saber como chegam ao tribunal e à sala de audiências, por exemplo, ajuda muito a entender os factos reais e não apenas os imaginários ou imaginados. Quem tal não conhece arrisca-se a ficar de fora do entendimento básico sobre estas coisas.
Um caso da vida real em tribunal não é necessariamente um caso cuja verdade assenta numa versão apresentada por uma vítima, um ofendido, um arguido ou um suspeito. É um caso que é filtrado pela investigação que procura atingir a verdade material mas pode ficar aquém dela e mesmo assim não poder fugir dessa verdade formal. É disso que tratam as regras processuais e quem escrever sobre isso deveria conhecer o mínimo sobre o assunto que não é Economia nem Jornalismo puro.

Nessa investigação, mormente nos casos de abusos sexuais, intervêm geralmente vários peritos em medicina, psicologia e naturalmente as testemunhas, para além dos intervenientes directos.
Para estabelecer a verdade material destes casos torna-se por vezes difícil dilucidar a parte de fantasia que a realidade contém e atribuir o seu a seu dono.
Para além disso, a lei é imperativa e soberana no modo em que classifica os factos em juízo.
Como é que uma jornalista formada em Economia pode perceber isto? Sendo humilde, estudando mais e procurando aprender. Deixando de lado ideias feitas e que a fazem incorrer nos mesmos erros que procura imputar a outros. Pensando, pelo menos uma vez na vida, que quem julga não é necessariamente mais mentecapto que a média dos jornalistas o pode ser...
E principalmente não acreditar piamente no que o Correio da Manhã escreve para vender mais de 100 mil exemplares por dia,  embora no caso de Aveiro tenha escrito e explicado algo que esta jornalista obviamente não entende: a Justiça no nosso país  obedece a regras que podem ser perversas mas têm que ser respeitadas, sob pena de não termos Estado de Direito.  Portanto, neste caso, culpas pode haver, se efectivamente as houver, mas não serão dos ignóbeis juízes misóginos.
E portanto, a solução de colocar "os juízes sob o escrutínio dos cidadãos ou dos seus representantes" é uma balela que só traduz outra ideia que nem peregrina é, mas situada num tempo e espaço de "justiça popular". Sabemos onde isso pode levar...e até deu em filme.