Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

O mundo antifascista de Maria José Morgado e a doidice que não passa

O Público de ontem publicou uma entrevista extensa com Maria José Morgado, a actual procuradora-geral distrital de Lisboa, durante muitos anos responsável pelo DIAP de Lisboa e antes magistrada do MºPº , responsável por julgamentos no tribunal da Boa-Hora e ainda ligada a episódios rocambolescos na PJ do tempo de Adelino Salvado, o juiz "de direita" que recebeu o pedido de demissão daquela através de um fax obnóxio mas denotando um estilo, revelador aliás, de uma natureza.

Nesta entrevista MJM fala de tudo um pouco e principalmente das saudades que sente do marido José Luís Saldanha Sanches com quem partilhou  a  vida e a ideologia.

É sobre esta e a notoriedade de MJM que vou comentar a seguir, porque me parece importante perceber a importância que ainda lhe dão e mostrar ao mesmo tempo que há uma obscenidade que lhe subjaz.



Qual é a ideologia-base de MJM? Uma, muito simples: o antifascismo, agora em mutação para a "honestidade".
"Os fascistas eram os maus, a …

A Imoralidade dos políticos portugueses

Tito é...o PS o põe

Observador:

A Autoridade Nacional de Proteção Civil escolheu a empresa de Vítor Tito — o publicitário que ajudou António Costa na campanha das legislativas — para fazer a campanha nacional de sensibilização para limpeza das matas. Valor: 83.655 euros. O concurso em causa está envolto numa nebulosa que o organismo público se recusa a esclarecer. Vamos por partes: a lei, no artigo 112.º, n.º 1 do Código dos Contratos Públicos, obriga a que sejam consultadas três entidades. A ANPC garantiu ao Observador que, no cumprimento da lei, foram ouvidas mais duas entidades num regime de consulta prévia e até revelou o nome das empresas convidadas além da BBZ de Tito: a Generator e a Media Gate. Ainda segundo a ANPC, das três entidades, “apenas a BBZ — Publicidade e Marketing, S.A. apresentou proposta dentro do prazo estabelecido para o efeito”. No entanto, a diretora da Media Gate, Isabel Pinto, garantiu ao Observador que a empresa nunca foi contactada pela ANPC para fazer esta campanha. Questionada…

Mais notícias da Parvolândia

Sol-Sapo:


Vinte e três “viaturas familiares” topo de gama são entregues , para uso próprio, a um grupo de altos quadros da Parvalorem – empresa pública que gere os ativos tóxicos do BPN –, denuncia o Público. Para além dos carros, a empresa é também responsável pelo pagamento do combustível (até 300 euros por mês), do seguro, da manutenção, dos parques de estacionamento e das portagens, denuncia a auditoria da Inspeção Geral das Finanças (IGF).

No relatório, citado pelo Público, pode ler-se que “a atribuição de viaturas a dirigentes e alguns outros trabalhadores, resultantes do Acordo de Trabalho celebrado com o BPN antes da nacionalização, e que se consubstancia na utilização para uso próprio sem qualquer restrição de 23 viaturas de topo de gama”. Em causa estão “viaturas premium da marca Mercedes, BMW, Audi e VW”.

Para a IGF, a utilização destes veículos constitui “um complemento remuneratório” que está apenas reduzido a um grupo restrito de quadros de topo da empresa. No entanto a a…

A imoralidade mora no Estado que temos: o caso BPN e o caso Face Oculta.

No Público de hoje estes dois artigos revelam um Portugal pegajoso e carente de limpeza.

O primeiro revela uma imoralidade consentida pela lei. O antigo BPN foi absorvido nos interstícios do Estado que somos todos nós e os mentores da operação, no tempo do primeiro-ministro José Sócrates e do presidente da República Aníbal Cavaco Silva, através da Lei 62-A/2008 de 11 de Novembro consideraram, contra o parecer de outros ( Miguel Cadilhe, por exemplo) que era esse o caminho a seguir. Na justificação da nacionalização avulta a consideração acerca da "estabilidade do sistema financeiro"...e a gestão corrente dessa nacionalização ficou a cargo da CGD, então presidida pela excelência dos seus gestores que ganhavam mais de 300 mil euros por ano ( o que era pouco para uma luminária chamado Pinho, Manuel que hoje vai sentir o que é calçar dois números abaixo, nos tamancos). Na época o principal era um tal Faria de Oliveira, um engenheiro mecânico professor no ISEF e político de gove…

O verdadeiro fascismo nunca foi salazarista

Ontem, uma fotografia no Correio da Manhã, mostrava o general Coca-Cola, Humberto Delgado ( assim apelidado por ter virado a casaca salazarista depois de ter estado uma temporada nos EUA) , na altura da sua campanha eleitoral à presidência da República em 10 Maio de 1958, rodeado por alguns apoiantes.


Conforme a legenda da foto, os nomes corrrespondem a uma geringonça avant la lettre. Este general um pouco tonto e em quem o PCP não confiava tornou-se logo nos primeiros dias a seguir ao 25 de Abril um herói democrático devido à eventualidade de ter sido assassinado pela PIDE. A Censura acerca dos factos do seu assassínio espicaçaram a curiosidade jornalística logo nessa altura, como mostram estes dois recortes da Flama de 17.5.1974 e do Século Ilustrado de 18.5.1974:


O Expresso da mesma data também não podia faltar ao assunto do momento, como mostram estes recortes da edição de 18.5.1974:


Apesar destes artigos e da intensa contra-informação que então surgiu para transformar um antigo s…

Hell´s Angels: margem de certa maneira

O grupo de motards Hell´s Angels, com origem no pós-guerra nos Estados Unidos, tem uma espécie de filial no nosso país e foi agora alvo de atenção judiciária por factos que a seu tempo serão conhecidos.

O grupo ficou a ser tristemente conhecido vai fazer 50 anos, aquando de um concerto dos Rolling Stones em Altamont, na California, em finais de 1969, durante o qual morreu um jovem e ficaram feridos vários indivíduos, incluindo músicos, devido ao descontrolo e violência do gang que tinha sido convidado para uma espécie de segurança no concerto. Na internet há vários artigos sobre o assunto e até filmes.
A revista Rolling Stone, no número de 21 de Janeiro de 1970 relatou o que se passou, em 14 páginas. Ficam algumas:








Um dos primeiros indivíduos a detectar o comportamento belicoso do gang foi o jornalista Hunter Thomson, logo em 1964, tendo escrito um artigo no jornal The Nation, sobre o assunto e que depois foi desenvolvido em livro sobre os Hell´s Angels. A reportagem é do estilo novo …

Em Portugal também é asssim, ora perguntem lá ao nosso selfie-man...

 Observador:

Apaixonada há muitos anos por futebol, Grabar-Kitarovic, a primeira mulher a chegar à presidência dos balcânicos depois de passagens pela NATO, pela embaixada nos Estados Unidos e pelo ministério dos Negócios Estrangeiros, tornou-se uma das grandes figuras deste Campeonato do Mundo pela forma como tem desfrutado da competição sempre que pode: viaja em classe económica pagando do seu bolso todas as viagens (e tirando selfies com fartura em cada um desses momentos), desconta os dias em que está na Rússia do seu ordenado e prefere ir ver os encontros na bancada com os restantes adeptos croatas do que na tribuna. 

Tal como no caso de Salazar que percebia bem a diferença entre público e privado, a presidente croata dá um exemplo que por cá não temos.

Se perguntarem ao Daniel Oliveira ou a outro pateta qualquer do género, dirão: mesquinhices. O Costa será o primeiro a dizê-lo. O nosso selfie-man idem aspas. É o presidente, afinal.

Quem é que lhes pagou as viagens à Rússia …

Armando Vara às portas da prisão

Observador:

O Tribunal Constitucional declarou improcedente um recurso apresentado por Armando Vara no âmbito do caso Face Oculta onde eram alegadas 14 inconstitucionalidades, noticiou o Correio da Manhã e confirmou o Observador.

Trata-se do último recurso formal que o ex-ministro da Juventude e do Desporto pode apresentar mas ainda não terminou a guerra judicial para impedir o cumprimento da pena de prisão de cinco anos de prisão efetiva por três crimes de tráfico de influência a que foi condenado em primeira instância.


Há mais de quatro anos que adia o destino fatal: ver  o sol aos quadradinhos. Mas falta ainda o chefe da quadrilha. Lá chegará a sua vez...


Pobres ricos portugueses

CM de hoje:


São estes os ricos que temos, em Portugal. Não há mais que isto. Não tiveram dinheiro ou poder para comprar as grandes empresas que recentemente foram vendidas a estrangeiros da China ou da França ou mesmo a fundos de investimento, estrangeiros.

Foi a este estado de coisas que chegou Portugal depois de 40 anos de democracia: não consegue gerar riqueza suficiente para podermos ombrear economicamente com outros países desenvolvidos e europeus.
Os ricos que temos são pobres à escala europeia, para nem dizer mundial.

Foi sempre assim? Não. Antes de 25 de Abril de 1974 Portugal tinha umas dezenas de famílias que detinham poder económico e riqueza suficientes para assegurar um potencial de crescimento económico que na década de 70 do seculo que passou crescia a mais de 7% ao ano. Números desses nunca mais tivemos, mas em compensação tivemos três bancarrotas que nos foram preparadas e apresentadas pelos socialistas e esquerdistas de todos os matizes, com a condescendência dos par…