domingo, outubro 02, 2022

Negócios e C.ª

 No DN de hoje, tal como no jornal de Negócios da semana passada há uma entrevista com Javier Blas, co-autor de um livro recente acerca de O Mundo à Venda. O livro explicita que se destina a elucidar leitores acerca dos negociantes que abastecem o mundo de energia, alimentos e metais, na actualidade, contando a respectiva história destes negociantes de matérias primas. Obviamente é interessante tanto mais que não conheço publicações recentes acerca deste assunto, prontas a esclarecer quem pretende saber como se negoceiam estes bens essenciais.



O livro começa com uma história exemplar:






O livro, publicado pela Oxford University Press em 2021 teve,  segundo Blas,  apoio prático da editora do jornalista, a Bloomberg que se dedica desde o início dos anos oitenta a tecnologia e assuntos relacionados com "negócios" num sentido amplo, sendo o seu fundador antigo empregado da Salomon Brothers, tudo de ascendência judaica e enfarinhados nesse mundo do capitalismo americano, com âncora na bolsa de valores, mas com o típico espírito empresarial que não se vê em mais lado nenhum. É por isso que gosto de ler coisas dessa banda, porque são mais transparentes e informadas, usando os filtros necessários.

A editora Bloomberg News publica desde 2009 esta revista também muito interessante e da qual já comprei vários números, por causa disso.  


A revista nem sempre se chamou assim. Publicava-se desde 1929, semanalmente,  com o título Business Week, na mesma área de assuntos e por diversas vezes ao longo dos anos comprei números para me informar sobre coisas diversas, geralmente americanas e relacionadas com o capitalismo local.

A revista em 2009 passou para o universo empresarial de Mike Bloomberg que tinha fundado a referida Bloomberg em 1982. Ficou com o legado de décadas e que se pode consultar.

 Por exemplo, este de 18 de Agosto de 1997, com uma capa extensível com retratos dos oligarcas da informação digital de Silicon Valley. Estão lá todos os que nos deram os dispositivos e programas que usamos diariamente, incluindo este que estou a usar:



Onde é que no mundo de então havia mais disto?! O capitalismo americano no seu melhor...ou pior de acordo com os invejosos de sempre, trogloditas de um mundo parado, sempre a olhar para os pobres para ver se nunca chegariam a ricos, caso em que teriam que ser expropriados, para serem todos iguais.


Sem comentários:

Dantes havia mais corrupção?