quarta-feira, 21 de abril de 2010

Os lobbies

Económico

"Sociedade civil é pouco actuante e os poderes políticos são influenciados por "sectores corporativos", como o da Justiça, lamenta o ex-Presidente, Jorge Sampaio, numa entrevista à Antena 1.

O ex-Presidente da República Jorge Sampaio diz-se "nada satisfeito com a qualidade da democracia" em Portugal, onde a sociedade civil é "pouco actuante" e os poderes políticos são influenciados por "sectores corporativos", como o da Justiça."

Jorge Sampaio é um político profissional de há muitos anos a esta parte. Foi deputado, presidente de Câmara, presidente da República, até, -veja-se lá!- e tem este discurso como se os "sectores corporativos" como o da Justiça fosse um lobby de pressão sobre os políticos! Espanto?

Nada de nada. Jardim, Sampaio, Caldas & Associados era uma designação de uma firma de advogados, bem notória na sociedade portuguesa há uns anos a esta parte. Hoje em dia, chama-se Jardim, Sampaio, Magalhães e Silva e Associados.

É preciso ter lata. De advogado, no caso.

11 comentários:

Carlos disse...

Lata!?...é pouco!

É engraçado, como estes sujeitos, tentam passar uma imagem de grandes pensadores. Parece que nada tiveram a ver com o percurso seguido até hoje. Agora, falam desses politicos (coisa horrível), tal com falava também o Dias Loureiro (outro pensador).

Seria bom perguntar ao Sr. Sampaio, que exemplo deu de vida aos seus descendentes e com que qualidades conseguiram eles arranjar trabalhinho. Não foi à custa das coorporações?

Por muita lexívia que usem as nódoas deixam sempre marca.

Carlos Silva

Carlos disse...

Lata!?...é pouco!

É engraçado, como estes sujeitos, tentam passar uma imagem de grandes pensadores. Parece que nada tiveram a ver com o percurso seguido até hoje. Agora, falam desses politicos (coisa horrível), tal com falava também o Dias Loureiro (outro pensador).

Seria bom perguntar ao Sr. Sampaio, que exemplo deu de vida aos seus descendentes e com que qualidades conseguiram eles arranjar trabalhinho. Não foi à custa das coorporações?

Por muita lexívia que usem as nódoas deixam sempre marca.

Carlos Silva

ferreira disse...

Acho que nem no tempo dos monarcas atacados pela consanguinidade tivemos um supremo magistrado tão apalermado.
Nem o facto de me ter confundido com os milhares de condecorados à pressa e quase em segredo me fez mudar de opinião.

Karocha disse...

http://infamias-karocha.blogspot.com/

portolaw disse...

ai este indivíduo já foi advogado? caramba, parece-me que ando mesmo mal acompanhado na profissão...não bastava já o bastonário...ups...esse é jornalista!

100anos disse...

Ao atacar sectores corporativos, Sampaio quer referir-se aos magistrados - longe dele atacar os advogados ou os médicos, safa, que esses têm demasiado poder, ele quer simplesmente cavalgar a onda anti-magistrados, que vai engrossando à medida que vai engrossando o rol dos poderosos perseguidos pela tal dita justiça (que anda mal e fraquinha, mas ainda faz muita mossa).
Nunca gostei da personagem.
E cada vez mais desgosto dela.

Eduardo Freitas disse...

Aos ex-Presidentes da República cabe um dever de recato e contenção comunicacional. Só Ramalho Eanes o percebeu.

Colmeal disse...

Penso que existiu até uma situação "curiosa" sendo o Jorge Sampaio PR, o Vera Jardim Ministro da Justiça e o Júlio Castro Caldas Bastonário da Ordem dos Advogados , todos nestes cargos durante algum tempo.

lusitânea disse...

A raça eleita é assim.Qualquer coisa serve para a pretalhada que governa

Karocha disse...

E o Negrão foi dar uma volta ao bilhar grande.
Um director da PJ competente, mas isso agora é coisa que se seja!!!

Milan Kem-Dera disse...

E ficámos todos a saber que em Portugal há corrupção que, afinal... não é corrupção!
Muito sui generis, este país tão eNevoado!...

Opus diabolus