quinta-feira, junho 01, 2023

"Aprendizagens" e "competências": as palavras mágicas do ensino em Portugal.

 Este artigo do Observador, de uma professora do ensino secundário, acerca dos alunos que reprovam o ano escolar por falta de "competências" é elucidativo dos equívocos que alastram no sector mais importante do desenvolvimento socio-cultural português. 





 
Repare-se que a articulista utiliza uma linguagem "operativa", simplificada e já tornada língua de pau,  certamente aplicada nos inúmeros relatórios que deverá ter que fazer para apresentar a entidades que nunca os lerão mas que alimentam uma burocracia inferne, decorrente de outra mitologia esquerdista, adaptada de critérios de gestão aprendidos à pressão e vertida num tal "Simplex". 

Muito mais interessantes e elucidativos são os comentários de alguns pais que se pronunciam sobre este tipo de utopia progressista e equívoca que nos tem desgraçado a Educação, de há quase 50 anos a esta parte, sempre fundada na ideologia da igualdade esquerdista e na luta para erradicar tal flagelo do modo mais incompetente, o que é apanágio da esquerda que temos. 












Sem comentários:

O Ministério Público a la carte