Páginas

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Os hospedeiros do poder

Este artigo de Pedro Lomba no Público de hoje mostra que pensa diferente e escreve em sentido contrário. Estimula o bestunto de quem lê e provoca discussão em quem se interessa. Coisa que os artigos de VPV muitas vezes já não conseguem.
A tese do escrito de hoje, se bem o li, é a de que Relvas é uma facção, dentro do partido e do poder que está. E que a sua queda significa que abusou desse poder e prejudicou outras facções. 
Isto significa também que os fenómenos à roda de Relvas são artificiais e as polémicas apenas cínicas porque desprovidas de fundamento sério e sem se arreigar aos princípios proclamados da ética e da decência moral. São polémicas criadas para abater politicamente na medida em que usam o poder mediático para tornar insustentável o exercício do cargo legitimado.
Neste contexto percebe-se que as polémicas à roda de José Sócrates teriam o mesmo condimento e portanto justificar-se-ia a sempre tão proclamada tese cabalística com que os socialistas de várias facções e feitio se defendem dos ataques de oposição.

Neste ambiente, um político como Relvas ou Sócrates, tendo sido legitimado pelo voto interno e externo, adquire o poder de mandar e influenciar decisivamente o Executivo ( e de caminho o Legislativo e até o Judicial, vejam-se as decisões de topo desse poder) e esse poder manter-se-à enquanto convier à facção.

Logo, qualquer ataque mediático ( o único que interessa) à honorabilidade pessoal ou carácter individual da personagem investida é tomado como um ataque político, sem mais. E em consequência suscita uma reacção política oposta e de denúncia do ataque, seja com o argumento cabalístico, seja com o argumento desvalorizador e impante sobre a legitimidade do voto e do poder de facção eleita.

Nos media o alinhamento é idêntico: quem se identifica com a facção desvaloriza e evita a exposição dos assuntos, contando obviamente com o comprometimento dos mandantes da escolha de informação, por seu turno comprometidos com o salário de fim do mês, ou mesmo o emprego.

O jogo é por isso viciado desde o início: quem escolheu Relvas ou Sócrates para governar sabia de tudo. Sabia do carácter e personalidade. Sabia do estilo e das "competências". Sabia do modo como ascenderam no partido e no poder. Sabia que as regras do jogo eram essas, aceitando-as desde sempre. Ao apresentarem-se a votos legitimaram o poder conquistado e o resto deixou de contar .
Até ao dia em que os fenómenos que deveriam ter contado para evitar a ascensão se viram contra os hospedeiros, pelo mesmo efeito mediático incontrolável.
Nessa altura a  facção reage e estrebucha quanto pode para manter o poder. Nessa luta, o que vale verdadeiramente é o controlo do poder mediático que influencia a opinião mais ou menos pública.
Os mestres neste jogo ainda são, obviamente, os adeptos da cabala, da mentida e da dissimulação.

Resta saber se a política é isto e deve ser isto. Ou se existe alternativa de poder que assente noutras bases ou em (in)decências mais aceitáveis.

9 comentários:

Carlos disse...

Muito curioso e interessante este "post".

Extrapolando: o primeiro desabafo conotado com o PSD, foi o do vice de V.N. de Gaia. De seguida, veio a repreensão do presidente de V.N.Gaia e logo de imediato a provocação ao anterior vice do mesmo local...humm!

Como diria o outro: " é fazer as contas"


Obs.: Este "Blog" é cada vez mais referido entre pares. Bom sinal, e reconhecimento de mérito ao seu autor e "pragas" de viagem - eventualmente!

josé disse...

"pares". Mas...quem são os pares que não conheço?

Não leve a conta de presunção mas não leio os blogs, a não ser dois ou três e nem sequer deste género.

Carlos disse...

José,

Certo dia, um homem foi apanhado em flagrante com um porco debaixo do braço que tinha acabado de roubar. Capturado por um polícia e confrontado com o facto, logo gritou: um bicho, sai-te daqui ó bicho. Ha, ha, ha!...

lusitânea disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lusitânea disse...

lusitânea disse...
Poder frágil?Pá pelos vistos "interpretar" o zé povinho com o tudo e o seu contrário tem danos colaterais...
É frágil porque renegam o seu povo em benefício de teorias vindas das catacumbas e já agora de certos conselhos de administração...

zazie disse...

Pois sabiam. O problema é este.

..............

Quanto ao palerma, não tem cura, nasceu para denunciante mas, como é burrinho, nem sabe o que denunciar.

josé disse...

Carlos: já vi a citação no Blasfémias. Por acaso até é um dos blogs que frequento.

Carlos disse...

"Um tiro no porta-aviões"

José disse...

Foi? A mim passou ao lado...