quarta-feira, setembro 28, 2022

D. Afonso Henriques, fundador da nossa nacionalidade

 O Movimento Independência de Portugal, que congrega pessoas como Gonçalo Sequeira Braga e o Tenente-Coronel Brandão Ferreira, organiza uma manifestação tripartida no próximo dia 5 de Outubro. 

Com este programa que me foi enviado por organizadores com pedido de publicação que faço com gosto, porque é assunto extra-partidário e que vai contra a corrente conformista do politicamente correcto socialista. 

Em Guimarães, terra do fundador da nossa nacionalidade:


Em Coimbra, onde está sepultado:

Em Lisboa, terra que conquistou aos mouros e simbolizou a gesta:


Não sendo monárquico reconheço os meus antepassados que me legaram o sítio onde vivo, tal como a cultura e a tradição. E por isso devem ser lembrados aos que ainda sabem disso e ensinados aos que para cá vêm, por bem.

Por outro lado 5 de Outubro é uma data republicana, por isso inadequada ao propósito, a meu ver relacionado com a identidade monárquica, até dos organizadores. Melhor seria como dantes era, o 1º de Dezembro. Enfim, seja o que for, vale a pena lembrar antepassados ilustres e reconhecer a nossa História. 

Na edição de Outubro da revista francesa GEO Histoire o número é dedicado a Portugal, "um pequeno país com destino mundial", mas a história que lá aparece começa com os descobrimentos, passando pelas guerras napoleónicas e pelo fim da monarquia, assim explicado em duas páginas...e que se inicia com a história do famigerado "mapa cor de rosa" e o papel assombroso dos nossos aliados ingleses de quem ainda há dias assistimos a transmissões em directo de cerimónias fúnebres e coroação do seu novo rei. Então, D. Carlos de Portugal cedeu aos ingleses. Por fraqueza e falta de poder. Os franceses, certamente lidos em fontes autorizadas indicam que foi isso que fez cair a monarquia em Portugal ( abaixo os Bragança e vivas à República, escrevem eles). As ligações estreitas entre as dinastias inglesa e portuguesa lançam o opróbrio sobre esta, escrevem mais. 

Isto trouxe a revolta popular, a ditadura de João Franco, o assassínio do rei ( e do filho) e por fim a república. 

Certamente não é isto que o Movimento Independência de Portugal quer celebrar porque nada há a celebrar nisto...






Melhor fora por isso recordar estes lugares que nos mostram onde está sepultado o primeiro rei de Portugal e que muito poucos portugueses conhecem:





Ah! Esqueci mencionar que estas fotos foram tiradas por mim, em Maio deste ano, num iPhone. Paguei a entrada para tirar as fotos e mais nada. 

Sem comentários:

Dantes havia mais corrupção?