terça-feira, 27 de agosto de 2019

Jorge Miranda: perdigotos contra Salazar...


Um museu dedicado a Salazar seria uma ofensa à história e aos valores do Estado de direito Democrático, considera o professor universitário e constitucionalista Jorge Miranda.

Em carta ao director, publicada na edição da passada sexta-feira do PÚBLICO, o deputado da Assembleia Constituinte do PSD é claro. “Alguém se lembraria de fazer um museu dedicado a Estaline na Rússia, ou um museu dedicado a Hitler na Alemanha ou a Mussolini na Itália?, pergunta.

“Salazar não foi comparável em desumanidade. Mas não podemos esquecer os milhares de mortos portugueses e africanos, entre 1961 e 1974, na Guiné, em Angola e em Moçambique. Nem as centenas de presos políticos no Aljube, em Caxias, em Peniche, no Tarrafal e em São Nicolau. Nem a PIDE [polícia política] e as suas torturas”, prossegue o professor da Faculdade de Direito de Lisboa.


Jorge Miranda foi um dos "pais" da Constituição que temos. Era professor na faculdade de Direito, ao tempo e ajudou a fundar o PPD.
 Porém,  à semelhança de um Emídio Guerreiro, contemporizou ideologicamente com o socialismo comunista, não se demarcando do mesmo, como mostra este intróito glorioso, logo em 1976:


No ano seguinte depois de deitar foguetes ia apanhar as canas da sua obra em parceria com o comunismo socialista. 


Por isso mesmo não é de admirar muito o que escreve no Público a propósito de Salazar. Interessante seria saber porquê, realmente. Saber por que razão há tantos destes idiotas úteis, como dizia o embalsamado.


Sem comentários: