sábado, 24 de agosto de 2019

Quem tem medo do Portugal de Salazar?

Salazar morreu em 1970 e estava afastado do poder desde Setembro de 1968. Sucedeu-lhe Marcello Caetano de que ninguém fala quando se menciona o antigo regime do Estado Novo e do Estado Social.

Salazar está sepultado assim, na sua terra natal, a aldeia de Vimieiro, que ninguém refere porque só conhecem Santa Comba Dão, a sede de concelho.


A poucos metros desse local está esta pequena capela:


A escola que deverá albergar o futuro museu é esta que fica também a poucos metros:



É a isto que o director do Público, no editorial de hoje chama "microcosmo rural e bafiento" e que representa "valores tacanhos".



Vasco Pulido Valente pensa isto do tal museu:



Os " arejados" e  "alagadores" que não suportam o bafio e a pequenez sonharam antes com os grandes desígnios de um regime comunista à maneira soviética, depois com a sua versão podada no trotskismo e ainda depois pelo hibridismo de uma ideologia sem definição, mas com raiz comunista.

É esta grandiosidade sensacional a que aspiram e nos garantiu três bancarrotas e é este arejamento que nos conduziu a considerar os animais acima das coisas.

São estes os manuéis carvalhos que não querem conhecer o Portugal de antanho que tinha tanto e tanto para lhes ensinar que preferem nem saber.

A começar por aquela pedra da campa e a terminar na ideia que presidiu à construção daquela escola. Preferem nem saber, com medo de descobrirem uma realidade que os abafaria. Para sempre.

Sem comentários:

O jornalismo sério do Governo