quinta-feira, junho 10, 2021

A astrologia comunista do PCP

 Na revista O Militante deste bimestre, impressa num papel ainda couché a preto e esborratado em neo-realismo, o PCP através de uma militante míope apresenta em quatro singelas páginas, a sua teoria geral da adivinhação comunista, vulgarmente conhecida como "materialismo dialético". 

Tudo parte do pressuposto de que o mundo e as pessoas são apenas matéria e os comunistas, prescientes, equiparam-se com o instrumento infalível de previsão do passado e do futuro: o método do materialismo dialético. 

Não havendo qualquer resquício de intervenção divina na Humanidade tudo se resume aos átomos e partes ínfimas da matéria, associadas para ilustrarem os comunistas na tarefa sempre ingente de desvendar o futuro da humanidade alvitrando-lhe o destino final: o socialismo. 

Os princípios estão estudados e o primeiro é a "objectividade" que se define como o contrário da subjectividade e sinónimo de "realismo". Os "fenómenos sociais", dizia um dos papas destes astrólogos quiromânticos das linhas das "boas mãos", exigem o estudo soe "todos os seus aspectos", obviamente com excepção de um, precisamente o da hipótese espiritual e pressupondo a existência de Deus. A objectividade começa logo a mancar, mas enfim.

Depois aparece a "omnilateralidade", ou seja o estudo de todos os aspectos e de todos os ângulos, obviamente com excepção dos que não lhes convêm por serem demasiado convexos, como era um primo do Zeca Afonso. 

Em seguida a "historicidade" que é a "observação do fenómeno no seu tempo", no que os comunistas se especializaram: o tempo é todo antigo e fossilizado e por isso não lhes adianta nem atrasa nada. Não mimetizam lutas passadas porque estão sempre presentes na memória das "lutas". 

O princípio seguinte é o da "contradição", que os obriga ao esforço de perceber o que há de contraditório nos fenómenos, com algumas excepções: não estudam por exemplo a contradição entre liberdade individual e repressão e censura em gulags ou a liquidação em genocídios pela fome, do povo que  pretendem libertar das opressões.

Por fim a dinâmica estrutural da mudança de quantidade para qualidade que é a alquimia do segredo: a teoria provém da prática e esta da teoria como simbiose de proveniência incerta, eventualmente germana.

Estou certo que quem ler o artigo de quatro páginas fica a saber o que é a ciência infusa do materialismo dialético, mesmo sem citações, tirando a do tal papa embalsamado no kremlin para adoração destes duendes. 

Aqui fica o artigo que mostra como o PCP adivinhou tudo no passado e adivinhará o resto no futuro, através do método infalível de olhar para a realidade com esta arma poderosíssima que assim fica explicada.

Foi assim que adivinhou a "queda do fascismo", por exemplo, tal como explicam num livro que agora vendem, um compêndio deste tipo particular de astrologia sincrética e saber profundo, já fossilizado no século XIX e transparente no âmbar destes escritos fantásticos. 

Deve ter sido assim que adivinharam a queda do muro de Berlim e a previsível derrota dos ortodoxos comunistas às mãos de um bebedolas com nome eslavo, Ieltsin. Foi assim que adivinharam o desaparecimento de quase todos os partidos comunistas na Europa actual, com excepção deste fóssil que alberga esta gente que pensa e escreve deste modo.







Têm um grande passado pela frente para continuar a adivinhar o que nunca aconteceu...

Sem comentários:

A escola deve ser conservadora