sábado, setembro 18, 2021

A guerra em África ingloriamente perdida

 Apontamento de um boletim da Gulbenkian ( nº 17) de 1969, sobre o que se passou em África desde o  século XIX, com o domínio de todo o continente pelas nações europeias. 

O domínio territorial europeu, em África, durou quase um século e terminou praticamente durante os anos sessenta do século XX. Em alguns casos terminou como começou, de modo violento. 

Portugal, o mais antigo país europeu com territórios africanos, em consequência das descobertas do séc. XV-XVI, julgava-se diferente e com possibilidade de integração nacional das populações autóctones, o que se revelou falacioso e trágico.




A revista francesa Guerres & Histoire deste mês tem uma entrevista com um "pára" dos tempos da guerra na Guiné. O modo como conta o que se passou é ilustrativo do desconhecimento que ainda grassa por cá relativamente às nossas guerras de África, nomeadamente quanto à carência de recursos, notória face ao que os americanos faziam no Vietnam, e ao ambiente internacional em que estávamos fatalmente inseridos e que nos condicionava. 
Mesmo assim, este combatente mostra o que era um verdadeiro patriota, muito diverso dos que se punham a salvo, cavando para além-fronteiras por serem contra o "colonialismo".
Por cá muito dificilmente estas pessoas têm voz nos principais media e muito menos nas televisões, onde predominam o esquerdismo a que os balsemões deram a sua bênção a troco dos trinta dinheiros da praxe.









Sem comentários:

O director do DCIAP parte a louça