Páginas

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Um país pequeno e pobre

Diário Económico:

O consórcio formado pela Somague ganhou ontem o concurso público internacional para a principal empreitada do alargamento do Canal do Panamá. Na sessão de abertura das propostas, o consócio da construtora liderada por José Machado do Vale ficou qualificado pelo júri do concurso em primeiro lugar, quer na vertente financeira, quer na vertente técnica.
A empreitada em causa estava avaliada em cerca de 2,5 mil milhões de euros (3,5 mil milhões de dólares à cotação de ontem), mas a oferta do consórcio da Somague e da sua accionista Sacyr foi a mais competitiva, com um preço de 3.118 milhões de euros - cerca de 2.233 milhões de euros.
Boa! Parabéns. Primeiro, foi a Mota-Engil, a estender negócios para Angola. Agora é a Somague. A Soares da Costa já regista um terço da sua facturação total, em Angola ( informação do i de hoje).
No fundo, fazem o que fizeram os emigrantes, antes deles ( alguns dos donos da construção civil, foram emigrantes): sair do país, porque o país é demasiado pequeno e pobre.
Há um par de anos, os responsáveis por esse sector da construção civil e obras públicas ameaçou publica e directamente os poderes públicos, no sentido de lhes darem obras ou, senão, havia revolução ( foi mesmo assim).
Pelos vistos, desenrascaram-se por outra via. À portuguesa. Parabéns na mesma, porque é esse o modo de ser português.

1 comentário:

Tino disse...

O problema é que o menino Diogo vendeu a Somague aos espanhóis da Sacyr, em troca da ilusão de mandar alguma coisa no conselho de administração da empresa espanhola...