Páginas

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Guilherme de Oliveira Martins a desculpar os maus gestores públicos...

O presidente do Tribunal de Contas, Guilherme de Oliveira Martins, do PS, concede uma entrevista hoje, ao Diário Económico, inserida nas "entrevistas de Verão" que aquele jornal anda a publicar diariamente, durante este mês.

O que GOM diz é o habitual bla bla exculpatório de eventuais apaniguados partidários, armados em gestores da coisa pública e que são directos responsáveis pelo descalabro de milhares de milhões de euros com reflexo nas contas públicas. GOM, em resumo e depois de apontar que o tribunal de Contas avisou em devido tempo para o risco das operações swap ou para as PPP´s catastróficas, acaba por dizer: "não diabolizemos as PPP, não diabolizemos os swaps". Ou seja, deixem lá, perdoem aquilo que foi sem querer e para a próxima a ver se não se repete. Uma doutrina católica, de caridade aplicada a quem nos prejudicou a vida colectiva em modo irremediável e horrendo de consequências.
Tal, sendo válido para os pecados católicos de quem acredita, não o pode ser para quem pecou contra o regime democrático que temos, laico por excelência jacobina.  Quem decidiu em nome de um interesse público que negligenciou de modo grosseiro tem que ser punido e de modo exemplar porque outra coisa será escandaloso. Nenhum dos gestores que estiveram nos processos de decisão foram para essas empresas empurrados ou obrigados. Ganham muito mais que os salários mais elevados da função pública. Tem regalias inerentes que não têm comparação com outras funções do Estado, com excepção das governativas. Têm geralmente futuros profissionais assegurados na troca de lugares de administração entre empresas públicas e tal não pode continuar sem consequências visíveis e reconhecíveis pela população que paga os desmandos dessa gente, com sacrifícios e penúria, enquanto os mesmos continuam com a vidinha que tinham e não tem comparação com a vida do cidadão médio. Daí o escândalo destas declarações deste "compõe" da política nacional erigido em presidente de um tribunal que deveria ser levado mais a sério.



6 comentários:

Vivendi disse...

O pecado é católico mas as fortunas essas são diabólicas...

Floribundus disse...

ao imitar os Janízaros da Grande Porta dá 1 passo em frente e 3 atrás.

aqui a fraude não é filarmónica.

o Instituto Nuno Álvares de Tomar era conhecido por 'campo de concentração' na IIGG. com estes 'bardinos' estamos lá

PQP

Rui disse...

josé,
desculpe mas penso que não ser essa a intenção do entrevistado quando diz "não diabolizemos os swaps". Os swaps e as PPP são instrumentos complexos que poderão(iam) trazer benefícios caso sejam utilizados de uma forma prudente e racional. Atualmente (também por causa do jornalismo apelidado por si de "para quem é bacalhau basta"), vive-se um histerismo à volta dos SWAPS e das PPPs que efetivamente são "diabolizados" sem serem efetivamente analisados em profundidade, separando o trigo do joio e definindo gestores e profissionais efetivamente culpados de gestão danosa. Analisar o assunto sem critérios e sem estudar o assunto é o habitual neste país e normalmente conduz a que os verdadeiros culpados das situações passem entre os "pingos da chuva"...

josé disse...

Sim, mas também. O que GOM faz na entrevista é um branqueamento transversal, político, dos principais responsáveis técnicos pelo desastre.
É explícito quanto afirma que se deixe agora tudo em paz e sossego e se previna o futuro...como se no futuro próximo fosse possível voltar a repetir estes crimes que nem vêm no Código Penal ( como aliás os do BPN).

Rui disse...

A leitura que faço é que ele aponta o dedo explicitamente ao Ministério Publico pois serão eles os responsáveis por averiguar se houve ou não infração por parte dos gestores publicos.

josé disse...

Não me parece tal coisa. Se bem que o Ministério Público junto do tribunal de Contas foi alvo de várias críticas por inoperância, do antigo presidente, Alfredo José de Sousa.

António Cluny ( o MºPº no TC), a este respeito, moita carrasco...embora já tenha sacudido a água desse capote.

O ideal seria perguntar novamente a Alfredo José de Sousa como é que foi...