domingo, 10 de outubro de 2010

Coitados destes pivôs

Estes "pivôs" da tv, responsáveis pela informação que recebemos todos os dias, na estação pública de televisão, são outras vítimas da austeridade imposta pelo governo, tal como noticia o Correio da Manhã de hoje.

O da esquerda ganha 3981 euros por mês, como "vencimento-base" e vai receber menos 390 euros. Os outros levam igualmente um pequeno rombo no "vencimento-base".

O que o jornal não esclarece bem ( clicar para ler) , mas resulta claro do anúncio do governo é o seguinte: todos recebem um pequeno complemento de vencimento, por causa das elevadas funções que desempenham e que se revelam cruciais para os governos que estão.
O da esquerda recebe 11 800 euros que acrescem ao tal "vencimento-base"; a do meio, leva mais 9365 euros, todos os meses, para casa e o da direita, recebe 8860 euros mensais a título de "subsídio". Isto, no ano passado...

Estes "subsídios", gordos e apetitosos, da empresa pública de tv, presumivelmente não serão objecto de desconto algum e os referidos pivôs continuarão a recebê-los enquanto se portarem bem, profissionalmente, perante o poder que está. Provavelmente verão até a respectiva actualização, porque sim e merecem.
Não fazer demasiadas ondas noticiosas, deixar os "escândalos" políticos rebentar e noticiá-los quando for manifestamente inevitável e não se aventurarem em nenhuma espécie de jornalismo de investigação que incomode verdadeiramente o poder, são as condições de acesso aos tais "subsídios" porque rapidamente seriam substituídos se tal anomalia sucedesse.

Se se atreverem a fazer figura de Moura Guedes, ainda que ao de leve, e tomem como exemplo outras figuras do jornalismo estrangeiro, tornando-se incómodos para suas excelências, podem dizer adeus ao subsídio e passam a ganhar o trivial sujeito a desconto.

Provavelmente por isso, não os vemos diariamente nesses preparos, mas sim como jornalistas responsáveis e ajuizados que presumivelmente até condenam, veementemente, tal jornalismo "travestido".

Quem perde, no entanto, somos todos nós, que pagamos a informação da tv pública. E os tais subsídios também.



7 comentários:

rita disse...

Ultraje!!!

lusitânea disse...

Uns papagaios bem amestrados.Melhores do que os da orquestra do Titanic...

zazie disse...

Excelente, José.
Ninguém fala nisto. Repete-se sempre a cantiga que o problema é arriscarem o desemprego e mais não sei quantos, quando, na verdade, pagam-lhes balúrdios para serem sabujos.

Pável Rodrigues disse...

Aposto em como estes "figurões" também defendem que o PSD, "em nome do superior interesse nacional", deve abster-se para que o orçamento socratino seja aprovado. Quem quer apostar?

nuno disse...

Por isso eu nao vejo a televisao.... metem-me nojo, tachistas nojentos. Se todos fizessem como eu, ler mais livros , ouvir musica, conversar com amigos e esquecer a televisao miseravel que temos neste pais de ignorantes que é Portugal.

Karocha disse...

Tadinhos!
E com os milhões injectados pelo estado e pelos impostos e só poupam isto!!!

joserui disse...

Alinho absolutamente na tese que a RTP deve ser dissolvida, privatizada, numa palavra, desaparecida. Já chega. E em bom rigor, que falta faz ao país? Zero.
Mas isto é um exemplo de uma minagem que vai do papagaio muito bem pago à agremiação de bairro, que recebe 5.000€ por ano para ir votar na rosinha, nas setinhas, nos comunas ou coisa que o valha. -- JRF

A corrupção larvar em Portugal