Páginas

segunda-feira, 4 de junho de 2012

A direcção do Público continua...



Maria José Oliveira, a jornalista do "Público" no centro da controvérsia com o ministro Miguel Relvas, apresentou hoje a demissão à direcção do jornal.

Ao Expresso, a repórter da secção de política afirmou que a forma como o caso foi gerido a fez perder a confiança na direcção do diário e a vontade de lá continuar a trabalhar.

Em declarações à TSF, a jornalista lamentou ainda que a direcção tenha divulgado o conteúdo da ameaça feita por Relvas sem a consultar. A repórter afirma que "se trata de uma informação falsa que pretendia colar-me a uma agenda ideológica e descredibilizar o meu trabalho". 

Não há no jornalismo português muitos casos como este. Desejo boa sorte, pessoal e profissional à jornalista Maria José Oliveira. 


6 comentários:

hajapachorra disse...

Estórias de gajas, de ambos os géneros e do mesmo sexo, ninguém as entende. Será isto a homofobia? Quem nos ajuda? onde param as panzersexuais quando precisamos delas? não está certo, isto é uma barbaridades de santas e santinhas.

Floribundus disse...

'quem com ferros mata,
com ferros morre'

zazie disse...

"será isto homofobia"

ahahahahahahaha

Quem fez tornou pública a galinhice foi a côncia.

Esta até se portou bem em se demitir e isto é uma vergonha para @s restantes galináceos envolvid@s

zazie disse...

ahahahahaha

Mas só o hajapachorra para se lembrar das panzersexuais no meio desta anormalidade

":O)))))

lusitânea disse...

Bem eu só queria saber com quem ela dormia...

Mani Pulite disse...

Coitada,mais uma vitima do soviete do Público e respectivos controleiros do PS/MES que prepararam minuciosamente a partir do ISCTE a "OPERAÇÃO CORTA-RELVAS" PARA ARRANJAREM UM ODIOSO QUE CONSEGUISSE SER AINDA MAIS ODIOSO QUE O SÓCRATES.Um odioso de substituição em suma.Foi usada como a azeitona.Mexida,lambida,mastigada acabou cuspida sob a forma de caroço.Como revelou algum carácter não encobrindo o embuste até ao fim que se cuide.Os camaradas não perdoam a verticalidade e vão passar muito provávelmente a tratá-la mal.Perdeu a confiança.Devia ter percebido mais cedo quem era o gang de malfeitores que a rodeava.