quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Justiça alemã deixa morrer mais uma mulher!

A notícia de capa do CM de hoje tem um título errado. Devia ser "Justiça alemã deixa morrer mais uma  mulher!" porque foi assim que titulou ontem um caso em tudo parecido com o de hoje...



A notícia tem um aspecto curioso: o CM tentou saber junto da polícia alemã, se havia "queixas anteriores". Diz que a polícia não lhes disse.

É pena porque o DN conseguiu saber o que o CM não conseguiu apesar de ter falado com a"fontes próximas da família". Afinal não sabiam...o que o DN apurou:

Inês Terrahe foi degolada, este domingo à noite, em Frankfurt, onde vivia. A médica de 32 anos já tinha feito várias queixas à polícia e havia uma ordem de interdição contra Stefan Borger, de 35 anos, o único suspeito do crime.

Talvez seja caso para o Dr. Rui do Carmo, da Análise Retrospectiva a casos semelhantes,  pedir informação às autoridades alemãs, cujas leis estamos sempre a copiar, sobre como foi possível tal distracção das autoridades...e ensinar-lhes aquela coisa das 72 horas...
Talvez o caso o ensine que a histeria mediática acerca do assunto tem efeitos perversos e denunciar tal histeria num programa como o Prós e Contras, de Segunda-Feira passada ter-lhe-ia ficado muito melhor do que perorar sobre as "melhorias do sistema", deixando no ar a suspeita que os colegas do MºPº e as polícias não estão a fazer tudo o que devem. Ele está...pelos vistos. 

Enfim.

Compare-se o dislate e acinte de ontem contra a "Justiça" portuguesa, com a sonsice de hoje:



Sem comentários:

Desta vez é "crime violento"...