quinta-feira, dezembro 16, 2021

Queixa das vontades que não se mudam com os tempos

 Artigo de Euclides Dâmaso na Sábado de hoje, sobre o recente reforço legislativo para "combater a corrupção" e que se prefigura como mais um tiro de pólvora seca.  Ou então, numa paráfrase, o poema de Natália Correia- "queixa das almas jovens censuradas",  tal como cantado por José Mário Branco no disco de 1971, Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.


O artigo, sibilino qb na medida em que a queixa é auto-censurada pela omissão de nomes que emperram de facto a exigência de clareza naquela combate legislativo ao fenómeno cujo exemplo mais recente é o de Manuel Pinho:



O poema de Natália Correia era do "contra", no antigamente. A poetisa referia-se a alguém, também inominado que dava coisas incongruentes com o destino desejado. "Dão-nos"...mas, quem é que dava?! O sistema da época? Qual sistema? Político? Social? Económico? A poetisa não nos dá a resposta conveniente por se censurar convenientemente, assumindo a coragem tranquila da denúncia inconsequente, deixando à imaginação do leitor o acabamento do quadro. 
Portanto, os poetas de antanho tinham a estranha mania de nos darem este tipo de poesia que servia para tudo, num jogo de palavras rimadas com alusões fantásticas para espicaçar a curiosidade do bizarro e inesperado. 
"Dão o nome e um jornal/um avião e um violino/mas não nos dão o animal/que espeta os cornos no destino"...
Pois não davam, de facto. Era preciso apanhá-lo. Ter a coragem de o agarrar, com esforço, trabalho e labor persistente. Portanto, o "animal" não poderia ser dado. A liberdade poética deixa de ter força e arrasta consigo a impotência do gesto vão e da estética vazia.
É isso que também falta no escrito de Euclides Dâmaso, como aliás nos inúmeros e repetidos escritos avulsos de uma Maria José Morgado. Nunca nos dão, já não digo o "animal", mas sequer os "nomes da rosa". Era preciso coragem para tal, percebe-se. Mas então...o gesto será igualmente impotente e a estética vazia. 

E por falar em rosa aqui fica esta sequência de lindas fotos para "mais tarde recordar", também publicadas na Sábado de hoje.
Este indivíduo é que anda há muito a espetar os cornos no destino particular dos que aparecem inominados no escrito supra. E não é animal, mesmo no sentido poético. É apenas o que se vê. 



Sem comentários:

Salazar foi Portugal