sábado, março 18, 2023

O abuso dos padres

 No Observador de hoje, este artigo do Pe Portocarrero merece leitura e tem esta conclusão:


A Igreja Católica aceitou uma investigação de uma Comissão Independente que foi constituída por estas pessoas, aqui numa foto publicada pelo jornal O Sol desta semana:   


Uma delas é um jurista que foi delegado e procurador do Ministério Público, juiz de Direito, Conselheiro e principalmente director de uma prestigiada escola de magistrados, o CEJ que aliás ajudou a prestigiar: Laborinho Lúcio. 

Pois bem, esqueceu os princípios que ensinava, a moderação que sempre deu provas e a inteligência prática exibida perante todos, com um excepcional dom de palavra dita e de diplomacia contida na educação que sempre mostrou. 

Aceitou colaborar numa Comissão que afinal é um logro, uma fonte de equívocos e de conclusões precipitadas e erróneas que levaram a maior parte do jornalistas caseiros e komentariado diversificado a embarcar num ataque sem precedentes à Igreja Católica, aliás com a colaboração da sua hierarquia que teme a opinião pública e está insegura quanto a princípios e valores, mesmo cristãos. 

Assim é preciso que sejam outros a lembrar o óbvio e neste caso publicado no mesmo Semanário desta semana:


A Igreja Católica é neste momento a imagem deste Papa: a pusilanimidade em acção perante quem a pretende destruir.  A confusão de conceitos e o acompanhamento com a demagogia, bem como a vontade de agradar à maioria. 

Conhecem alguém assim? Conheço eu: o nosso actual presidente da República! Um caso patológico, a meu ver e que o próprio deve saber que é. 

No fundo, é uma cobardia, tão simples quanto isso. 


Sem comentários:

Megaprocessos...quem os quer?